23.7.17

Best Laid Plans

Título: Os Melhores Planos
Autora: serafina19
Resumo: Embora Chloe e Oliver fizessem uma ideia de como seria a manhã seguinte, nada acaba sendo como planejado. Parte final da Série One Night. Sequência de  e .
Classificação: PG-13
Histórias anteriores: One Night :: Giving In :: Too Late



Chloe apertou os lábios enquanto abria os olhos, surpresa que tivesse conseguido voltar a dormir. Desta vez, ela estava sozinha no sofá, um cobertor sobre seu corpo, e do outro lado da sala vinha o som do teclado. Tinha que ser Oliver, o que significava que a conversa que teriam aconteceria mais cedo do que ela esperava. O sol ainda não tinha saído, mas Chloe sabia que tinha passado de sua quota de sono e não poderia adiar o inevitável por muito tempo.
 
Então ela se levantou, levando o cobertor junto. Aparentemente, fez barulho suficiente pois o ouviu dizer, "Bom dia".

Chloe virou a cabeça, com a intenção de devolver o cumprimento, mas nada veio. Não que isso tenha incomodado Oliver.
 
De fato, ele não se movera. "Já deve estar frio agora, mas eu comprei café." Sem tirar os olhos da tela em sua frente, ele apontou para a mesinha ao lado do sofá, onde com certeza, havia um copo de café em sua bandeja favorita.

Ela queria agradecer, mas as palavras ainda não vinham. Desta vez, Oliver virou a cabeça, mas simplesmente sorriu antes de voltar os olhos para a tela. Parecia quase normal, além do fato de que a única coisa o impedindo de ver seu corpo nu agora era o cobertor que ele havia providenciado. Não que ele já não o tivesse visto, mas sua apreensão sobre o corpo não iria embora só pelo que havia acontecido na noite anterior. Por mais que ela se sentisse bem, por mais que quisesse se sentir assim, ainda havia algo lhe incomodando.

Porém, ela achou melhor não testar a sorte, então se sentou novamente, feliz que sua calcinha estivesse perto. Não havia muita chance de alguém do time aparecer naquele dia, mas não podia arriscar. Enquanto vestia a peça, Chloe momentaneamente se perguntou quando foi a última vez que havia se sentido daquele jeito. Mas, mesmo esse pensamento parecia um território perigoso, e não só pelas circunstâncias. Mais importante, havia muita dor em reviver o passado.

Ainda assim, por mais que tentasse enterrar esses sentimentos, tudo parecia tão estranho que ela não conseguia seguir em frente completamente. Ela tinha previsto algum desconforto naquela manhã, mas Oliver estava agindo como se estivesse tudo bem. Mas enfim, ela pensou, por que ele agiria diferente? Aquilo não era novo pra ele.

Mas para Chloe? Ela riu internamente, se perguntando como se permitiu entrar naquela bagunça. Depois do que acontecera com Jimmy e Davis, a última coisa que precisava era bagunçar novamente sua vida romântica. Ela já estava farta e havia se prometido nunca mais ser deixada para trás. E a última coisa de que precisava era arruinar a última amizade masculina decente que havia lhe sobrado.

Então olhou pra ele por sobre o ombro. "Oliver-"

"Uma noite só, certo? Não vou contar nada", ele respondeu, olhando pra ela de novo para que ela soubesse que ele compreendia. Embora fosse difícil entender o olhar que ela lhe dava, Oliver sorriu antes de voltar a atenção ao trabalho em sua frente. A última coisa que queria era insistir no assunto. "Era com isso que você estava preocupada, certo?"

Ele esperou que ela dissesse alguma coisa, mas o silêncio tomou conta novamente, e ele focou no trabalho. Era melhor assim, pois sua expressão provavelmente vendia mais confiança do que ele sentia por dentro. Afinal, ele não queria ser o primeiro a acordar, mas foi, e teve que tomar a decisão certa. Uma que o fazia sentir-se condenado de qualquer forma.

A única coisa da qual tinha certeza era de que não podia ir embora. Não podia deixá-la acordar sozinha. Mesmo se ele quisesse que nada mudasse entre eles, sair antes que ela acordasse mandaria a mensagem errada. Então ele foi comprar café e a caminhada de cinco minutos o ajudou a clarear a cabeça, especialmente porque podia continuar de olho no prédio o tempo todo.

Foi estranhamente reconfortante que ela ainda estivesse dormindo quando ele voltou, envolvida no cobertor que tinham puxado do sofá na noite anterior. Não que ela precisasse se cobrir, pois o time estava fora da cidade e Clark não passaria por lá tão cedo. Isso não impediu Oliver de garanti-la conforto, e quase quis acordá-la para o café. Mas achou que o cheiro seria suficiente para acordá-la, só que não foi o que aconteceu. Ela obviamente precisava dormir.

Isso o levou de volta ao dilema anterior, perguntando-se o que fazer em seguida e ao olhar ao redor da sala, encontrou a resposta. Não fazia ideia de há quanto tempo estava em frente ao computador esperando que ela acordasse, mas se atualizar sobre a base de dados era algo necessário. Afinal, suas palavras não seriam suficientes para convencer o time de que ele estava de volta. Oliver tinha que ter uma ideia melhor do que estava acontecendo, e a Watchtower era o lugar perfeito para começar. Isso também lhe deu a distração perfeita para evitar que a assistisse vestir as roupas. Ele não a ouviu se aproximar até que estivesse em sua visão periférica.

"No que você está trabalhando?" ela disse, arrumando a blusa sobre o corpo. Chloe estreitou os olhos enquanto examinava as telas, pois parecia que Oliver havia aberto pelo menos dez janelas.

"Me atualizando", ele disse, mantendo o foco na tela. Ele fechou uma janela e foi para outra. "Entre minha desafortunada espiral descendente e juntar os pedaços da Queen Industries, não consegui passar tanto tempo aqui quanto eu queria."

"Não notei", ela disse com um dar de ombros. Porque o que importava é que ele estava ali. De fato, normalmente ele passava na Watchtower algumas vezes por semana e isso não incluía as noites de patrulha com as quais ele havia voltado a se comprometer. Aquilo já era suficiente para Chloe, pois era um sinal de progresso.

