12.9.12

In Our Hands (14/27)



Título: Em Nossas Mãos
Resumo: "As palmas não mentem, Oliver." Zatanna aclamou enquanto ele afastava a mão. "Você tem um filho."
Autora
: slytherinpunk
Classificação: R (eventualmente NC-17)
Spoilers: segue os acontecimentos até o terceiro episódio da décima temporada e segue AU depois disso. Oliver nunca se revelou como Arqueiro Verde e Tess nunca comandou a Watchtower.
Banner da história: dhfreak
Banner dos capítulos: sanaazzy
Anteriores: 01 :: 02 :: 03 :: 04 :: 05 :: 06 :: 07 :: 08 :: 09 :: 10 :: 11 :: 12 :: 13






Chloe suspirou levemente quando houve outro baque contra seu assento. Havia diversão em seu rosto quando levou o café até a boca pra tomar um longo gole. Depois de voltar do jantar na noite anterior ela passou uns trinta minutos tirando o som da gravação do jogo de Connor. Tinha aprendido sua lição com o vídeo que Oliver tinha assistido na outra noite. Não precisava de Connor ouvindo a conversa deles sobre ele como filho... Ou os comentários de Adrian. Connor, depois do jantar e sobremesa estava exausto e adormeceu logo, tanto que nem assistiu o DVD, mas Chloe sim.

Algumas vezes na verdade, em seu quarto e a tinha deixado ainda mais confusa. Especialmente a parte onde Oliver se levantou e gritou com o outro homem por ter sido rude com ela... Ele parecia genuinamente chateado com o jeito que ela tinha sido tratada e deixou isso perfeitamente claro. Ela assistiu essa parte da fita repetidamente, procurando algum entendimento do que ele tinha pensado, mas nada. Era seguro dizer que ela não tinha dormido muito bem, pensamentos de Oliver possivelmente não a odiando tanto quanto ela originalmente imaginou invadiram sua mente, com sucesso impedindo-a de dormir.

Então quando todos finalmente acordaram, ela surgiu que começassem o dia cedo, tomando café num pequeno restaurante perto da casa e então passarem a manhã na feira de livros e possivelmente almoçar antes de ir comprar as coisas que Connor e Oliver precisavam para os treinos. O que os dois homens em sua vida concordaram prontamente.

Outro baque contra seu assento a acordou de seus pensamentos e ela se mexeu, olhando para Oliver no banco do motorista que tinha um risinho no rosto, mais porque esperava que ela ficasse irritada o suficiente pra dizer alguma coisa para o filho deles.

Chloe se mexeu para olhar para o assento traseiro onde estava seu filho de seis anos, sobrancelha erguida, tom levemente divertido, mas carinhoso. "Connor... meu filho favorito... por que você está jogando a bola de futebol contra meu banco?"

Ele deu de ombros e sorriu. "Eu sou seu único filho... e estou cansado."

Chloe balançou a cabeça e suspirou se virando pra frente. "Eu juro, garoto... você tem mais energia que um feijão mexicano. Olha, vamos estacionar agora... por favor, pela saúde da minha sanidade, pára com essa bola." Ele deu risada e colocou a bola no assento ao lado enquanto Chloe tomava outro gole de seu café e Oliver estacionava o carro.

"Pelo menos você não derramou o café", Oliver ergueu um ombro, dando risada antes de desligar o carro e tirar o cinto.

Chloe bufou, mas havia humor em seus olhos. "Eu teria feito você voltar pra casa pra gente pegar mais."

Connor abriu a porta e Chloe o chamou. "Calma aí, Rambo... espera a gente." Connor fechou a porta e ficou parado até Chloe e Oliver saírem do carro. Ela franziu o nariz, caneca na mão direita enquanto estendia a outra para Connor.

Ele ficou parado entre ela e Oliver, sua mão segurando a de sua mãe enquanto pulava fazendo o café de Chloe espirrar em seus lábios.

Ela ergueu a sobrancelha enquanto lambia o café em sua boca e ele lhe deu um olhar envergonhado. "Eu quero balançar."

Chloe deu risada. "Bem, uma mão minha está ocupada, segura a mão do Oliver e balançamos você juntos... Você está ficando muito pesado só pra mim."

Connor olhou para Oliver hesitantemente, incerto se deveria pegar a mão dele.

Oliver estendeu a mão para Connor. "Eu nunca fiz isso antes..." Ele sorriu para Chloe enquanto Connor pegava sua mão. "Você tem altura suficiente pra essa brincadeira?"

Connor sorriu e revirou os olhos. "É só me balançar, por favor. No três... um... dois... três... balança!"

Chloe riu e junto com Oliver levantaram Connor e o balançaram pra frente entre eles antes de seus pés atingirem o chão e ele estava contando novamente.

Eles o balançaram mais quatro vezes enquanto iam para a entrada e Connor gritou. "Ok, última vez... desta vez pode me soltar no final."

