18.11.12

The End Where I Begin (6/13)

Título: O Fim Onde Eu Começo
Resumo:  Universo Alternativo - Oliver faz parte da SJA há anos e está constantemente discordando de Carter. Mas quando Carter se recusa a fazer parte da missão de Oliver para investigar a aparição do último Luthor no radar, Oliver procura a ajuda de Chloe. Ou o Arqueiro Verde procura e ele promete a Carter que Chloe jamais descobrirá sua identidade. 
Classificação: NC-17
Banner: aradira 
Anteriores01 :: 02 :: 03 :: 04 :: 05






Carter estava sentado na mesa da cozinha e deu uma mordida na omelete enquanto ouvia o som do relógio ao fundo. Ele sabia que estava um pouco tarde para o café da manhã, mas quando chegou em casa na noite anterior, acabou tomando algumas garrafas de cerveja e desmaiou na cama. Ele sabia que beber não era a coisa mais esperta a ser feita e de jeito nenhum era um alcóolatra, mas as coisas andavam difíceis ultimamente.

Agora que esta Chloe Sullivan sabia quem ele era, não demoraria muito antes de ela juntar as peças e conectá-lo com o time e então os membros remanescentes da SJA poderiam estar em perigo. Carter era um péssimo líder desde que sua mulher morrera, mas ter sido irresponsável o suficiente pra deixar um estranho descobrir sobre o time e suas identidades era imperdoável.

Ele suspirou enquanto terminava a omelete e então se levantou e foi até a pia da cozinha. Segundos depois, houve uma batida na porta. Quando a abriu, a visão de Oliver parado ali não o surpreendeu tanto quanto deveria. Ele franziu a testa. "O que você está fazendo aqui?"

"Eu achei melhor dar uma passada, deixar você gritar um pouco mais e então seguirmos em frente", Oliver respondeu. Ele passou por Carter sem esperar um convite. Ele tinha considerado evitar o confronto, mas Oliver sabia que estava apenas atrasando o inevitável. Ele queria que as coisas se acertassem com Carter para que pudesse se concentrar em seu encontro com Chloe mais tarde.

Carter olhou feio para o jovem enquanto fechava a porta. "Você quer que eu grite com você sobre eu ter dito que isso ia acontecer e como você deveria ter me ouvido?" ele perguntou sarcasticamente enquanto seguia Oliver para dentro do apartamento.

"Eu não quero que você grite comigo", Oliver respondeu. Ele se sentou no sofá e olhou para Carter ansiosamente. "Mas eu te conheço, Grande Pássaro, e eu sei que você quer gritar, então vamos lá." Ele ergueu a mão. "Mas antes, eu quero me desculpar por não ter contado que Chloe e a mulher que eu estava namorando eram a mesma pessoa. Isso foi péssimo da minha parte e sinto muito", ele disse sinceramente.

Carter parou na frente de Oliver e cruzou os braços sobre o peito. Era bem a cara dele aparecer e agir como se soubesse de tudo. Carter nunca deixava de se impressionar com o comportamento de Oliver e ainda assim não conseguia culpar o jovem. Ele se importava com Oliver, embora nunca fosse admitir isso. "Você não entende, não é?" ele perguntou.

"A última vez que a SJA esteve em evidência, um monte de merda aconteceu. Vidas foram sacrificadas, famílias perdidas, amigos abandonados. Todos passamos pelo inferno e voltamos e muito disso foi culpa minha", ele disse, o tom duro. "Eu assumo meus erros e cometi muitos, mas depois que tudo desmoronou, concordamos que conversaríamos antes de ressurgir e quando fizéssemos isso, não seria desse jeito", ele disse, gesticulando com as mãos.

"Seria uma aparição pequena e apenas se fosse necessária. Mas o Blur, ele está em todos os jornais, nos canais de notícias, em todo lugar, e por causa dessa Chloe, isso vai atrair atenção indesejada pra nós", ele explicou.

"Eu entendo sua necessidade de se vingar dos Luthors, eu sei melhor que ninguém como é perder sua família, mas você por um momento pensou em como isso ia afetar os outros?" ele perguntou, tentando fazer Oliver ver que ele não estava tentando ser mau, só realista.

Oliver franziu a testa, tomando um minuto para reunir seus pensamentos e não começar a gritar ou revirar os olhos. "Eu sei o inferno pelo qual vocês passaram. Eu ouvi as histórias de você e do Sylvester e eu vi o que aconteceu com o Dr. Destino por causa do capacete. Mas Carter, você está agindo como se eu tivesse convocado uma coletiva de imprensa e anunciado ao mundo que eu sou o Arqueiro Verde. Eu jamais faria isso", ele insistiu.

Ele ergueu a mão quando Carter abriu a boca. "Eu sabia que procurar Chloe era um risco pra mim e eu realmente não pensei que ela fosse me ligar a você. Eu sinto muito que ela tenha feito isso e ela tem muitas perguntas. Mas se você pedir pra ela não contar a ninguém, incluindo Clark, ela não vai. Você pode confiar nela. Ela acredita na causa e quer ajudar as pessoas. Ela nunca vai expor você ou qualquer outra pessoa. Você tem minha palavra", ele insistiu.