Mas para Oliver não era assim, e ele tinha a intenção de dizer isso a ela, mas quando virou a cabeça, Chloe tinha ido até outro teclado e começava a trabalhar. De volta aos negócios, rotina normal. Ele deveria se contentar com a atitude, porque pelo menos ela não havia se arrependido completamente do que haviam feito, mas isso não mudava o fato de que havia uma coisa que ele não poderia mais suportar.

"Isso porque você não sai daqui", ele disse, quase esperando o olhar feio que ela lhe deu. Mas ele balançou a cabeça sem se importar. "Tenho o direito de me preocupar com isso."

Claro, ela pensou, talvez tenha. O fato de que ele se importava com alguma coisa já era um avanço. "Exceto que não há nada com o que se preocupar. Eu estou bem."

Porque ela estava. Ela teve seu momento de desespero, viveu o luto, mas seguira em frente, forçando-se a fazer algo bom, a ser importante para o mundo de novo. Desta vez, seu trabalho não seria perdido, ela tinha ajudado a trazer o time de volta e estava lutando contra a última ameaça mundial. Como nos velhos tempos.

Honestamente, era maravilhoso. Mas com base no jeito que ela sentiu o olhar de Oliver atrás dela, ele não concordava.

"Você realmente acredita nisso", ele disse, e ela pensou que deveria soar como uma pergunta, mas seu tom implicava outra coisa. "E é isso que me assusta."

Isso a surpreendeu, porque ele parecia de fato preocupado, mas o sentimento não era tão reconfortante quanto deveria ser. Como as palavras ficaram martelando em sua cabeça, ela parou de trabalhar. "De onde veio tudo isso?"

 O primeiro som foi o do pé dele batendo levemente no chão, mas era difícil saber o que significava. "Quando te deixamos, você trabalhou tanto para juntar os pedaços", ele disse. "Você conseguiu, mas o ritmo não parou. Estou preocupado que se você não for mais devagar, não vá aguentar."

Ela se recusou a olhar pra ele, pois não podia ignorar o fato de que mesmo que não conversassem sobre o assunto, as coisas ainda tinham mudado entre eles. Mesmo de costas pra ele, Chloe se sentia transparente, mas não ia deixá-lo saber disso facilmente.

Depois de suspirar, ela disse. "Não sou feita de vidro, Oliver."

"Eu sei", ele disse, sua voz parecendo mais perto do que antes. "Mas você também não é invencível e eu não lembro da última vez em que você tirou uma noite de folga e foi se divertir."

Chloe mordeu o lábio, sabendo que ele tinha razão. Mas que bem faria se divertir enquanto o mundo que ela conhecia estava desabando? "Alguém tem que manter o time trabalhando."

Ele deu um passo na direção dela, tentado a tocar seu ombro, mas reconsiderou. "Sim, e estamos agradecidos por tudo que você fez... mas estamos de volta agora e preocupados com você."

"Nós?"

"Ok, talvez seja só eu." Oliver desejou que a admissão fosse suficiente para fazê-la se virar, para ter uma conversa frente-a-frente. Infelizmente, ela não se moveu. "Achei que fosse melhorar, então preferi não falar nada, mas não funcionou."

Enquanto continuava olhando para as próprias mãos, Chloe o sentiu atrás dela, o espaço ao seu redor se fechando. Lembranças e um pensamento indesejável voltando, e eventualmente, ela não conseguiu mais aguentar. "Esta é... uma interessante mudança de tática."

Ele a observou praticamente pular para longe dele e do console. Finalmente ela virou a cabeça para ele enquanto abria a boca novamente, mas não foi a expressão que ele estava esperando, pois ela estava olhando feio. "Como exatamente você achou que dormir comigo ia melhorar as coisas?"

Isso foi o suficiente para fazê-lo dar um passo atrás. "Espera um segundo, eu não..." Ele não conseguiu terminar a frase. Não acreditava que ela estivesse lhe acusando disso, especialmente considerando a verdade. Fazia realmente tanto tempo desde que alguém havia olhado pra ela daquele jeito?

Balançando a cabeça, Oliver percebeu que sabia a resposta para aquela pergunta. Ainda assim, acrescentou. "Sério, Chloe? Você acha que eu seria tão baixo?"

Ela deu de ombros, a expressão neutra. "Nós dois sabemos que você é capaz de ser tão baixo", ela disse.

A confiança com que ela pronunciou a frase inicialmente assustou Oliver, mas a combinação da proximidade entre eles e as telas eventualmente o relembrou de um ponto particularmente baixo. Foi um truque barato, mas não o surpreendeu que Chloe tivesse jogado isso em sua cara. Novamente, ele deu um passo atrás, então outro. "Graças a você, não sou mais esse tipo de homem. Tudo que estou tentando fazer é retribuir o favor."

"Pegando o primeiro corpo disposto para te ajudar a esquecer Lois e então depois dizendo como devo viver minha vida?" Chloe disparou. Ela queria acreditar nele, sua voz quase a convenceu. Mas isso não apagava o que tinham passado. Mordendo o lábio, ela manteve as emoções sob controle. "Grande plano, Oliver."

"O que--" Ele começou, correndo em seguida a mão pelo cabelo. "O que aconteceu ontem não tem nada a ver com isso. Além do mais, você sabe melhor do que ninguém que Lois e eu terminamos há muito tempo."

A dor em seus olhos era clara, mas não tinha nada a ver com seu relacionamento com Lois. Não, desta vez, Chloe percebeu que tinha cruzado a linha, a linha que parecia mais vergonhosa do que a que tinham cruzado na noite anterior.

Eventualmente a dor e a frustração diminuíram. "Jesus, Chloe", ele disse. "Eu sabia que você não tinha percebido, mas não achei que você fosse tão cega."

E ela ainda estava parada, porque mesmo que ele já tivesse dito muito, as próximas palavras que saíram de sua boca foram, "Então, por quê?"

"Você não acreditaria se seu dissesse." Se ela não conseguia deduzir àquela altura, então não havia motivo para falar a verdade. "Além do mais, não é como se tenha significado algo pra você, então não vamos insistir no assunto."