Chloe inclinou a cabeça para o lado e apertou os lábios. "Cuidado pra não acertar ninguém."

Ele assentiu e então foi balançado, soltando as mãos e caindo no chão de novo. Ele entrou pulando e olhou pra eles com um sorriso no rosto. "Podemos procurar Nickolaus?"

Chloe e Oliver entraram na feira e ela cutucou Connor levemente. "Por que você não fica com a gente um pouco? Nick não está aqui ainda, a mãe dele disse que ia chegar mais tarde."

Connor assentiu. "Ok... Podemos ver os livros de esporte primeiro?"

Ela sorriu. "Claro que sim." Connor tentou sair correndo, mas Chloe segurou sua mão antes que ele pudesse atravessar o salão. A feira estava surpreendentemente cheia às dez da manhã e ela não queria ele no meio da multidão. Podiam ter tido um vida calma nos últimos seis anos, mas não era da natureza de Chloe baixar a guarda.

"Lembre-se das regras, Connor, fique onde eu ou o Ollie possa te ver. Nada de correr. Eu sei que você está animado, mas vamos devagar."

Ele suspirou mas assentiu enquanto se movia lentamente na frente deles, mas não o suficiente para preocupá-los. Chloe cutucou Oliver, chamando a atenção dele e acenando com a cabeça na direção de Connor, que os puxava com ele.

Oliver deixou Chloe conduzi-lo enquanto tentavam acompanhar Connor, seguindo-o até os livros de esporte e ele viu o rosto do filho se iluminar, completamente animado com os arredores.

"Mãe, olha! A biografia do David Beckham!" Connor segurou o grosso livro maravilhado.

"Ei, campeão... acha que pode me ajudar a encontrar alguns livros sobre o futebol e as regras?" Oliver sorriu. "Eu queria aprender um pouco mais."

"Claro!" Connor segurou a mão de Oliver, puxando-o na direção de outra mesa.

Chloe seguiu Connor com os olhos enquanto ele puxava Oliver na direção dos livros sobre futebol e sorriu observando-os interagirem. Connor falava com as mãos enquanto apontava para vários livros e ela podia ver a concentração no rosto de Oliver ouvindo o filho atentamente como se fosse a única que coisa que importava no mundo... A luz em seus olhos diminuiu levemente e ela engoliu em seco. Era o mesmo jeito que ele costumava olhar pra ela quando ela falava com ele. Como se ela fosse a coisa mais importante no mundo pra ele.

Ela podia sentir o ardor nos olhos e os fechou brevemente, virando-se para se recompor. Quando os abriu novamente, Chloe olhou de novo para seu filho e o pai, percebendo que ainda estavam imersos na conversa então ela foi na direção dos corredores com livros sobre computadores e outras tecnologias para pesquisar e ao mesmo tempo dar tempo para Connor e Oliver.

"E esses são todos de crianças", disse Connor enquanto empilhava outro livro nas mãos de Oliver. "Se você olhar", ele disse enquanto começava a folhear algumas páginas. "Tem os níveis e os chutes que você pode usar." Connor franziu o nariz. "Alguns são muito avançados pra mim."

Oliver olhou pelas páginas. "Com certeza." Ele sorriu para Connor. "Você precisa crescer um pouco mais pra tentar os chutes mais difíceis..."

Connor assentiu. "É o que o técnico diz. Sem ofender a mamãe, mas eu espero puxar a altura do meu pai."

Apertando os lábios, Oliver olhou novamente para o livro. "Como você sabe a altura dele?"

Connor tirou as mãos dos livros. "Você viu as fotos, certo? O Arqueiro Verde deve ter quase dois metros!"

Oliver olhou por sobre o ombro, não vendo Chloe. "Lembra que você disse que o Arqueiro Verde tem uma identidade secreta?"

"Sim, todos os super herois têm", Connor se virou para outra mesa de livros, parecendo interessado.

"Eu só acho que é mais seguro pra você e sua mãe se você não falar isso em público", Oliver tentou falar com indiferença.

Connor ergueu uma sobrancelha e se virou para Oliver. "Ele mora nos Estados Unidos."

Oliver assentiu. "Sim, mas... ele tem inimigos... e se eles acreditarem que você é filho dele, você e sua mãe podem estar em perigo."

"Mas estamos na Alemanha", Connor franziu a testa. "Ele não tem inimigos aqui."

Oliver refletiu. "Acredite em mim... se você está no negócio dos super herois, você tem inimigos no mundo inteiro."

Connor o estudou silenciosamente por um momento. "Ok, você tem razão... não vou mais falar nada em público."

"Obrigado", Oliver bagunçou o cabelo de Connor. "Agora, o que mais vamos pegar sobre o futebol?"

Connor deu de ombros. "Tem um monte de livros, aqui tem outro." Ele colocou na enorme pilha nos braços de Oliver antes de apertar os lábios ao ver uma coleção que ele tinha. "Acho que já está bom, temos alguns em casa também." Ele começou a sair do corredor e parou olhando ao redor, seu pequeno corpo ficando tenso. "Onde está minha mãe?"