Carter abriu a boca e então fechou. Ele sabia que gritar com Oliver ou continuar tentando fazer isso entrar em sua cabeça não ia funcionar. Ele estudou Oliver por um minuto e Carter podia ver que ele falava sério. Ele suspirou. "Eu quero sentar e conversar com ela. Se ela vai trabalhar com você ou com a gente, eu preciso saber mais sobre ela", ele disse.

"Vou falar com o Sylvester e então você pode levá-la ao museu semana que vem", ele disse enquanto mantinha o olhar de Oliver. "E diga a ela pra levar toda informação que tiver sobre Lucas Luthor. Se você vai se meter nisso, temos que saber exatamente no que é", ele disse, seu tom não deixando espaço para argumentos.

Oliver assentiu. "Eu posso fazer isso e tenho certeza que assim que conversar com Chloe, você vai ver que estou certo", ele disse confiantemente. "Eu vou fazer um jantar pra ela esta noite e então aviso e vejo quando ela está disponível para ir ao museu novamente." Oliver estava fazendo o melhor para soar casual, mas estava curioso sobre o que Carter realmente achava sobre ele namorar Chloe agora que sabia quem ela era.

Ele deduziu que Carter iria desaprovar, mas Oliver achou que ele mudaria de ideia sobre isso também assim que conhecesse Chloe. No mínimo, Carter veria que ela era muito boa para alguém como ele.

Carter ergueu uma sobrancelha às palavras de Oliver. "Você vai fazer o jantar pra ela?" ele perguntou, surpreso que o jovem ainda planejasse namorar Chloe. Talvez fosse possível que ele estivesse amadurecendo afinal.

"Eu gosto dela", Oliver disse. Ele desviou o olhar enquanto falava, de repente repensando a conversa. "Eu nunca conheci ninguém igual e quero passar mais tempo com ela. Mas eu fui honesto", ele disse, encontrando o olhar de Carter novamente. "Eu disse que não tenho nada a oferecer. Não sei se ela acredita em mim, mas não quero enganá-la."

Carter ficou em silêncio por um minuto, incerto se concordava com as palavras de Oliver, mas não disse nada. "Entendo. Bem, pelos poucos minutos que estive com ela, ela parecia certa pra você." Ele inclinou a cabeça para o lado e fez uma cara. "E eu achando que não havia outro loiro esperto por aí", ele brincou.

"Muito engraçado", Oliver disse. Ele revirou os olhos enquanto se levantava do sofá. "Se você terminou o sermão por enquanto, eu preciso ir para o escritório antes de ver Chloe. Tem mais alguma coisa sobre a qual precisamos conversar?" ele perguntou. Oliver não vinha esperando uma conversa de coração aberto, não era assim que operavam. Mas Carter parecia menos nervoso e isso era bom. Oliver tinha a sensação que Chloe ia ganhá-lo logo.

"Eu terminei por enquanto", Carter disse. "Mas tenho certeza que terei mais sermões em breve." Ele disse com um risinho. "Agora vá trabalhar, eu tenho o que fazer", ele disse enquanto apontava para a porta. "E não esqueça de garantir que ela tenha um tempo semana que vem pra conversarmos."

"Não se preocupe", Oliver disse enquanto pegava a chave do carro dentro do bolso. "Mesmo que eu esqueça, garanto que Chloe não vai esquecer. Tente não trabalhar muito e pense em se divertir no tempo livre." Ele deu um tapinha no ombro de Carter, mal suprimindo um sorriso.  "Você não vai ficar mais jovem", ele o relembrou. Oliver saiu pela porta, dando risada sozinho enquanto decidia que a conversa tinha sido melhor do que esperava. Agora só precisava passar um pouco mais de tempo no escritório e então parar no mercado pra pegar algumas coisas para o jantar.

________

Chloe correu uma mão pelo vestido vermelho que usava enquanto esperava o elevador ascender. Ela tinha trocado de roupa três vezes antes de finalmente decidir pelo que estava usando e ainda não tinha certeza se gostava. Lois estava fora com Clark quando ela estava se arrumando, então não pôde contar com a opinião de sua prima. Não tinha certeza de porque estava nervosa, era apenas o Oliver. O som do elevador a arrancou de seus pensamentos quando um portão surgiu em sua frente.

"Oliver?" ela chamou enquanto entrava no apartamento e olhava ao redor, procurando por ele.

"Eu já vou", Oliver disse da cozinha. Ele mexeu o molho e desligou o fogo. Oliver se voltou para a pia e rapidamente lavou as mãos, enxugando-as com uma toalha antes de correr uma mão pela camisa, alisando o tecido enquanto ia até a sala. Chloe estava alguns minutos adiantada, mas ele tinha se preparado pra isso e o jantar estava quase pronto. Ele entrou na sala e seu coração martelou contra o peito quando a viu parada ali no vestido vermelho.