"Não podemos simplesmente ignorar, Oliver."

"Ótimo!" Oliver disparou de volta. Então o que foi isso pra você? Encontrar alguém disposto para usar e superar a dor?" Ele imediatamente se arrependeu das palavras, porque continuava indo por um caminho que não sabia se queria. Infelizmente, ele não conseguiu se impedir. "E de pensar que eu acreditei quando você disse que tinha superado Clark."

Com isso ele igualou a conversa. Isso o fez se sentir um lixo, mas Oliver queria que ela soubesse como ela o fizera se sentir.

"Eu superei."

Ele ignorou a admissão, já que não era nenhuma novidade. "Mas o resto é verdade, não é?" Novamente, ele sabia a verdade, então embora o silêncio fosse a resposta que esperava, a confirmação o partiu por dentro. "Exatamente. Por isso eu não queria conversar sobre o que aconteceu."

Exceto que Chloe ainda estava tentando descobrir o que estava acontecendo. Ela entendia que ele estivesse chateado, mas não podia ajudá-lo se ele não dissesse o motivo. Então ela entendeu.

Porém, isso veio com um custo. Ela deve ter deixado transparecer, porque ele balançou a cabeça antes de se virar. "Sabe, eu esqueci que tenho trabalho pra fazer na Queen Industries esta manhã", ele disse. "Honestamente, esqueça que eu disse alguma coisa. Eu não sou a melhor pessoa pra dar conselhos."

Havia mais coisas em sua mente, mas Oliver guardou para si mesmo enquanto saía da sala. Quando a porta se fechou, ele parou, quase esperançoso de que as coisas pudessem ser salvas antes de sair. Quando tudo que sobrou foi o silêncio, Oliver soube que ela não o estava seguindo e ele não achava que pudesse mais confiar em sua voz.

Então ele entrou no elevador, tentando ignorar o jeito que seus erros pareciam ecoar em sua mente. Ele sabia que ela era frágil, que ela não estava pronta para ouvir sua opinião sobre seus hábitos de trabalho. Mais importante, ele não merecia isso ainda. Mas, é claro, ele tinha que forçá-la, e havia dito muita coisa da qual se arrependia.

É por isso que você fica sozinho, ele pensou, sem querer sair do elevador quando chegou ao térreo, mas também não podia ficar ali. Seu plano de ir para a Queen Industries não parecia mais uma boa ideia, então caminhou até a Torre do Relógio, desejando que um cenário diferente pudesse clarear sua mente.

Tudo que queria era que ela se cuidasse, mas agora, nem sabia se ela conseguiria voltar a olhar pra ele. Ele mal tinha notado o olhar que ela lhe deu antes de sair. E não sabia ao certo o que queria dizer, se era pena ou a noção de que ele tinha calculado tudo errado, mas de qualquer forma, ela finalmente havia descoberto. E que jeito dela descobrir as coisas, especialmente com o jeito como ele logo saiu de cena.

Assim que chegou a Torre do Relógio, ele tirou o casaco, jogou-o do outro lado da sala, sem realmente se importar onde havia caído. Ele precisava de um banho.

~0~

Normalmente o silêncio na Watchtower era bom. Era praticamente seu modo de vida nos últimos meses. Mas agora, era indesejável, pois sua mente estava no trabalho. Sua mão foi e voltou do console, tentando entender a pergunta de um milhão de dólares.

Por quê?

Claro, os dois tinham falhas, tinham suas quotas de erros, mas só porque ela havia salvado sua vida não significava que--

Chloe balançou a cabeça. Claro. Era por causa disso. Ele estava agradecido, apenas demonstrando sua gratidão.

Ainda assim não demorou para aquilo não parecer certo também. Porém, era melhor do que a possibilidade de ela estar cega há tanto tempo e quanto mais pensava nos últimos meses, mais incerta ficava sobre certos eventos.

Ela sabia que essa não era uma faceta com a qual deveria estar preocupada. Diabos, relacionamentos pessoais de qualquer natureza eram complicados. Mas de alguma forma, ele a fez ceder e a última noite não havia sido a primeira vez. Para trazer o time de volta, ela precisou dele. Mesmo que tenha sido necessário jogar um caminhão em cima dele, ela precisou dele.

E ele estava agradecido. Uma mudança bem-vinda nos favores que havia feito durante os anos. Algo que ele estava tentando devolver, só que ela o acusara de algo muito pior.

Quando ela chegou no sofá, desabou ali, afundando os dedos nas almofadas, ainda sentindo a falta de respostas para o que ouvira naquela manhã. Fechando os olhos, ela repassou todo o nervosismo, o jeito simples com que ele a livrou de seus medos com o que ela pensou ser um entendimento sobre o que havia sido a noite passada.

Ficou tudo bem por alguns minutos. Então ele disse:

"Isso porque você não sai daqui... Tenho o direito de me preocupar com isso."

Ela se irritou, embora ele não estivesse necessariamente errado, não era como se ela estivesse maluca. Não foi ela quem decidiu que suicídio era a melhor saída para uma situação difícil.

Mas ela o acusou de usá-la, o que parecia tão bobo agora porque Oliver estava certo, ele não era mais aquele cara. Antes ele não passava tanto tempo na Watchtower, cuidando dela, garantindo que ela estivesse bem. Eles não eram parceiros de bebida, e o que tinham feito, aquilo nunca teria acontecido antes.

Diabos, até onde ela sabia, talvez tivesse. Claramente, Chloe não tinha mais todas as respostas porque não conseguia saber o quanto havia ferido Oliver até o observar ir embora.

Isso a forçou a perceber a real razão para a briga. Ver as coisas da perspectiva dele permitiu a Chloe ver o quão errado tinha lidado com a situação e que isso significava que ela não conseguiria voltar ao trabalho. Normalmente, ela conseguia ignorar seus erros, todas as facetas de sua vida fora da Watchtower, mas agora, não conseguia tirar a voz de Oliver de sua cabeça.

Chloe queria acreditar que ele estava errado, mas não conseguia se lembrar da última vez em que havia passado mais do que um dia fora da Watchtower. Havia tantas razões para fazer isso, mas o mundo havia lhe mudado, e não era como se lá fora fosse ser muito diferente do que era lá dentro.