Ele se moveu rapidamente entre a multidão com um estranho pânico dentro dele. Ele tinha seis anos e era bobo ficar em pânico porque sua mãe não estava perto, mas ela nunca deixava ele sozinho com estranhos. Ele sabia que Oliver era amigo de sua mãe e ele estava sendo muito legal, mas sua mãe nunca deixava ele sozinho. Ele engoliu em seco enquanto Oliver tentava acompanhá-lo, a voz de Connor alta enquanto chamava por ela. "Mãe... mãe!"

Chloe olhou pra cima, soltando o livro ao perceber o pânico na voz de seu filho e saiu do corredor, vendo as costas de Connor. Ela correu até ele, girando-o para ver seu rosto. "Connor, o que foi? O que aconteceu?"

Ele abriu a boca e hesitou antes de falar, um pouco envergonhado. "Eu... não sei. Eu não vi você... eu pensei..." Ele arfou e balançou a cabeça antes de abraçar a cintura dela com força por um minuto.

Chloe olhou para Oliver, sobrancelha erguida em confusão enquanto Connor se afastava e olhava de um para o outro. "Vamos procurar os livros sobre carros..." Ele parou e deu alguns passos mas sem deixar de olhar pra eles, ou se distanciando muito.

Oliver piscou por um momento antes de entregar os livros sobre futebol para Chloe e segurar Connor gentilmente, colocando-o sobre seus ombros, segurando-o. "Pronto", Oliver olhou para Connor. "Desse jeito você pode ficar de olho na sua mãe."

Connor olhou pra baixo, pra sua mãe e então olhou para Oliver. "Você é muito alto..." Reflexivamente ele segurou Oliver com mais força. "Não sabia que você era tão alto... mamãe, olha como eu estou alto!"

Chloe engoliu em seco quando percebeu o que deveria ter acontecido. Tinha esquecido de dizer a ele que ia olhar os livros e Connor ficou assustado quando não a viu. Ela se sentia horrível. Equilibrou as pernas dele antes de segurar o braço de Oliver.

"Estou vendo... acho que dá pra você ver todo mundo aí de cima!"

Ele assentiu e ela deu a Oliver um sorriso em agradecimento.

Oliver lhe deu um pequeno sorriso em resposta.

"Oh!" Connor gritou e apontou pra frente. "Os livros de contos de fadas! Podemos ir lá?"

Chloe sorriu. "Claro, docinho, já que você está vendo daí, mostre o caminho, mas não se esqueça de segurar em Ollie..."

Chloe soltou a mão do braço de Oliver enquanto iam para onde seu filho apontava.

O rosto de Connor se iluminou ao olhar ao redor. "Wow... olha todos esses livros! Podemos comprar alguns? Ai meu Deus, mãe, olha, tem até gibi de super heroi!"

Ele se mexeu nos ombros de Oliver indicando que queria descer. Oliver o colocou no chão e assim que isso aconteceu, ele estava correndo pelos livros e gibis.

Chloe deu risada antes de olhar para Oliver. "Desculpe por antes... eu deveria ter dito onde eu ia... só quis dar a vocês um tempo juntos", ela deu de ombros e olhou de volta para Connor.

Oliver assentiu. "Eu entendo, mas imagino o que ele sentiu. Ele teve seis anos e nove meses com você... você é tudo que ele conhece, e tem muita gente aqui." Ele sorriu, aproximando-se dela. "Você fez um trabalho excelente ao criá-lo... ele não conversou com nenhum estranho o tempo todo em que estava te procurando."

Ela sorriu e esfregou levemente o braço de Oliver. "Estranho é perigo", ela riu enquanto Connor ficava de joelhos e vasculhava os gibis da última prateleira. "Mas obrigada... e eu sei que você está certo. Tem muita gente aqui e eu não tenho o hábito de sair sem dizer a ele onde estou."

Oliver assentiu e estava prestes a dizer alguma coisa quando Connor gritou. "Aha... olha mãe! Um gibi do Arqueiro Verde! E tem um do Lanterna Verde também! Posso pegar?" Ele já estava sentado no chão, recostado contra a estante e abrindo os gibis, olhos correndo as páginas com interesse. Chloe deu um risinho na direção de Oliver que tinha um sorriso no rosto. "Claro, querido... vamos levar algum conto de fadas?"

Connor deu de ombros, mas não tirou os olhos do gibi. Chloe se virou na direção de Oliver com diversão no rosto. "Acho que o perdemos para o mundo dos gibis, embora por alguma razão, eu não ache que o talento deles como contadores de histórias sejam melhores que os meus."

Oliver olhou para o gibi que Connor segurava. "Eu não sabia que eu tinha um gibi..." Ele murmurou.