"Uau, Sidekick, você está maravilhosa", Oliver disse, tentando e falhando em não deixar seus olhos correrem sobre ela novamente. Ele atravessou a sala e roçou os lábios nos dela. "Oi", ele disse sorrindo. "Estou feliz que tenha conseguido vir."

O nervosismo no estômago de Chloe se acalmou e um sorriso surgiu em seu rosto. "Oi", ela disse enquanto deixava os olhos correrem pela camisa dele. Ela correu uma mão por ela antes de olhar de volta pra ele. "Obrigada pelo convite. Você também está muito bem", ela disse antes de dar outro beijo rápido em seus lábios.

Oliver estendeu a mão. "Eu te levo para um tour completo depois do jantar, não quero que a comida queime", ele explicou enquanto a puxava gentilmente pelo corredor. "Esta é a sala principal e aqui é a cozinha", ele acrescentou enquanto a levava para dentro e apontava para a mesa que já estava posta. "Posso te servir uma taça de vinho?" ele perguntou, apontando para a garrafa que tinha escolhido.

Chloe ergueu uma sobrancelha e se sentou. "Eu adoraria", ela disse com um sorriso enquanto cruzava as pernas cuidadosamente. "Como foi seu dia?" ela perguntou enquanto o observava se mover pela cozinha.

"Foi bom", Oliver respondeu. Ele serviu duas taças de vinho e entregou uma a Chloe, deixando a sua no balcão enquanto ia ver o molho novamente. "Eu conversei com Carter hoje de manhã e ele disse pra eu te levar até o museu um dia da semana que vem pra vocês dois conversarem." Ele revirou os olhos enquanto olhava para Chloe por sobre o ombro. "Eu fui para o escritório depois e o dia foi bem produtivo. E você?" ele perguntou, olhando de volta para a comida pra garantir que tudo estivesse pronto e nada prestes a queimar.

Chloe sorriu ao jeito que ele se virava bem na cozinha. Ela amava como ele parecia saber cozinhar. Era só mais uma característica de Oliver que estava animada em conhecer. "Eu pesquisei sobre seu amigo", ela disse cuidadosamente. "E eu posso ter feito uma lista de perguntas", ela disse, deixando a voz falhar antes de dar a ele um sorriso brilhante.

"Eu passei um tempo com minha prima e coletei algumas informações com meu time", ela disse casualmente. "Só mais um dia comum", brincou.

"Nossas vidas são estranhas", Oliver brincou. Ele desligou o fogo e começou a mexer o frango e os vegetais no molho. "Eu fiz um prato simples já que não sei se você tem algum gosto exótico", ele explicou enquanto servia a massa nos pratos e então acrescentava o frango, os vegetais e o molho.

"E também fica muito bom com o vinho." Ele levou os pratos até a mesa e então pegou sua taça de vinho antes de se sentar. "Carter vai odiar a ideia de uma lista, mas eu acho que é ótimo", ele disse. "Ele precisa relaxar um pouco."

Chloe olhou para o prato e não pôde deixar de sentir o peito aquecer ao trabalho que ele tivera por ela. "Oliver, a comida parece maravilhosa; obrigada por ter feito tudo isso", ela disse enquanto olhava pra ele e sorria. "Ninguém nunca cozinhou pra mim antes", ela admitiu enquanto pegava o garfo. "Mal posso esperar pra provar." Ela mexeu a comida em seu prato enquanto falava. "Tenho certeza que assim que conversarmos, ele será menos rabugento... com sorte."

"Você não tem que me agradecer", Oliver respondeu. "Eu gosto de cozinhar, mas é uma das coisas para a qual quase não tenho tempo e é meio que sem graça fazer comida só pra mim." Ele mexeu a comida em seu prato, esperando alguns segundos para esfriar. "Carter não vai ficar menos rabugento. Tem sido assim desde que nos conhecemos e eu pareço deixá-lo ainda pior. Não sei porque. Eu me considero ótimo pra se ter por perto", ele disse, piscando pra ela.

Chloe deu risada. "Você é terrível", ela disse enquanto levava o garfo à boca. Chloe gemeu quando o molho atingiu sua língua. Era diferente de tudo que tinha provado. "Uau, está mesmo muito bom. Então não só você cozinha, mas é bom nisso", ela disse apontando pra ele com o garfo antes de dar outra mordida. "Só pra constar, você pode cozinhar pra mim sempre que quiser", ela disse enquanto sorria.

"Eu sou bom em muitas coisas", Oliver disse antes de provar a comida. "Fico feliz que tenha gostado e eu ficaria feliz em cozinhar pra você novamente." Ele pegou seu vinho e tomou um gole, satisfeito que estivesse certo sobre o quanto o molho ficaria bom. Oliver colocou a taça na mesa e olhou para Chloe, incapaz de evitar que seus olhos a percorressem novamente. "Eu já disse o quanto você está maravilhosa?" ele perguntou.