Ainda assim, ela não gostava da ideia de deixar as coisas como ficaram naquela manhã, então vestiu o casaco, desejando que as palavras certas saíssem dessa vez quando chegasse em seu destino.

~0~

Depois de inserir a senha, Chloe respirou fundo, sabendo que não estivera ali em muito tempo, desejando que ele a deixasse se desculpar.
 
Claro, ele estava sentado à mesa com uma visão clara do elevador quando ela saiu. Quando seus olhos se encontraram, ela quase desistiu, mas se recusou a ser essas pessoas que não conseguem consertar um mal entendido com uma simples conversa.
 
"Ei", ela disse, já que outras palavras pareceram impossíveis.
 
Oliver se recostou na cadeira, soltando a caneta. "O que você está fazendo aqui?"
 
Ela deu alguns passos a frente, tentando manter o contato visual enquanto se aproximava. "Claramente, precisamos conversar... e espero que você deixe que eu me desculpe por algumas coisas que eu disse de manhã."
 
Depois de um aceno de cabeça, ele disse, "Contanto que você retribua o favor."
 
Aquilo a confundiu por um segundo, já que ele não tinha nada do que se desculpar. "Você estava certo. Sobre eu passar muito tempo na Watchtower. Eu apenas não percebi. Aparentemente não tenho prestado muita atenção a alguma coisa nos últimos tempos."
 
"Chloe você não precisa--"
 
"Sim, eu preciso", ela respondeu. "Mas você tem uma resposta para me dar."
 
Ele afastou a cadeira, levantando-se e dando a volta na mesa. "Tentarei", ele disse, sabendo que estavam se aproximando de um território perigoso.
 
Sim, ela não fez a pergunta óbvia. "Por que você foi até a Watchtower ontem?" Antes, ela havia deduzido algo que os levou àquela bagunça. Ela desejava que saber a verdade pudesse facilitar as coisas entre eles.
 
"Eu não estava tentando esquecer a Lois", ele disse, embora doesse vê-la se envolvendo com alguém que a completava tão bem. Era ainda mais frustrante ver alguém como Clark desconsiderar sua crença de que pessoas com as vidas que eles levavam não tinham como viver um relacionamento real. "Essa não foi a razão, mas eu queria paredes diferentes para que não fosse relembrado do fato de que é muito difícil encontrar uma pessoa assim em minha vida."
 
Era o que ele continuava dizendo a si mesmo, pois não gostava de admitir que ele era o problema. Provavelmente este foi o motivo para ter ido até a Watchtower, o único lugar onde Chloe certamente estaria, para ver uma pessoa que enxergava o herói dentro dele, mesmo em seus momentos ruins.
 
Oliver olhou pra cima, tentando sorrir pra ela, mas parou quando a viu inclinar a cabeça para baixo. "E eu acabei usando você", ela disse suavemente, mas alto o suficiente para que ele pudesse ouvir. "Não tenho orgulho disso, mas é o que a noite de ontem foi para mim."
 
Não demorou para Oliver entender como ela se sentia. "Eu sei. Eu sabia e perguntei mesmo assim. Por isso o pedido de desculpas."
 
"Achei que estivéssemos na mesma página, então usei isso para brigar esta manhã, mas eu estava errada. Eu vejo isso agora." Chloe engoliu em seco, se obrigando a olhar para cima, mas agora Oliver estava encarando os próprios pés. Ela deu um passo na direção dele. "Eu entendo porque você ficou na Watchtower, porque disse o que disse, e porque não me contou."
 
Oliver riu a isso. "Não era exatamente como eu queria que você descobrisse."
 
Ela assentiu, erguendo a sobrancelha antes de responder. "Especialmente porque você teve outras oportunidades de me dizer antes."
 
Todo aquele tempo, ele poderia ter dito alguma coisa, qualquer coisa. Mas ele ficou quieto, deixando-a confusa. Mesmo naquela manhã, quando ele fez tudo menos dizer como se sentia em relação a ela.
 
"Eu queria ter certeza primeiro porque eu não podia ser como os outros", Oliver disse. Ela ficou ferida por tanto tempo, e com o lugar dela no time, não podia haver dúvidas. "E mais, você acabou de perder Jimmy... e eu ainda estou recolhendo os pedaços de todas as besteiras que fiz."
 
"E ontem?"
 
Ele suspirou. "Ontem não foi planejado... mas esclareceu alguns pontos."
 
"Pra mim também", ela disse com um lento aceno de cabeça. "Embora esta manhã os tenha dado o contexto certo."
 
De alguma maneira, Oliver conseguiu sorrir um pouco, apesar do que disse a seguir. "Também mostrou nossa inépcia nessa área."
 
"É a vida, Oliver. Todos temos momentos quando dizemos coisas das quais nos arrependemos. Não significa que as palavras estão erradas ou são injustas." Ela clareou a garganta, tentando sorrir. "Eu quero mudar isso, ajudá-lo a retribuir o favor."
 
"Sério?"
 
Chloe riu antes de apertar os lábios. "Sim. Eu não posso prometer nada sobre a outra coisa, mas por favor, não tome o dia de hoje como um não. Não é uma ideia tão maluca quanto pensei que fosse."
 
"Não é?"
 
Ela balançou a cabeça. "Você não é a única pessoa que viveu uma bagunça nos últimos meses, que sentiu que o mundo estava te esmagando."
 
"Eu sei que não somos as mesmas pessoas que éramos quando nos conhecemos, mas... vimos muitas coisas juntos e ainda estamos na vida um do outro", disse Oliver.
 
Ela deu um sorriso momentâneo enquanto seus olhos se encontravam. "Mas você teve mais tempo para pensar sobre isso. Antes dessa noite, eu nunca considerei a possibilidade."
 
"Porque você achava que eu ainda amava Lois, certo?"
 
Chloe balançou a cabeça novamente. "Porque eu não pensei no fato de que ontem era sobre mim. Quando eu vi o jeito que você olhou pra mim, me surpreendeu."
 