Chloe ergueu uma sobrancelha pra ele, humor em sua voz. "Você tem... na verdade não muitos, mas se estiver curioso, Connor não vai se importar de mostrar a coleção dele... ele tem todos em casa. Tem alguns da Liga da Justiça também... mas os seus são os favoritos..." Ela engoliu em seco, lambendo os lábios enquanto falava hesitantemente. "Muitas noites quando não lemos contos de fadas... ele pede as histórias do Arqueiro Verde... faz tempo que não conto nenhuma a ele." Ela clareou a garganta e desviou o olhar. "Talvez você possa contar alguma... se você quiser, é claro..."

"Não acho que seja uma boa ideia..." Oliver olhou pra ela em silêncio por um momento. "A minha favorita é quando o Arqueiro Verde dá a mulher que ele ama, um satélite..."

Chloe observou Connor enquanto respirava fundo, mexendo-se levemente e passando os braços ao redor da cintura. Aquele dia tinha sido o melhor e o pior dia de sua vida. Foi a primeira vez que ela e Oliver disseram eu te amo um para o outro... e também foi o dia que a fez colocar o Capacete do Dr. Destino... uma ação que mudou sua vida pra sempre.

Puxando um livro com uma capa dura verde, Connor o ergueu com as duas mãos. "Mãe!" Ele exclamou animado. "As Aventuras de Robin Hood! Não temos este!"

Chloe não teve a chance de comentar as palavras de Oliver quando viu o livro nas mãos de Connor. Ela engoliu em seco. Connor não tinha aquele livro, mas ela tinha. A primeira edição.

Oliver tinha lhe dado antes de ir em uma viagem de negócios... disse que era pra ela guardá-lo em segurança até ele voltar. Ele costumava brincar que aquele livro era seu favorito, e não importa onde ela estivesse, ele sempre encontraria um jeito de chegar até ela porque aquele livro era uma parte dele. Ou alguma coisa boba assim que ela não conseguia se lembrar direito, mas no momento em que lembrou das palavras dele, sentiu o coração doer.

Ela foi até Connor, se ajoelhou ao seu lado e pegou o livro de suas mãos. Um pequeno sorriso que não alcançou completamente os olhos. "Sabe... se você quiser pode levar esse, mas eu tenho uma versão muito melhor em casa." Ela hesitou olhando para o livro ao invés de Connor. "Desculpe nunca ter mostrado a você."

Connor devolveu o livro. "Ah mamãe. Tem que dividir", ele brincou, um inconfundível risinho Queen nos lábios.

Ela deu risada às palavras de seu filho quebrando a tensão que a rodeava. "Hmm... wow, eu podia até dizer que somos parentes." Chloe se inclinou e deu um beijo em seu rosto antes de pegá-lo pela cintura e começar a fazer cócegas nele enquanto ele lutava pra se soltar. Ela deu risada, deixando-o sair, e ele correu pra se esconder atrás de Oliver.

Connor deu um risinho enquanto colocava a cabeça ao lado de Oliver. "Não pode me pegar agora... Oliver é maior que você." Ele mostrou a língua e Chloe ergueu uma sobrancelha. "Ah é? Bem, Ollie é um cavalheiro... ele nunca bateria numa garota", ela abaixou a voz. "Além do mais eu ouvi dizer que Ollie sente cócegas também..." Sua voz parou e ela apontou para as laterais dele.

O sorriso de Connor aumentou e ele olhou para Oliver com malícia. "Se isso é verdade..."

"Não se distraia, Connor", Oliver avisou. "Sua mãe só está tentando esconder o fato de que ela é que sente cócegas."

"Sério?" Connor olhou para Chloe.

"Sim", Oliver assentiu. "Ela é sorrateira, mas sente cócegas em todo lugar..."

Chloe olhou pra eles enquanto avaliava sua situação. Bem, as coisas não estavam exatamente como tinha planejado, mas era boa em improvisar.

Ela olhou para os arredores, procurando suas possíveis saídas antes de olhar para Connor novamente, um sorriso fácil no rosto. "Você me conhece há seis anos, Connor, você saberia se eu sentisse cócegas... não está vendo o que ele está fazendo? Quer dizer, qual é, não seria muito masculino ficar dando risadinha em público por causa de uma criança de seis anos, não é? Ele tem que manter a imagem, é uma tática... ele está distraindo você... estratégia de defesa, eu não te ensinei nada? Além do mais, somos um time... não somos Connor?"

Connor sorriu para sua mãe antes de se virar para Oliver.

O canto da boca de Oliver tremeu. "Eu disse que ela era sorrateira... Pensa bem, eu podia segurá-la facilmente, sem chance dela escapar enquanto você faz cócegas nela." Ele sorriu enquanto olhava de volta para Chloe. "Connor... há quantos anos sua mãe faz cócegas em você?"

Connor olhou para sua mãe. "Seis anos..."

Oliver assentiu. "Eu nunca fiz cócegas em você..." Ele se aproximou de Chloe. "Em quem você prefere fazer cócegas, Con?"

Dando um passo junto com Oliver, Connor deu um risinho para sua mãe. "...Mamãe."