Chloe ficou vermelha. "Obrigada", ela disse e tomou outro gole de vinho antes de olhar para o vestido. "Eu não tinha certeza se estava arrumada demais para o jantar", ela admitiu. "Mas fico feliz que não." Ela moveu a comida pelo prato, comendo um pouco mais enquanto ficava em silêncio por alguns minutos. "Está uma delícia", disse com um sorriso e pegou a taça novamente.

"Está", Oliver concordou. Ele pegou o vinho também, percebendo o rosto dela vermelho com o elogio. Ele achou adorável, mas duvidava que Chloe fosse gostar se ele dissesse isso. "Acho que eu nunca trouxe alguém aqui pra jantar." Ele parou, refletindo por um momento e balançou a cabeça. "Na verdade, acho que ninguém nunca esteve aqui, além de Carter. Eu não conheço muita gente em Metrópolis além dos associados da empresa."

"Sério?" ela perguntou, surpresa. "Nunca?" Não que ela pensasse que ele levasse muita gente pra casa, mas deduziu que ele namorava de vez em quando. "Como você nunca trouxe ninguém aqui? É por causa de toda a coisa do Arqueiro Verde?" ela perguntou curiosa enquanto terminava o vinho.

"Basicamente", Oliver disse. Ele terminou o vinho também e foi até o balcão pegar a garrafa pra servir suas taças. "Eu não passei muito tempo aqui nos últimos anos e quando estou aqui, tendo a ficar sozinho o máximo possível porque estou sempre trabalhando e é algo que as pessoas não podem saber. O estilo de vida que a imprensa ama pintar pra mim é um exagero e não existem muitas pessoas em quem eu confie o suficiente pra convidar pra minha casa", ele disse.

Chloe digeriu a informação e então sorriu, estendendo a mão e descansando-a sobre o braço de Oliver até ele olhar pra ela. "Bem, então significa muito que você confie em mim pra estar aqui", ela disse antes de apertar o braço dele e então voltar a comer.

"Eu confio em você, Chloe", Oliver respondeu, observando-a por um momento antes de pegar o garfo e voltar a comer. Ele não era do tipo que confiava facilmente, mas havia algo em Chloe que fazia ele confiar nela desde o momento em que se encontraram no beco e esse sentimento só aumentou conforme a foi conhecendo. Ele nunca se sentiu desse jeito com ninguém antes e embora o deixasse um pouco inquieto, Oliver achava que era uma coisa boa. Ele tinha tomado a decisão certa ao pedir sua ajuda e estava feliz que tivesse seguido seus instintos quando se tratava de passar mais tempo com ela.

Alguns minutos depois, os dois tinham terminado de comer e Oliver levou os pratos até a pia, limpando-os e colocando-os na lavadora antes de lavar e enxugar as mãos e se voltar para Chloe. "Quer fazer aquela tour agora?" ele perguntou.

Chloe sorriu e assentiu. "Gostaria", ela disse antes de dar outro longo gole em seu vinho e devolver a taça antes de se levantar. Ela estendeu a mão pra ele, seu peito repleto de calor enquanto acenava com a cabeça na direção do corredor. "Bem, vamos então, Heroi", brincou.

"Paciência não é seu forte, é, Sidekick?" Oliver brincou. Ele pegou sua mão e a levou para o lado oposto da sala, mostrando o quarto de hóspedes, a sala de treinamento, a área que usava como escritório e então a levou de volta para a sala. "Lá em cima é meu quarto e outro de hóspedes e aqui é onde eu guardo meu equipamento." Oliver pegou o controle na mesa, usando-o para abrir parte da face do relógio para que Chloe pudesse ver seu equipamento.

Chloe arregalou os olhos e soltou a mão dele para que pudesse entrar na sala e olhar ao redor. Seus olhos tomaram todos os acessórios e equipamentos e ela não pôde deixar de ficar impressionada com tudo. "Uau, é tudo maravilhoso, Oliver", ela disse enquanto corria uma mão por um dos arcos. Ela se virou de frente pra ele e sorriu. "Obrigada por confiar em mim com isso; você não faz ideia do quanto significa."

"Você não precisa ficar me agradecendo", Oliver disse. Ele entrou na sala e parou perto dela, segurando seu rosto com a mão. Ele levantou a cabeça dela para encontrar seus olhos e correu o polegar em seu queixo. "Eu gosto de ter você aqui." Ele manteve o olhar por um momento antes de se abaixar e beijá-la suavemente.

Chloe retornou o beijo enquanto deslizava uma mão pelo peito dele e segurava sua lateral gentilmente. Seu coração acelerando enquanto os lábios dele se moviam sobre os dela. Ela sentiu um arrepio descer sua espinha enquanto sua mão acariciava as costas dela. Chloe não parou o beijo até o ar se tornar um problema, mas quando finalmente o fez, seus lábios formigavam. Ela manteve o olhar de Oliver enquanto corria o polegar por sua barriga. "Eu gosto de estar aqui."

Oliver engoliu com dificuldade enquanto os músculos de seu estômago se retesavam ao toque. Ele continuou esfregando suas costas, seus olhos mais escuros que o normal ao encontrar os dela. Ele não conseguia lembrar a última vez que sentiu tanto com alguns beijos; provavelmente porque nunca tinha sentido. Oliver gostava de sexo tanto quanto todo mundo, mas nunca quis tanto alguém como queria Chloe.