Ele havia deduzido isso, mas mesmo isso era promissor, porque significava que não a havia assustado. Talvez houvesse algum futuro afinal. "Desculpas aceitas então."
 
"Sério?"
 
"Sim", ele respondeu. "Somos apenas humanos afinal, diferente do resto do nosso time."
 
Ela sorriu novamente antes de se aproximar dele e estender a mão. "Então desculpas aceitas para nós dois."
 
Ele ficou satisfeito em apertar a mão dela, embora estivesse mentindo se dissesse que a noite anterior não havia impactado o jeito que ele sentia sobre tocá-la, mesmo naquela situação. Aquele era um gesto inocente, ainda assim ele se concentrou em garantir que aquele fosse apenas um simples aperto de mão.
 
Quando soltou a mão dela, deu um passo atrás. "Então, só para constar, estamos bem, certo? Posso manter minha patrulha de hoje à noite sem que as coisas fiquem estranhas?"
 
"Só tem um jeito de descobrir", ela respondeu com um dar de ombros. "Te vejo no horário de sempre?"
 
"Sim, claro."
 
Era estranho para ela sentir um alívio tão grande, mas considerando como o dia havia começado, como tinham deixado as coisas na Watchtower, não havia palavra melhor. Isso quase a fez desejar que pudesse ficar ali e continuar conversando com ele.
 
"Bem, vou te deixar trabalhar", ela disse, quase esperando o olhar no rosto de Oliver mudar. "Relaxa, vou encontrar Lois para tomar um café em vinte minutos. Eu não pedi, mas aparentemente preciso de detalhes sobre o encontro dela de ontem à noite."
 
Ele riu. "Parece divertido."
 
"Você está convidado a se juntar a mim", Chloe respondeu, cruzando os braços sobre o peito enquanto o sorriso dele ficava maior.
 
Sem nenhuma surpresa, ele balançou a cabeça. "Acho que é melhor para vocês duas se eu ficar aqui trabalhando. Mas antes de ir, quero garantir que você saiba que... apesar de como tudo aconteceu, eu falei sério sobre como você tem vivido."
 
"Ok", ela disse. "Te vejo mais tarde, Ollie."
 
Ouvir o apelido foi mais reconfortante do que Oliver pensou. Enquanto observava Chloe se aproximar do elevador, ele sentiu que as coisas estavam melhorando, mas havia ainda uma coisa que o incomodava. "Ei, Chloe? Por que você veio para cá e não para a Queen Industries?"
 
Novamente, ela deu de ombros. "Achei que era mais provável que você fosse beber do que trabalhar por estar com raiva." Ela olhou para o armário de bebidas, e não era algo improvável considerando o humor com que ele deixou a Watchtower. Com um sorriso, ela olhou de volta pra ele. "E este é um momento em que não me importo de estar completamente errada."
 
Oliver sorriu de volta, pois não podia culpá-la por pensar assim, e estava feliz que não a tivesse desapontado. Enquanto voltava a se sentar na cadeira, ele disse. "Alguém me deu uma segunda chance. Estou tentando não estragar tudo."
 
~0~
 
Para variar tomar café com Lois por aquela razão não era frustrante para Chloe. Provavelmente seria, considerando que era sobre Clark, mas Chloe havia sido verdadeira no que disse a Oliver. A paixão de adolescente havia passado.
 
Mas o que isso significava para seu futuro? Claro, seus sentimentos estavam um pouco sombrios devido a seus últimos relacionamentos e seu casamento com Jimmy, mas agora era diferente. Agora ela pensava que pudesse ter normalidade. Ela realmente pensava que tinha desistido daquele assunto específico, pois desastre parecia ser a única opção e ela não podia se ferir novamente.
 
Ainda assim havia algo no jeito como ela e Oliver haviam conversado, o jeito que podiam brigar e depois pedir desculpas. Eles tinham visto coisas horríveis juntos, tinham visto um ao outro fazer coisas terríveis, mas tinham voltado do precipício. Com isso em mente, Chloe não pôde deixar de perguntar se talvez daquela vez, aquela parte de sua vida pudesse fazer sentido, pudesse ser diferente.
 
Chloe olhou para o café, enquanto continuava sentada no banco do parque. Acabou que o dia estava bonito, então ela seguiu o conselho de Oliver e decidiu passar o dia fora da Watchtower e voltar depois do jantar. Muito do que Lois havia dito ainda estava em sua mente, e Chloe mal podia acreditar que Clark se permitira abraçar essa faceta de sua vida, especialmente considerando sua história com Lana. Não ajudava o fato de que Lois não sabia a verdade, mas Chloe tinha a sensação de que um dia isso mudaria.
 
E se Clark Kent podia, então ela também, certo? Especialmente se estivesse com alguém que conhecesse todos os seus demônios. Ou pelo menos, era o que ela pensava. Chloe estava honestamente incerta de quem ela era e não sabia se Oliver realmente queria a pessoa que pensava que ela era.
 
Ela respirou fundo, notando como o ar começava a ficar gelado, mas isso não a incomodou, nem mesmo quando o café frio tocou sua língua.
 
Não deveria ser tão difícil assim, ela pensou, mas felicidade não era algo que vinha fácil em sua vida. Daí sua hesitação, sua relutância em realmente aceitar tudo que tinha acontecido.  
 
Não era como se não tivesse motivos, por mais que tudo que pensasse sobre si pudesse ser aplicado a Oliver. Mas ela não podia remoer aquilo pra sempre, então se levantou do banco e caminhou até a lanchonete no final da rua.
 
A última vez que tinha parado para almoçar durante o dia fazia tanto tempo que Chloe teve que rir enquanto abria o hambúrguer. Não era a coisa mais saudável do planeta, mas servia, pois café e muffins a tinham feito passar por dias suficientes e sabia que suas calças andavam um pouco folgadas.
 
Aquilo trouxe as palavras de Oliver de volta a sua mente. Ele estava certo afinal, e era desconcertante o quão fácil era se lembrar de como era bom ter uma vida. Ele realmente tinha boas intenções, mas ela se sentia um pouco insegura se poderia dar a ele o que ele estava procurando.
 