Chloe apertou os lábios em diversão embora seu tom fosse sério. Ela foi se aproximando do final do corredor enquanto Connor e Oliver estavam falando. "Traidor... Muito bonito. Dando as costas à mulher que passou dezoito horas te trazendo para este mundo..." Ela balançou a cabeça. "Muito legal... bem, quer saber, você vai ter que me pegar primeiro."

Ela saiu na direção de um corredor e entrou em outro para não encorajar Connor a correr por toda a feira. Ela estava olhando pra trás e acabou trombando em Oliver. Ela deu um gemido e se virou para correr para o outro lado quando ele passou os braços ao redor da cintura ela.

Ela gritou e deu risada chamando Connor. "Connor, socorro! Tem um gigante me segurando!"

Oliver levantou a cabeça, olhando ao redor e esperando Connor atacá-lo a qualquer momento quando viu ele falando com Nickolaus e a Sra. Strauss três corredores adiante. Ele sorriu e apertou o abraço em Chloe, roçando os dedos sob a blusa dela, bem acima de seu quadril, com sucesso fazendo cócegas antes de afastar a mão.

"Nosso filho está distraído... você meio que está ao meu dispor", ele deu risada antes de respirar fundo, acidentalmente sentindo o cheiro do cabelo dela, fazendo um arrepio correr sua espinha.

Chloe deu risada se contorcendo em seus braços enquanto lutava para se libertar. Ela se mexeu e conseguiu com sucesso se virar nos braços dele e cutucar suas laterais. "Cuidado, Queen, você deveria saber que eu dou o mesmo que recebo."

Ela deu outra risada antes de olhar pra ele e de repente a posição deles não era mais tão engraçada. Ela engoliu em seco, o sorriso sumindo de seus lábios enquanto corria os lábios com a língua inconscientemente, o ar ficando preso na garganta e as mãos agarrando a lateral do corpo dele ao invés de soltar.

Ele observou a língua dela correr sobre os lábios atentamente, e de repente achou difícil respirar. "Oh acredite em mim... " Ele voltou para os olhos dela. "Eu sei que você dá o mesmo que recebe..."

O coração dela acelerou ao tom na voz dele e avisos de alerta apareceram em sua cabeça. Isso era errrado de muitos jeitos, ela deveria estar se afastando e ao invés, podia sentir seu corpo se derretendo contra ele, se aproximando mais, com as mãos ainda nele. O corpo de um homem que não tocava há anos... de um homem que não era dela. Oliver estava noivo... e só isso era mais do que um balde de água fria.

Chloe gelou, tensão em cada parte de seu corpo e abriu e fechou a boca duas vezes antes de falar. "Connor... temos que encontrar Connor."

Oliver fechou a boca, engolindo em seco antes de assentir e soltar as mãos do corpo dela, dando um passo pra trás e respirando fundo. "Três corredores à esquerda..." Ele olhou pra ela por um momento. "Ele está com Nicklaus e a Sra. Strauss."

Chloe desviou o olhar e assentiu, a voz mal um sussurro. "Obrigada." Ela se virou e foi para onde Connor estava sem olhar pra trás, o coração apertando mais enquanto se aproximava dele, e isso deixava tudo pior.

Ela viu a mãe de Nickolaus e quando Adrian olhou pra cima, Chloe lhe deu um meio sorriso e acenou. Ela sorriu e acenou pra eles se aproximarem. "Venham cá vocês dois, estão perdendo toda diversão."

Chloe podia sentir os olhos de Oliver, mas continuou andando na direção das crianças e Adrian.

Oliver seguiu Chloe a distância, olhando para suas costas e tentando entender o que tinha acabado de acontecer, especialmente pelo lado de Chloe. Ele sabia que ainda se sentia atraído por ela, ela continuava linda, inteligente e mais sarcástica do que nunca. E assim que ele baixou a guarda, ela inconscientemente o estava puxando pra ela.

Ele viu Connor passar os braços ao redor da cintura de Chloe, perguntando onde estavam os livros de futebol que Oliver tinha lhe entregado para mostrar a Nickolaus.

Oliver prendeu a respiração, percebendo que Chloe devia tê-los deixado cair quando ele a pegou nos braços, com a intenção de lhe fazer cócegas. Ele se encolheu e se xingou por ter atravessado a linha novamente. Tinha que lembrar de manter distância e não deixar isso acontecer, porque embora Connor fosse seu filho, Chloe não lhe pertencia, e também não tinha mais o desejo de estar com ele.

"Sua mãe deixou cair quando eu a assustei", Oliver deu um fraco sorriso. "Mas tudo bem, eu vou lá pegar."

Adrian olhou para Chloe curiosamente enquanto os garotos seguiam Oliver.

