15.1.11

Start Again (9/19)

TítuloRecomeçar
Resumo: Depois de não se verem durante anos, Oliver decide voltar para Metrópolis e acaba mudando a vida de Chloe. Continua após Doomsday exceto que Jimmy não morre.
Autoras: chloeas e dl_greenarrow
Classificação: NC-17
Banner: alxnhnt22
Nota: Esta tradução é um presente para a Vilm@, que simplesmente AMA esta fic, assim como eu...
Anteriores: Um - Dois - Três - Quatro - Cinco - Seis - SeteOito



start again


Chloe e Vic estavam entrando no hotel quando, pelo canto dos olhos, ela viu Oliver inclinado contra o bar do hotel, sozinho, tomando uma bebida. Respirando fundo, ela disse a Victor para ir dormir que ela tentaria conversar com ele.

Ela se aproximou do bar em silêncio e ao invés de falar com ele, ela se sentou ao seu lado e pediu a mesma bebida.

Oliver parou quando sentiu a presença dela. Ele nem precisava olhar pra saber quem era. "Acordada até tarde", ele disse, tomando mais um gole do uísque.

"Você também", ela disse a ele, agradecendo ao garçom enquanto ele lhe passava a bebida. "Eu não sabia que uísque era bom para sua dor de cabeça."

Ele olhou para o próprio copo por um momento, então olhou pra ela de lado. "Não, para minha dor de cabeça, não", ele concordou.

"E é bom pra quê então?" Ela perguntou, tomando um gole de sua própria bebida e olhando pra ele.

Oliver encontrou seus olhos por um momento. "Meus nervos", ele admitiu.

Ela manteve o olhar, seus próprios olhos intensos enquanto tentava decifrá-lo. "Por que você está tão tenso, Ollie?"

Ele olhou pra ela. "Hoje foi por pouco."

"Mas está todo mundo bem e em segurança agora", ela disse a ele, se virando levemente no assento para se inclinar na direção dele enquanto abaixava a voz para que ninguém mais ou ouvisse.

Ele assentiu levemente, terminando a bebida e olhando para o bar. "Eu sei."

Ela teve que se impedir de perguntar sobre o quanto ele vinha bebendo, não era hora pra isso, ela precisava que ele lhe desse abertura primeiro. "Por que não vamos dar uma caminhada então?"

"Você não está cansada?" Ele franziu um pouco as sobrancelhas.

"Adrenalina", ela disse a ele, com certeza ela estava cansada, e provavelmente já era cinco da manhã no Kansas, mas se ia ajudá-lo a relaxar, ela poderia dar uma caminhada, além do mais ela tinha dito a Lois que iria à praia.

"Certo." Ele prendeu a respiração e expirou lentamente, olhando para o copo vazio por um momento.

Chloe tomou dois longos goles de sua bebida, terminando e se levantando. "Vamos."

Oliver a observou por um momento, então se levantou lentamente, colocando as mãos no bolso e a seguindo em direção à saída.

Ela sorriu um pouco quando sentiu que ele vinha atrás dela, mas permaneceu em silêncio até estarem do lado de fora. "Quando vamos voltar?" Ela perguntou baixinho.

"Para Metrópolis?" ele perguntou, olhando pra ela de lado enquanto caminhavam. "Podemos voltar amanhã."

"Eu acho que os rapazes sentiram sua falta hoje", ela disse a ele enquanto tirava os sapatos e os pegava assim que pisaram na areia.

Oliver ficou em silêncio, embora não tenha se incomodado em tirar os sapatos, simplesmente caminhou ao lado dela.

Chloe olhou pra ele pelo canto dos olhos. "Você quer passar algum tempo com eles amanhã?"

Ele não olhou pra ela dessa vez. "Por mais que isso pareça legal, eu realmente preciso voltar para o Kansas", ele falou baixinho. "Muita coisa pra resolver, sabe?"

"Certo..." ela manteve os olhos nele. "Talvez o café da manhã então?"

Ele expirou lentamente. "Com qual deles você conversou?"

Ela parou, ia tentar mais uma vez. "Todos eles?"

"Você entendeu", ele falou baixinho.

Chloe suspirou suavemente e olhou pra longe por um segundo. "Vic." Ela disse a ele. "Eu dei uma volta com ele antes de voltar para o hotel e vi você no bar."

Oliver assentiu levemente, sem olhar pra ela. "Certo", ele murmurou.