Porém, ela se recusava a deixar isso arruinar sua noite. Não era como se tivesse que tomar uma decisão imediatamente. Ele não pareceu se importar que ela precisasse de tempo e se não a pressionara antes, não o faria agora.
 
Primeiro, eles tinham que sobreviver àquela noite, sabendo do que sabiam. Não ajudou que as luzes estivessem acesas na Watchtower quando ela apareceu. Felizmente, era tecnicamente uma boa notícia que ele tivesse chegado antes dela. Significava que ele sabia que ela seguira seu conselho, que sua opinião fora importante.
 
Ela sentiu a respiração um pouco trêmula quando alcançou a porta, mas Chloe sabia que não havia mais volta.
 
Exceto que ela encontrou um rosto diferente quando olhou para o console. Ele claramente a vira primeiro, mas não demorou para o rosto de Chloe se iluminar quando percebeu que Victor estava em Metrópolis antes do esperado.
 
"Ei! Quando você chegou?"
 
"Ontem", ele respondeu. "Quase passei aqui, mas fui no Oliver primeiro e acabei dormindo por lá."
 
"Que bom ver você", ela respondeu parando ao lado dele no console.
 
Por um segundo, quase pareceu como antigamente para Victor. Claro, esses momentos não duravam muito, mas ainda era bom sentir aquilo considerando tudo pelo que o time havia passado. Infelizmente, ele havia notado a expressão preocupada dela quando ele mencionou ter ido para a casa de Oliver. Ela sabia o que ele quis dizer com isso.
 
Ele também sabia que não podia simplesmente ignorar o fato. "Mesmo? Porque sua expressão diz outra coisa."
 
"Ei", ela respondeu, digitando alguns segundos antes de olhar pra ele. "Só porque estou surpresa não significa que não seja uma coisa boa."
 
Victor engoliu em seco, sentindo que a conversa ia para um caminho amargo. Entretanto, sabendo que Oliver ia patrulhar aquela noite, não tinha a intenção de estragar as coisas. No ano anterior houve segredos demais e isso não foi bom para o time. Não significava que para ele seria fácil, pois não era expert no assunto.
 
Ainda assim ele pressionou. "Embora isso possa ser verdade, sua cara é tão boa quanto a dele quando querem desconversar." Ela parou completamente e ele não teve que olhar pra ela pra saber que ela estava em conflito. "Eu entendo porque você não quer falar sobre isso, mas sou uma de suas melhores opções para conversar, considerando que vocês dois são péssimos em serem sutis e eu sei que ele vai patrulhar esta noite."
 
Chloe respirou fundo, tentando se concentrar no que estava trabalhando em vez de olhar pra ele. "Não tem nada de errado em estar feliz porque Oliver não quer mais se matar."
 
"Então nada aconteceu?" ele perguntou, sabendo que era mentira e desejando que isso a ajudasse a se abrir.
 
"Nada mudou entre nós", ela disse. "Ainda somos amigos."
 
Ele olhou para ela e isso aumentou suas preocupações. Porém, conseguiu manter o foco. "Funcionou?"
 
"O quê?"
 
"Tentar se convencer de que nada mudou", ele respondeu. "Você sabe que eu estava na casa de Oliver quando você passou lá hoje de manhã, certo? Quer dizer, eu não preciso de detalhes, mas--"
 
"Então porque está perguntando?" ela respondeu, finalmente olhando pra ele.
 
Victor foi rápido em responder a pergunta. "Eu gosto de saber em que situação está o time, especialmente considerando o ano passado quando eu praticamente desapareci." Ele abaixou a cabeça, sabendo que não estava por perto quando deveria ter estado. Não para Doomsday, não para o funeral de Jimmy, nada disso. A culpa o corroera por muito tempo, e demorou semanas de persistência da parte de Chloe para relembrá-lo porque haviam feito o que fizeram. "Eu sei que isso é bem diferente, mas a última coisa que eu quero é repetir os mesmos erros, não importa quais sejam as boas intenções."
 
Finalmente, ele voltou a atenção completamente para Chloe. "Enfim, a escolha é sua... mas fico feliz porque ele finalmente falou o que sente por você."
 
"Como você sabia sobre isso?"
 
Victor apertou os lábios, sentindo-se mal por Chloe. Todo o tempo, ela havia se concentrado tanto nos outros que perdeu o jeito de lidar com a própria vida. Oliver especialmente havia tomado a iniciativa de mudar isso, mas parecia que ela finalmente estava entendendo a mensagem.
 
"Inicialmente", ele disse, "nós deduzimos que era gratidão, mas ficou claro que ele só gostava de estar perto de você. Claro, você foi a mente por trás da iniciativa Roulette e você salvou a vida dele no Ace of Clubs também, mas--"
 
"Espera, você disse nós?" Chloe engoliu em seco enquanto olhava de volta para a tela. "Era assim tão óbvio?"
 
Os dois sabiam a resposta para isso, então Victor não se incomodou, esperando poder dar a ela um pouco de conforto. "Eu entendo porque você não percebeu. E não é realmente nós. Com o envolvimento nas missões, duvido que todos saibam, especialmente considerando que Bart tem uma paixão por você. Mas Dinah definitivamente desconfia de alguma coisa."
 
"Melhor que fique só na desconfiança", ela disse. "Por enquanto, fico feliz que tenhamos conseguido salvar nossa amizade. O resto certamente vai passar."
 
Ele franziu a testa antes de responder, pois era realmente difícil ouvir Chloe falando daquele jeito. Durante seus piores dias o time não esteve por perto, então sabia que aquilo não era nada comparado aos dias depois de Doomsday, mas fez Victor perceber o quanto ela havia perdido. "Tem certeza que está bem com essa ideia?"
 
"Não", ela disse um pouco mais confiante do que ele esperava. "Mas considerando nossos passados, não pode ser uma boa ideia, certo?"
 
Novamente, ela olhou pra ele, mas ele desejou que ela soubesse que nenhuma resposta sua poderia facilitar as coisas. "Você realmente espera que eu responda isso?"

"Acho que não."

"Eu posso responder, se você quiser", Oliver disse, fazendo os dois se virarem para o líder parado perto da porta.