Chloe os observou e suspirou, tinha esquecido completamente dos livros quando Oliver a agarrou. A única coisa que tinha consciência era dos braços dele ao seu redor, de um jeito que ele não fazia há muito tempo. Ela tinha deslizado novamente e se perdido nele... e num mundo fantasioso que tinha criado nos últimos dias. Só porque ele estava por perto e em suas vidas não significava que ele estava tentando começar coisas entre eles novamente. Ele estava lá por Connor... não por ela.

Oliver estava noivo de Dinah... e ele obviamente não a queria e ela precisava aceitar isso, mas até isso acontecer obviamente tinha que ficar longe dele até porque os últimos dias com ele e Connor tinham feito com que desejasse a família que sempre sonhou ter com ele... e isso nunca ia acontecer.

Ela engoliu em seco e se virou para Adrian que estava olhando pra ela. Chloe ergueu uma sobrancelha pra ela e falou em inglês. "O quê?"

Adrian deu de ombros, antes de olhar para Oliver e os garotos e então de volta para Chloe. "O que está acontecendo entre vocês dois? É óbvio que tem alguma coisa aí... uma fagulha, quem sabe... amor?" Adrian sorriu e Chloe balançou a cabeça, fazendo o melhor pra manter a dor longe do rosto enquanto continuava a conversa.

"Não está acontecendo nada, e o que importa se houver algum sentimento? Não repita o que eu vou te falar", ela lhe deu um olhar sério, falando mais baixo. "Ele está noivo, Adrian... noivo... confie em mim, a única razão pra ele estar aqui é Connor... Nada mais. Então esquece a coisa do felizes para sempre agora... porque isso não é um conto de fadas."

Ela se virou, fechando a boca quando viu Oliver e as crianças voltando. Colocou um sorriso no rosto por Connor. "Descupe, bebê, conseguiram encontrar todos?"

Connor assentiu. "Sim. Nickolaus quer voltar para a parte de esportes e pegar um livro também."

Ela assentiu. "Ok, tudo bem." Chloe pegou o telefone da bolsa para ver a hora antes de olhar de novo para Connor. "Wow, a hora voou. Já passa do meio-dia, então depois de pegar o livro com Nick, vamos pagar e ir embora almoçar antes de ir comprar as coisas que você e Oliver precisam para o treino. As lojas fecham cedo no domingo..."

Ela parou de falar e Connor assentiu. "Ok, podemos comer pizza?"

Chloe sorriu. "Claro... quer que eu vá com vocês pegar o livro?"

Antes que pudesse responder, Adrian falou. "Tudo bem, eu vou com eles, sei que você correu com Connor por aqui a manhã inteira."

Chloe ia dizer alguma coisa, mas eles já estavam se afastando. Ela engoliu em seco e arriscou uma olhada para Oliver que tinha as mãos nos bolsos, parado ao lado dela em silêncio. Ela clareou a garganta e falou baixinho. "Está tudo bem? Ou você queria ficar aqui um pouco mais?"

Oliver olhou pra ela antes de erguer os ombros. "Sim, tudo bem." Ele olhou para os diferentes corredores. "Tem mais alguma coisa que você queria ver enquanto estamos esperando?"

Ela balançou a cabeça. "Não... peguei tudo que precisávamos... eu precisava. Eu quis dizer eu..." Ela parou de falar, mas se recuperou logo, finalmente fazendo contato visual com ele enquanto inclinava a cabeça. "Tem alguma coisa que você precisa? Ou alguma coisa que você queira?"

Ele mordeu o lábio para impedi-lo de tremer. "Não, tudo bem... vou levar só os livros sobre futebol." Ele olhou por sobre o ombro para o corredor de contos de fadas onde estavam há alguns minutos. "Quer me ajudar a escolher um livro para o Connor?"

Ela deu risada mostrando os livros em sua mão. "Estes não são suficientes? Ele também pegou um gibi do Arqueiro Verde... Mas se você quiser..." Ela parou de falar incerta. Não sabia se ele estava sendo amigável ou só tentando se livrar da tensão entre eles desde que ela fez a festa agarrando seus músculos e peito. Lugares que ela não tinha mais o direito de tocar. Mas iam passar o resto do dia juntos e não queria as coisas estranhas para Connor e decidiu que precisava deixar o que aconteceu de lado.

Chloe engoliu em seco e se virou na direção dele, falando rapidamente antes que Adrian e as crianças voltassem. "Desculpe... por antes. Eu não queria... eu só--" Ela parou, apertando os lábios. "Eu não queria invadir seu espaço pessoal... prometo que não vai mais acontecer... eu só quero que esse dia seja legal para Connor. Não quero que as coisas fiquem estranhas. Ainda temos que almoçar, fazer compras, jantar, e colocá-lo na cama e a última coisa que ele precisa é ver a tensão entre nós. Eu sei o quanto é importante pra você que Connor goste de você e não quero atrapalhar o progresso entre vocês dois. Então, estamos bem? Podemos passar pelo resto do dia como..." Sua voz parou, seu coração acelerado quando percebeu que ia dizer 'como uma família...' Exceto que eles não eram.