Seu coração estava acelerado contra o peito enquanto ele corria os dedos gentilmente por seu rosto. "Você quer ver o resto?" ele perguntou baixinho, a implicação em sua pergunta clara já que a única parte do apartamento que ela não tinha visto era o quarto dele.

Chloe sabia que deveria dizer não. Eles tinham saído só algumas vezes, mas as coisas nunca tinham ficado tão sérias assim antes e ela não queria apressar nada. Ela realmente gostava de Oliver e podia ver um futuro com ele. "Claro", ela disse antes de internamente se reprimir por ser tão oferecida. "Mostre o caminho, Heroi." Sua voz suave enquanto ficava na ponta dos pés e dava um beijo leve em seus lábios.

Oliver retornou o beijo enquanto deslizava as mãos por seus quadris e puxava o corpo dela contra o dele. Ele tinha percebido a hesitação dela e a última coisa que queria era que ela se sentisse pressionada a fazer algo que não estava pronta. Ele se afastou, descansando a testa na dela, esperando ela abrir os olhos. Assim que ela o fez, ele lhe deu um sorriso enquanto apertava seu quadril. "Chloe, está tudo bem", ele disse. "Podemos ir devagar como você quiser. Eu não vou a lugar nenhum", ele acrescentou.

Chloe sorriu. "Eu sei", disse suavemente enquanto se inclinava ao toque. Seu coração acelerado contra o peito enquanto os dedos dele continuavam a massagear sua pele. Ela podia sentir a ansiedade tomando seu corpo enquanto se pressionava contra ele. "Devagar é bom", ela disse e em seguida pressionou os lábios na mandíbula dele. "Não muito devagar também é bom", ela sussurrou enquanto deixava os lábios correrem por sua mandíbula.

Ele sorriu ao sentir seu pulso acelerar com os beijos suaves. Oliver pegou a mão dela e a puxou pra fora da sala de equipamentos, parando para fechar a porta antes de levá-la para as escadas. Ele correu o polegar pelo rosto dela enquanto a observava, querendo garantir que isso fosse o que ela queria. Ele concluiu que eles iriam devagar para que ela soubesse que ele não a culparia por mudar de ideia. Oliver a levou até seu quarto, acendendo as luzes, mas mantendo-as baixas. "Você quer ver a vista da varanda?" ele perguntou.

Chloe olhou ao redor, vendo tudo antes de assentir. "Eu adoraria", ela disse enquanto lhe dava um olhar de lado e sorria. Havia um certo nervosismo em seu estômago com a necessidade de estar mais perto dele e deduziu que isso era normal. Ela o deixou conduzi-la até a varanda e esperou ele abrir as portas. Quando isso aconteceu, ela saiu e seus olhos arregalaram. "Uau, é lindo aqui", disse enquanto olhava para o horizonte de Metrópolis.

"É", Oliver concordou, mas estava olhando pra ela. Ele olhou para o céu enquanto a brisa da noite tocava seu cabelo. A sensação era boa e deduziu que podia aproveitar o ar fresco. Ele já estava começando a repensar tudo. Oliver tinha a sensação que Chloe estava mais indecisa do que estava deixando transparecer e ele não queria ser um idiota que a forçava a fazer coisas que ela não queria. Ele ia deixar ela determinar o ritmo pelo resto da noite. "Eu gosto de vir aqui fora algumas vezes pra clarear a mente. Algumas vezes eu faço ioga aqui quando não está muito frio de manhã", ele disse.

Chloe olhou pra ele e sorriu. "É?" Quando ele assentiu, ela olhou de volta para o céu. "Parece legal, menos a parte de dobrar seu corpo em posições desconfortáveis", ela brincou enquanto dava um passo a frente e então se virou, descansando as costas contra a grade para ficar de frente para Oliver. Ele parecia maravilhoso parado ali, a luz do quarto jogando um brilho na varanda que a fazia querer olhar pra ele pra sempre.

Ela estendeu a mão e inclinou a cabeça, gesticulando pra ele se aproximar. "Venha me aquecer."

"Ioga não é desconfortável", Oliver disse. Ele se juntou a ela, passando os braços ao seu redor e puxando seu corpo contra o dele. "Você só tem que se ensinar a ser flexível. Assim que fizer isso, vai começar a amar a sensação de seus músculos se esticando." Sua mente estava indo numa direção que não deveria e ele se forçou a manter as mãos paradas nas costas dela.

Chloe deu um risinho. "Verdade?" ela perguntou enquanto erguia uma sobrancelha em sua direção e mais uma vez deslizou as mãos pela barriga dele e subiu por seu peito até passar os braços ao redor de seu pescoço. Ela inclinou a cabeça e deu alguns beijos em sua mandíbula antes de subir os lábios até seu ouvido. "Pode ser que eu deixe você esticar meus músculos e testar essa coisa de flexibilidade", ela sussurrou antes de tomar o ouvido dele na boca.