Todo o tempo, eles ficaram tão focados na conversa que perderam a noção do tempo, alheios a possibilidade de que Oliver pudesse ouvi-los. Victor não fazia ideia de quanto Oliver ouvira, mas sem dúvida havia sido o suficiente.

Independente disso, Victor os deixaria conversar, então ele deu a Chloe um olhar simpático antes de passar por Oliver.

"Você chegou cedo", Chloe disse, incapaz de encontrar qualquer outra palavra. E de pensar que queria esconder suas preocupações dele.

Ele não estava completamente devastado, ao menos, embora parecesse evitar contato visual enquanto deixava o casaco no sofá. "Como foi o café com Lois?"

Ela riu, desejando que fosse uma maneira de manter o clima leve. "Você conhece Lois, ela dá detalhes demais, mas..."

Ela parou de falar quando notou que ele não se movera. O que era justo, ele merecia honestidade àquela altura. "Por sorte eu tinha muita coisa em que pensar, então não me lembro dos detalhes entre meu amigo e prima."

"Melhor assim", ele disse, sentando-se no sofá. "Então, você mudou bastante o tom desde manhã."

"Oliver, eu posso explicar."

Ela esperou Oliver dizer não, sair da sala, mas em vez disso, ele simplesmente respondeu. "Estou ouvindo."

Naquele momento, Chloe gelou, pois não esperava que fosse funcionar. "Eu segui seu conselho e passei o dia fora. Cheguei aqui pouco antes de você."

"Você não tinha que seguir."

"Mas eu segui." Pela primeira vez em algumas horas, Chloe sentia um calor inesperado. "Oliver, quando você acredita em alguma coisa, é por uma razão. Não importa o quanto tudo tenha mudado, esta é uma parte importante de quem você é."

Ele notou a faísca na voz dela, confortado pelo fato de que ela havia falado sério antes. "Esse é o problema? Você tem medo que tudo tenha mudado?"

"Não... exatamente", Chloe disse, pois isso não explicava exatamente o que ela queria dizer. Ainda assim, ela continuou olhando para ele, desejando ser clara. "Quer dizer, é muita coisa de uma vez, tudo que aconteceu nas últimas vinte e quatro horas."

Ela deu um passo a frente para ver a reação dele, feliz quando nada mudou. "Oliver, eu tenho dificuldade em descobrir quem eu sou atualmente. Mas eu sei que não sou exatamente confiável quando se trata de relacionamentos."

"Isto é algo que temos em comum", ele respondeu, sabendo que seus relacionamentos passados não pintavam um futuro promissor. "Mas eu acho que somos espertos o bastante para aprender com nossos erros. Eu respeito suas barreiras e vou continuar a fazer isso, mas isso não significa que estou desistindo de você ou seguindo em frente."

Foi difícil para Chloe, ouvindo tanta convicção na voz dele porque ela não compartilhava do mesmo sentimento. "Você não pode ter certeza disso", ela disse.

A expressão de Oliver vacilou momentaneamente, mas logo em seguida balançou a cabeça antes de falar. "Acho que tenho, na verdade."

Desta vez, ele deu um passo a frente e Chloe fez seu melhor para não reagir. Ela tentou dizer alguma coisa de volta, mas Oliver continuou. "Você realmente acha que é a primeira pessoa a considerar que nós dois juntos é uma má ideia?" Ele parou e apertou os lábios, dando a ela um sorriso rápido. "Você pode pensar diferente, mas você é uma mulher da qual é difícil desistir, Chloe Sullivan. Depois de um tempo, eu percebi que para cada coisa ruim havia muito mais coisas boas e escolhi focar nelas."

Mais uma vez, ela não tinha uma resposta para isso, mas parecia que Oliver já tinha a resposta. "Sim, eu amarelei antes, mas foi porque eu queria fazer as coisas do jeito certo e não queria apressá-la. A verdade é que não sou tão bom nisso, mas--"

"Você não é tão bom nisso?" Chloe falou, feliz em encontrar sua voz novamente. "Esta é sua especialidade."

Ele deu de ombros, pois não podia culpá-la por pensar assim. Não era como se tivesse se envolvido em poucos relacionamentos, mas ele deduziu que ela soubesse que não significavam nada.

"Quando o assunto é relacionamento, sou um clássico caso de quantidade em vez de qualidade", ele disse. "A maior parte do tempo... foi tudo bobagem."

"Lois também?"

Oliver realmente queria que ela parasse de mencionar sua história com a prima, mas ele mordeu a língua. "Ela não sabia sobre o Arqueiro Verde, e mesmo assim, como meus relacionamentos passados, eu entrei com uma expectativa de fracasso. Isso... não é uma opção agora. Pelo menos, não quero que seja."

Ela abaixou a cabeça um pouco, fazendo Oliver franzir a testa porque ele já imaginava o que estava por vir.

"Exceto que é. Sempre é."

Ela não estava errada, Oliver sabia disso, mas mesmo que não fosse com ele, não podia deixá-la viver daquele jeito. Ele deu mais alguns passos na direção dela, observando-a olhar pra ele de novo. Quase doeu, se perguntando se conseguiria convencê-la de que ela merecia mais do que se permitia ter.

"Sabe", ele disse, testando suas fronteiras enquanto se aproximava mais. "É mais fácil quando já temos um pé na porta, não importa quanto o segundo pé lute para se agarrar a alguma coisa."

Enquanto Chloe mordia o lábio, ele podia sentir que estava ao menos fazendo algum progresso. Porém, pra variar, ele não antecipou o que ela diria em seguida. "E pelo que você está lutando, Oliver?"

Ele balançou a cabeça, porque ela estava realmente dificultando pra ele, mas era justo considerando que mantinha o progresso, pois sentia que estava chegando em algum lugar. Um erro que ele não ia cometer aquela noite.

"Você, Chloe." Ele tentativamente estendeu a mão na direção dela, desejando que ela o deixasse tocar seu cabelo. Ela não se moveu, então ele se permitiu sorrir quando os dedos tocaram seu rosto. "Você pode ter perdido a noção de quem é, ou duvide de si mesma em um relacionamento, mas eu não. Você acredita no melhor de cada pessoa que conhece, e isso é quase um defeito. Você é a pessoa mais corajosa que eu conheço porque consegue nos manter na linha e sacrifica tudo para ajudar um amigo ou salvar o mundo.