Ela clareou a garganta. "Como pessoas que se dão bem?"

"Eu me desculpo por invadir seu espaço pessoal primeiro, é só que pareceu--" Oliver cerrou as mãos em punhos ao lado do corpo, unhas cravando a palma da mão pra se impedir de segurá-la novamente. "Natural", ele arfou.

"Eu também não quero causar nenhum problema... então acho que se não começarmos outra guerra de cócegas, estamos bem", ele lhe deu um pequeno sorriso.

Ela mordeu o lábio e deu de ombros. "Você não invadiu e está tudo bem... é uma reação natural pra mim também... por isso eu me desculpei... mas sim, acho que guerras de cócegas são melhores só com as crianças", Chloe deu risada. "Então... você queria..."

"Mãe! Pegamos os livros, podemos pagar?" Connor perguntou, aproximando-se com Adrian e Nickolaus, Chloe suspirou e assentiu. Ela olhou para Oliver, sua mão tocando o braço dele levemente. "Desculpe... a feira dura a semana inteira. Se quiser podemos voltar num dia enquanto ele está na escola."

Oliver balançou a cabeça. "Eu quero ler os livros antes dele chegar em casa. Desse jeito podemos treinar quando ele terminar a lição de casa", ele sorriu.

Chloe sentiu o coração aquecer e esfregou o braço dele, afastando a mão e indo na direção em que Adrian e os garotos tinham ido, com Oliver agora atrás dela. "Isso é muito legal da sua parte..."

Ela hesitou por um segundo antes de falar com a voz baixa, mesmo estando longe de Connor. "Acho que eu não disse o quanto você está sendo maravilhoso com ele... quer dizer, eu sei que ele é seu filho, mas você é realmente bom naturalmente... e... se eu exagerar em alguma coisa..."

Ela parou de falar e deu de ombros. "É só me dizer.... Mas acho que ele está realmente gostando de você..." Ela lhe deu um pequeno sorriso antes de olhar para os livros em sua mão um pouco embaraçada com as palavras, mas fazendo o melhor que conseguia.

"Você não está exagerando", ele garantiu com um sorriso quando alcançaram os garotos, onde Adrian estava pagando pelos livros de Nickolaus.

Oliver se apertou entre Chloe e Connor, pegando os livros dos braços dela e de Connor, colocando-os em sua própria pilha antes de pagar.

Inclinando a cabeça, Connor olhou para Oliver quando ele pegou a carteira. "Por que você pegou nossos livros?"

"Eu pago", Oliver sorriu e entregou algumas notas à mulher.

"Oh", Connor olhou para sua mãe antes de sorrir para Oliver. "Obrigado." Oliver assentiu, pegando as sacolas com os livros e agradecendo a mulher, e Connor ergueu uma sobrancelha. "E agora você vai carregar as sacolas?"

Oliver deu risada. "Sim... é uma coisa legal de se fazer... carregar os livros de uma garota pra ela", ele piscou para Chloe.

Chloe revirou os olhos e Connor franziu o nariz enquanto iam para a saída, Nick e sua mãe vinham atrás deles. "Você só carrega livros para uma garota se você gostar dela... essa é a regra", ele apertou os lábios olhando entre os dois adultos antes de erguer a sobrancelha para Oliver, vendo que resposta ele daria ao seu comentário.

Oliver deu risada. "O cavalheirismo não está morto."

Connor bufou, malícia em seu rosto enquanto saíam. "Você também anda num cavalo branco?" Chloe mordeu o lábio para se impedir de dar risada e olhou para Oliver, humor brilhando em seus olhos ao ver o filho o provocando.

Oliver deu de ombros. "Não, eles atrapalham na hora de resgatar uma dama. São muito mais fáceis de roubar do que carros ou jatinhos."

Connor sorriu. "Já resgatou muitas damas?" Nickolaus deu risada e Adrian deu um risinho para Chloe que ignorou e continuou andando enquanto corria os dedos no cabelo de Connor.

"Sim", Oliver sorriu, abrindo o carro e colocando as sacolas dentro, ele fechou a porta antes de olhar para Chloe e seu filho. Ele apertou os lábios, os olhos menos brilhantes. "Às vezes elas não querem ser salvas..."

Connor inclinou a cabeça para o lado, uma expressão pensativa no rosto quando viu o sorriso de Oliver diminuir. Ele cutucou o homem alto com o pé pra chamar sua atenção.

Connor lhe deu um sorriso que era todo Chloe enquanto falava. "É aí que você tem que tentar mais porque algumas vezes a dama não sabe que quer ser salva até você salvá-la..."

O canto da boca de Oliver tremeu antes de dar um risinho. "Salvou muitas damas já?"

Connor deu de ombros. "Talvez..." Ele se virou para Nickolaus e sorriu. "Quer brincar depois da escola amanhã se minha mãe deixar?"

Nick assentiu e sua mãe apontou para o carro. "Claro."