Oliver gemeu, seus olhos se fechando enquanto desistia de ser um cavalheiro e deixava sua mão descer pelas costas dela até a curva de sua bunda. Ele apertou gentilmente enquanto virava a cabeça para capturar os lábios dela mais uma vez. O beijo foi quente e faminto enquanto movia os lábios desesperadamente sobre os dela e a puxava com mais força contra ele, querendo que ela sentisse seu corpo respondendo ao dela. Quando o ar começou a se tornar um problema, ele parou o bejio, descendo os lábios ao longo de seu pescoço e continuou massageando sua bunda. "Eu ficaria mais do que feliz em testar sua flexibilidade", ele sussurrou contra sua pele.

Um gemido suave escapou os lábios de Chloe ao senti-lo colado a ela. Ela respirou fundo, seu coração acelerando e a excitação se espalhando por seu corpo. Ela inclinou a cabeça para o lado, dando a ele melhor acesso enquanto sentia o corpo aquecer ainda mais. Chloe agarrou a lateral do corpo dele enquanto outro gemido deixava seus lábios. "Vamos lá, Heroi", ela disse, um tom de desafio em sua voz, enquanto emaranhava os dedos no cabelo dele e pressionava seu corpo mais perto dele.

"Isso parece um desafio", Oliver brincou. Ele moveu as mãos até os quadris dela novamente e a levantou contra seu corpo, girando e a levando de volta para o quarto, fechando a porta da varanda com o pé. Ele carregou Chloe até a cama, cobrindo sua boca com a dele mais uma vez enquanto caíam no colchão. Ele ainda estava tentando ir devagar embora seu corpo tivesse outras ideias. Oliver se concentrou em beijá-la, aprofundando o beijo lentamente enquanto corria a mão pela lateral do corpo dela, do quadril ao ombro e de volta, mal roçando os seios no processo.

Chloe arqueou as costas contra ele enquanto retornava o beijo e corria uma mão pelo peito dele. Ela puxou levemente sua camisa, tirando-a de dentro da calça e deslizou uma mão por dentro. Seus pulmões queimavam com a necessidade de ar então ela parou o beijo e segurou o rosto dele e manteve o olhar. "Talvez seja", ela disse enquanto acariciava seu estômago e sentia os músculos reagirem ao toque, fazendo sua respiração acelerar.

Oliver sorriu pra ela enquanto subia a mão por seu corpo, segurando seu seio em uma palma e correndo o polegar sobre o mamilo, sentindo-o endurecer sob o toque. "Eu sempre gostei de desafios", ele disse enquanto continuava a acariciá-la. A mão dela estava em seu estômago e toda vez que ela tocava sua pele, ele se sentia ficar mais e mais excitado. "Deus, Chloe, você tem ideia do quanto eu te quero?" Ele começou a beijar seu pescoço novamente, parando para chupar o ponto pulsante ali. "Você é tão bonita", ele sussurrou contra sua pele.

Chloe arfou enquanto ele continuava a mover o polegar sobre seu mamilo e usou suas duas mãos para abrir a camisa dele enquanto tentava respirar normalmente. "Você é tão doce", ela disse, seu tom resfolegante, o coração martelando contra o peito. Ela deitou a cabeça no travesseiro e abriu a camisa dele, seus olhos correndo seu peito nu. "Deus, você é maravilhoso", ela sussurrou e correu as unhas pelo peito dele, puxando-o em seguida mais perto antes de capturar seus lábios num beijo duro.

Ele retornou o beijo enquanto balanceava seu peso nos joelhos para não esmagá-la. Oliver se afastou para respirar e estendeu  a mão para abrir o vestido dela. "Você é que é maravilhosa", ele disse enquanto descia as alças por seus ombros. "Eu quase perdi a fala quando você chegou." Ele desceu o vestido pelo corpo dela, gemendo ao ver a pele coberta em nada além de renda. Ele jogou o vestido de lado e tirou a camisa antes de beijá-la novamente. O beijo parou e Oliver desceu os lábios por seu pescoço e seu peito enquanto o corpo dela arqueava sob o dele.

"Eu venho pensando nisso desde aquela noite em que nos encontramos no beco", Oliver disse a ela. Ele correu a língua pela renda do sutiã enquanto observava seu rosto. "Eu gostei de como você foi ousada", ele admitiu enquanto segurava seu seio na mão e continuava a beijar e chupar sua pele.

Chloe gemeu a dor familiar se construindo entre suas pernas. "Verdade?" ela perguntou, sua foz arfada, incerta se acreditava nele, mas também sabendo que ele não mentiria. Ela correu as unhas pelo estômago dele até seu cinto e usou as duas mãos para abri-lo antes de descer o zíper lentamente.

"Eu te achei sexy no uniforme", ela admitiu, levemente embaraçada. "Todo aquele couro, esses braços", ela correu as mãos por eles. "Deus, Ollie", ela sussurrou, o apelido escapando de seus lábios sem nem pensar. "Eu quero..." Ela parou e mordeu o lábio, não acostumada a ser assim. Chloe abriu levemente as coxas e levantou a perna, prendendo-a no quadril dele, trazendo-o mais perto. "Ollie", ela gemeu enquanto usava a outra mão pra descer a calça dele.