"Eu te chamei de Sidekick uma vez, mas a verdade é, eu não me importo o quanto isso soe barato, você é minha heroína." Ele podia vê-la prestes a responder, mas ele não a deixou. "Uma heroína que é incrivelmente inteligente, esperta e inegavelmente bonita, especialmente quando se permite ser feliz. E você não deixa nada te parar, nem mesmo um cara que insistiu que pertencia à sarjeta."

Não havia muito o que ler na expressão dela, já que ela ainda estava surpresa. Ela tinha que dizer as próximas palavras, disso ele tinha certeza, então ele a observou, esperando o melhor. Ou pelo menos algo similar àquela manhã que simplesmente significasse que ela continuaria a pensar no assunto.

Então ela disse, "Ok."

Chloe sabia que não era a resposta que ele esperava, mas ainda estava considerando tudo que ele dissera. Ela queria perguntar se ele tinha certeza, mas sabia que ele tinha. Com isso, todos os obstáculos em que havia se apoiado pareciam sem sentido, pois ele estava certo. Era hora de começar a se concentrar nas coisas boas.

"Você realmente acredita na gente", ela acrescentou.

Oliver sorriu, perguntando-se como era possível que estivesse tão perto dela quando ela mal conseguira olhar pra ele naquela manhã. Ele não estava reclamando, mas era um pouco surreal. "Você perguntou, Chloe, e eu estou cansado de ser sutil. Aparentemente não somos bons nisso."

Ela imediatamente arregalou os olhos. "O quanto você ouvir?"

"Então ele também te falou, não é?" ele respondeu, pois era a única coisa que fazia sentido porque ele não ouvira essa parte da conversa.

"Oh."

"Olha, Chloe, eu sei que é muita coisa pra você, especialmente por tudo que você passou. Mas você precisa saber que o único jeito de isto ser uma fase pra mim é se você decidir que não sente o mesmo."

Chloe não tinha certeza do que estava pensando naquele momento, mas de certo modo, fazia sentido. Ela era apenas humana afinal e até ela podia admitir que eles tinham uma química. Depois de meses de frustração, de tentar viver algo parecido com a normalidade em sua vida, de lutar para trazer o time de volta, a ideia de alguém lutando por ela a fazia sentir algo que não conseguia expressar.

Então ela diminuiu a distância que ainda havia entre eles. Ela o surpreendeu inicialmente, mas ele foi rápido em responder. Era certamente mais inocente do que haviam feito na noite anterior, mas ela iniciou. E o jeito que ele olhou pra ela depois fez valer a pena.

Porém, ela não queria mandar a mensagem errada, então deu um passo atrás, fazendo o melhor para manter o sorriso e deixá-lo saber que não havia sido um erro. "Que tal sairmos para tomar um café amanhã? Quer dizer, eu sei que você não toma café, mas vai ser bom conversar... e eu não sei você, mas eu não me arrependo de ontem à noite."

"Nem eu", ele respondeu, seu sorriso brilhando ainda mais.

"Eu só preciso ter uma ideia melhor do que está acontecendo."

"Claro, eu entendo", Oliver respondeu, ainda sem acreditar no que estava acontecendo. "Que tal uma pizza de madrugada depois da patrulha?"

Ela riu à oferta, não esperando que ele fosse tão rápido. "Não pode esperar uma noite?"

Ele balançou a cabeça. "Na verdade não", disse aproximando-se dela novamente. "Pode-se dizer que sou a favor do progresso."

Havia algo extremamente satisfatório em observar o jeito como os olhos dele escureceram por ela, mas Chloe sabia que tinham que manter o foco. Havia coisas mais importantes naquele momento.

"Devagar, Romeu", ela disse, erguendo a mão. "Só para esclarecer, estamos em fase de teste. Ontem... não vai acontecer de novo. Pelo menos, não imediatamente."

"É justo", ele respondeu, respeitando seus desejos e dando a ela um sorriso antes de ir se preparar para a patrulha.

"Ou John e eu podemos cuidar da patrulha esta noite", Victor disse enquanto voltava para a sala. "Antes que vocês perguntem, e eu não tenho que ouvir nada para saber que vocês resolveram as coisas." Pela expressão dos dois ele sabia que as coisas estavam melhores. "Então, o que acham?"

Era tentador para ela. Afinal, foi o tempo longe de Oliver que fez Chloe duvidar daquela situação, pois esclarecer as coisas a deixou mais confiante que na noite anterior e isso era mais do que havia predito.

Mas agora era diferente. Oliver ainda conversaria com ela, pois trabalhavam juntos. Eles seriam um time aquela noite e isso era algo que ela realmente começava a valorizar desde que o time havia se reunido.

Isso a ajudou a ter uma resposta. "É muito legal da sua parte, Victor, mas prefiro manter o que planejamos. Não importa o que tenha acontecido entre nós, a prioridade é manter o time trabalhando." Ela olhou por sobre o ombro. "Certo, Oliver?"

"Com certeza", ele respondeu, observando Victor dar de ombros enquanto ele e Chloe iam até o console.

Não tinha sido do jeito que Oliver planejara dizer a verdade a Chloe, e não fazia ideia se teriam pizza naquela noite, mas enfim, aquele era um bom dia e nunca esteve tão ansioso para patrulhar em muito tempo.

~Fim~

_________________________________________________________________________________

3 comentários:

  1. Olá, pessoal! Finalmente última história da série postada. O texto é bem longo, então demorou um pouco. Estou traduzindo outra história e espero conseguir postar em breve. Não tão breve assim, mas em breve... Conto com a compreensão e a paciência de vocês.

    <3

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela continuação tão rápido, depois de todos esses anos ainda sinto muito a falta deles .

    Aline

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline!!! Até que foi né? Logo posto mais uma história que estou traduzindo. Continue por aqui!!!!! Também sinto falta desse casal perfeito!

      Excluir

Google Analytics Alternative