Adrian acenou para Chloe. "Talvez enquanto as crianças brincam amanhã, você e eu podemos tomar um café... e conversar, sim?"

Chloe sorriu. "Claro..."

Adrian sorriu para Oliver. "Bom vê-lo de novo, Sr. Queen."

Oliver assentiu. "Igualmente, Sra. Strauss." Ele olhou para Chloe e Connor enquanto entravam no carro depois que Nick e Adrian se despediram. "Então... onde tem a melhor pizza da Alemanha?"


_____________

____________________________________________________________________

8 comentários:

  1. Estava demorando para alguém surtar. Connor já começou aí na feira, quem vai entrar no embalo? Aposto na Chloe ;)


    Estou tenso esperando para alguém revelar alguma coisa a alguém. Qualquer coisa, qualquer pessoa. Esse negócio deles não serem uma família e ficarem brincando de casinha é agoniante kkkk

    Talvez seria uma boa hora para o Oliver ter um assunto urgente para resolver nos Estados Unidos e dar uma recuada para raciocinar e deixar a Chloe fazer o mesmo. (Olha eu especulando! Hehe)


    Também estou curioso quanto as datas.
    Quanto tempo Oliver vai ficar?
    Ele vai voltar para os Estados Unidos antes de se entender com a Chloe?
    Quanto tempo ele já está ali?
    Eles vão passar mais três meses nessa agonia até o aniversário do Connor? Diz que não rs

    Ô questõessssss kkkk

    ResponderExcluir
  2. Connor é uma graça, a família quase perfeita também, mas PELO AMOR DE DEUS!!
    Até quando eles vão aguentar ficar sem esclarecer as coisas?Estou em agonia aqui.

    Esses dois precisam de algumas horas sozinhos. Adrian podia trancar esses dois em um quarto e só soltar quando tudo estivesse resolvido.

    Já foram 14 capítulos, to sofrendo!

    ResponderExcluir
  3. Oremos pra Nossa Senhora dos Nós Atados pra ver se ela desata este ai ,por que pelo amor de Deus nunca li uma fic tão enrolada , toda vez vou na maior expectativa e nada , me diz que a ação não ficou pros dois capitulos que não foram escritos kkkkkkk :(

    Alice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkk
      Espero que não =(

      GIL

      Excluir
  4. Ô ANGÚSTIA SEM FIIIIIIIIIIIIIIM!! Céuuusss!!
    Tô achando que os próximos a surtar, somos NÓS...
    Alguém, qaulquer um, FAZ ALGUMA COISA, QUALQUER COISA...

    GIL

    ResponderExcluir
  5. Ok, estou com dó de vocês, então vou postar alguns 'spoilers' aqui, ou seja, pense antes de ler... rs...

    >>> Não se preocupem com mais um drama do Connor, achando que ele vai ter esses ataques de pânico de torto a direito... (pelo que me lembro lol)

    >>> O ritmo da fic é essa lentidão mesmo, quanto a isso nada a fazer...

    >>> A ação que vocês estão pedindo não ficou para os últimos dois caps... ufa... lol

    >>> Para o Vinícius: o Connor vai continuar pentelhando e em alguns momentos num nível realmente irritante... prepare-se... leia com um suco de maracujá do lado ou uma dose de... seja lá o que você beba... haha...

    >>> OH GOD!!!! Acabei de perceber que as traduções dos caps 19 e 20 desapareceram... terei que traduzir tudo de novo, isso pode atrasar um pouco as postagens, podem xingar, eu estou xingando muito agora!!!!!!

    >>> A 'ação' só acontece de fato no capítulo 20 (o que sumiu, exatamente o que sumiu... HELL!!!!!!! Se pudesse eu gritaria agora!!!!!)

    >>> Espero que essas infos ajudem, só não se desesperem de vez, por favor... rs....

    >>> Eu estava pensando em postar In Our Hands intercalada com Fate, mas acho que se eu fizer isso, vocês vão me matar? Certo?

    >>> Estou neste momento exato com uma dor de cabeça dos infernos, pode ser que eu não consiga revisar o cap. 15 (caso ele também não tenha desaparecido) para hoje ainda... perdão antecipadamente se eu não conseguir...

    Obrigada por acompanhar essa fic, mesmo com todo o sofrimento que ela nos causa, e especialmente por comentar...

    Valeu, pessoal...


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nãoooo! Que azar sumir capítulos assim kkkkk e alguns são grandes, mais trabalho para você :(

      Não se preocupe se não der para postar o capítulo hoje, já estou até dormente mesmo com a demora da "boa parte" kkkkkk Isso é o que chamo de uma relação de amor e ódio.
      Ação master só no capítulo 20? Meo, tortura durante cinco capítulos ainda. Ok prometo não surtar :D

      O Connor vai ficar mais irritante do que ele já é? Não brinca, cabô esperança, já vi que não vai ser nessa fic que vou gostar da criança Chlollie... Simpatizei mais com o Nickolaus... hehe

      Excluir

Google Analytics Alternative