O som dela praticamente gemendo seu nome só o fez ficar mais duro. Ele se mexeu para ajudá-la a tirar sua calça antes de se mover sobre ela novamente, prendendo os polegares em sua calcinha e descendo-a por suas pernas.

"Eu não estava planejando ir atrás de você", Oliver disse a ela enquanto pressionava um beijo em seu coração e corria as mãos por dentro das coxas dela. "Mas assim que tivemos aquele incidente no estacionamento, não consegui mais ficar longe. Eu não queria." Ele segurou seu sexo na mão, gemendo quando sentiu o quanto ela estava quente e molhada. Seu coração ecoando em seus ouvidos enquanto acariciava sua fenda e então deslizava dois dedos dentro de seu canal.

"Você é tão apertada", Oliver gemeu enquanto a acariciava lentamente, seus olhos nos dela. "Você é incrível." Ele a beijou novamente enquanto a alargava, querendo seu corpo pronto pra ele e deste modo não machucá-la. Ele parou o beijo; correndo o polegar pelo clitóris dela e fazendo-a arquear os quadris. Oliver sentiu suas paredes internas começarem a tremular ao redor de seus dedos e se afastou um pouco. Ele queria senti-la gozando ao redor dele, não em seus dedos.

Chloe choramingou. Ela queria dizer que tinha gostado dele desde o almoço naquele dia e que quanto mais tempo passava com ele, mais queria sua companhia. Ele era tão parecido com ela e a entendia melhor que qualquer outra pessoa. Mas tudo que conseguiu foi um estrangulado, "Ollie, por favor", antes de tentar aproximar o quadril da mão dele e aumentar a pressão entre suas pernas.

Ela podia sentir a pressão familiar em seu baixo ventre e precisava preenchê-la.     "Fico feliz que você tenha", ela disse, se referindo as suas palavras anteriores enquanto pressionava a mão contra sua boxer, esfregando-o levemente. "Por favor", ela implorou de novo, movendo os quadris embaixo dele.

Oliver se mexeu de novo, afastando a mão dela enquanto ela protestava. "Está tudo bem", ele insistiu, abrindo a gaveta do criado-mudo e pegando um preservativo. A mão dela ainda o acariciava através da boxer e ele tinha quase certeza que ia dar vexame se ela continuasse. Oliver voltou para Chloe, tirando a boxer enquanto abria o preservativo com o dente.

Ele correu o preservativo por seu pau e abriu mais as pernas de Chloe, se posicionando entre elas. Enquanto se posicionava em sua entrada, Oliver manteve os olhos em seu rosto e deslizou dentro dela, fazendo o melhor pra ir devagar e não se bater dentro dela já que sabia o quanto seu corpo era apertado. Ele sentiu o corpo dela o apertando ainda mais e estendeu a mão entre eles para esfregar seu clitóris e tentar aliviar seu desconforto.

"Sua sensação é tão boa", ele disse enquanto movia os quadris gentilmente, deixando-a se acostumar com a sensação dele antes de se inclinar e capturar sua boca em outro beijo faminto. Oliver segurou seu seio com a mão livre, empurrando a taça do sutiã para o lado para que pudesse acariciar sua pele nua enquanto começava a aumentar a velocidade de seus quadris e se empurrar dentro do corpo dela.

Chloe arfou em sua boca, as unhas cravando as costas dele ao senti-lo inteiro dentro dela. Seu corpo se apertou ao redor dele, mas as sensações combinadas do dedo esfregando seu clitóris e da mão em seu seio aliviaram a dolorosa pressão que sentia. Ela apertou as pernas ao redor dele e a ação o fez afundar ainda mais. Chloe parou o beijo e deu um leve choramingo enquanto ele se enfiava dentro dela novamente.

"Ollie, oh Deus, você é tão..." Suas palavras foram cortadas por um gemido enquanto movia os quadris contra ele experimentalmente. Ela podia sentir o prazer se construindo enquanto ele aumentava o ritmo. Chloe finalmente encontrou seu ritmo e se agarrou ao corpo dele, sem querer apertando os músculos ao redor do pau dele e batendo seus quadris.

Sua cabeça caiu pra trás e sua respiração ficou irregular, uma leve camada de suor aparecendo em sua pele. Chloe tinha feito sexo antes, mas não conseguia se lembrar de ter se sentido desse jeito. Era quase como se pudesse se sentir a beira do abismo enquanto uma pressão quase dolorosa aumentava, a necessidade de alívio tão forte que ela achou que fosse chorar.

A conexão que sentiu com ele, não só física, mas emocionalmente deveria ter lhe assustado, mas não foi o que aconteceu. "Ollie", ela choramingou enquanto erguia os quadris da cama. "Eu não consigo, eu preciso... Porra", ela arfou quando ele deslizou dentro dela novamente , fazendo suas paredes internas tremularem.

Ela o estava matando do melhor jeito possível cada vez que seus músculos apertavam seu pau. O corpo dela estava tão apertado ao redor dele e cada vez que se empurrava e ela se batia contra ele, Oliver gemia. Eela era incrível e sua mente não conseguia nem começar a entender as sensações que atravessavam suas veias.

Estar tão perto de Chloe era melhor do que qualquer outra coisa que já tinha sentido em sua vida. Oliver colocou as mãos em suas coxas, levantando mais suas pernas para seu corpo poder mudar o ângulo em que se empurrava dentro dela. "Deus, Chloe, eu..." Ele gemeu, incapaz de terminar a frase ao sentir o corpo dela apertando-o de novo. Ele estava muito perto do auge e sabia que ela também estava.

Oliver começou a se mover mais rápido, se retirando quase por inteiro do corpo dela e se batendo de volta. Ele apertou seu clitóris entre os dedos antes de esfregar círculos fortes no feixe de nervos com o polegar. Enquanto continuava a se mover dentro dela, começou a beijar cada parte de pele que conseguia alcançar, seus olhos no rosto dela ao sentir seu corpo respondendo. "Goza pra mim, Chloe", ele sussurrou contra a curva de seu seio. "Eu quero ver você se desfazendo pra mim", disse enquanto apertava o clitóris dela de novo.

Chloe jogou a cabeça contra o travesseiro enquanto as palavras e ações dele a mandavam ao auge. Ela gozou com força enquanto soluçava o nome dele e cravava as unhas na pele de suas costas. Seus músculos internos o agarrando, apertando-o e pulsando enquanto atravessava o orgasmo.

Ela estava com os olhos fechados, ondas de prazer atravessando seu corpo enquanto tremia embaixo dele. Seu corpo suado finalmente esfriando quando desabou contra o colchão, respirando com dificuldade e tentando recuperar o fôlego enquanto Oliver continuava a se empurrar dentro dela, fazendo-a gemer a cada movimento.

Os choques pós-orgasmo dela o mandaram ao auge. Oliver gemeu o nome dela, seus quadris se batendo erraticamente antes de seu corpo ficar imóvel e seu alívio o atingir com força. Completamente esgotado, Oliver deitou a cabeça no ombro dela, seu corpo a pressionando contra o colchão enquanto lutava para recuperar o fôlego. Sua cabeça estava girando enquanto o prazer atravessava suas veias. Demorou alguns minutos para ele recuperar o equilíbrio e sair de cima de Chloe, dando um beijo no ombro dela enquanto se levantava, prometendo voltar logo. Assim que ele se livrou do preservativo, voltou para a cama, passando os braços ao redor dela e abraçando-a com força contra o peito.

"Você é maravilhosa", Oliver disse enquanto tirava o cabelo do rosto dela e beijava seus lábios suavemente. "Você está bem?" perguntou enquanto acariciava as costas dela com a outra mão. A preocupação em ser cuidadoso tendo surgido no final e ele tentou garantir que não a tinha machucado.

Chloe assentiu enquanto se inclinava contra ele e passava um braço ao redor de sua cintura. "Eu estou mais do que bem", ela disse suavemente. "Eu acho que você está me dando muito crédito", disse com uma leve risada. "Isso foi..." Ela parou, tentando encontrar a palavra certa, mas eventualmente desistiu. "Uau", disse com um sorriso e beijou acima de seu mamilo antes de deslizar uma perna contra a dele e descansar o tronco e a cabeça no peito dele.

"Uau está bom pra mim", Oliver respondeu. Ele deu um beijo no alto de sua cabeça e ela se aconchegou contra ele. Ele apertou os braços ao redor dela, querendo mantê-la perto. No fundo de sua mente, uma pequena voz dizia que esse não era seu usual modus operandi, mas ele ignorou. Oliver gostava da sensação de Chloe em seus braços e não tinha intenção de soltá-la nem tão cedo.


_____
SETE

_________________________________________________________________________

14 comentários:

  1. Hummmmmmmmmmmmmmmmm
    delícia de capítulo... estava com saudades dos momentos hotness!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :D Chlollie hotness é sempre bom, né?

      Excluir
  2. Ai, ai... queria só um pouquinho de toda essa gostosidade-ollie pra mim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, eu também!!!!!!! Ouviu, Papai Noel?!?!?!?!

      Excluir
    2. hahaha

      GIL

      Excluir
  3. Não sei como a Chloe ainda consegue raciocinar com o Ollie fazendo todas aquelas gostosuras pra ela kkkk

    Alice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, como ela consegue?!?!?!?!

      Excluir
  4. Ah hot!!!!!! Achei que fosse acontecer mais para o final da fic. Grata surpresa rs

    ResponderExcluir
  5. Uiaaaaaaaa!!!!

    Hot, não!?....Uau!!!

    ResponderExcluir
  6. Minha nossa! Até tinha esquecido que era NC 17... Beeeem, agora lembrei... ô, como lembrei!!

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que você gostou do lembrete, GIL! :D

      Excluir

Google Analytics Alternative