"Ollie", ela disse, colocando a mão no braço dele para fazê-lo parar de andar. "Olha pra mim."

Ele parou, olhando para a mão dela por um momento e tentando ignorar o formigamento que ele sentiu com o toque. Engolindo com dificuldade, ele levantou os olhos e encontrou os dela em silêncio.

Ela afastou a mão um segundo depois e manteve o olhar. "Eles estão preocupados, eles se importam com você, você não precisa afastá-los desse jeito, vocês costumavam ser uma família."

Oliver olhou pra longe. "Eu sei."

"Eu entendo se você não quiser se abrir pra mim", ela falou baixinho, inclinando a cabeça para o lado enquanto tentava encontrar os olhos dele novamente. "Mas você precisa deixar alguém cuidar de você, Ollie, porque você não está bem."

Ele travou a mandíbula. "Eu não preciso que ninguém cuide de mim, Chloe."

Ela suspirou e em seguida balançou a cabeça. "Você não pode fazer tudo sozinho, Oliver. É muita coisa. Você precisa se apoiar em alguém, é por isso que a equipe trabalha tão bem. Você não pode fazer esse trabalho sozinho, e você sabe disso."

"Eu não estou fazendo sozinho", ele pontuou. "Eu só estou participando de um jeito diferente de antes."

"Eu não estou falando sobre sua participação na missão", ela se aproximou mais. "Eu estou falando sobre como você está afastando todo mundo de qualquer jeito."

Oliver se encontrou olhando pra ela, intensamente consciente da proximidade dela. Seu olhar caiu involuntariamente para sua boca.

Chloe parou e ela podia dizer que tinha perdido a atenção dele, ou pelo menos o tipo de atenção que ela estava procurando, porque ele ainda estava prestando atenção nela, exceto, que era o tipo de atenção que de repente fez suas bochechas ficarem quentes, seu coração acelerar e se sentir um pouco tonta. "Ollie", ela tentou despertá-lo, mas sua voz saiu como um sussurro.

"Sim?" ele murmurou, se aproximando dela inconscientemente.

Ela colocou as mãos nos braços dele. "Você precisa me ouvir", suas palavras soaram distantes até para si mesma, como se eles estivessem dentro dessa bolha e tudo ao redor tivesse desaparecido, como ela se sentiu quando estava no escritório dele na noite anterior, exceto que estava mais forte.

Os olhos de Oliver ficaram presos nos dela, seu coração batendo forte contra o peito. "Eu estou ouvindo", ele disse vagamente, não completamente certo do que ela ia falar, ou do que ele mesmo tinha acabado de dizer.

Chloe engoliu com dificuldade porque sua boca estava de repente seca e ela levou a mão até o rosto dele, uma pequena parte de seu cérebro que ainda estava funcionando tentando coordenar as palavras. "Você não pode afastar todo mundo."

Ele inclinou ao toque dela. "Eu não estou afastando você", ele murmurou, deslizando o braço ao redor da cintura dela.

A respiração dela ficou presa na garganta e ela sentiu uma onda de eletricidade correndo através de seu corpo quando a ação dele a fez se aproximar ainda mais. "Eu quero que você deixe eu te ajudar."

Oliver assentiu sem falar nada, seus rostos a poucos centímetros.

Ela manteve os olhos nele e se inclinou, virando a cabeça um pouco e pressionando os lábios em seu rosto. Estava longe do que ela queria fazer, mas era o máximo que ela podia se permitir naquele momento.

"Chloe", ele murmurou, fechando os olhos com força, o estômago dando um nó.

"Shh", ela sussurrou, passando os braços ao redor do pescoço dele e abraçando-o sem afastar o rosto.

Oliver ficou tenso por um momento, uma reação involuntária ao gesto que ele não estava acostumado. Mas depois de alguns segundos, ele lentamente passou o outro braço ao redor dela, sentindo algo entre a confusão e o desapontamento misturados.

Ela também estava longe de estar satisfeita, mas não podia deixar isso ir em frente, ele estava ferido e confuso e ela tinha uma chance dele se apoiar nela e ela estava, bem, ela estava uma bagunça e legalmente, ela ainda era casada. Então ela esfregou a mão nas costas dele numa tentativa de fazê-lo relaxar porque ela sabia que se ela se afastasse agora, as coisas poderiam tomar dois rumos; ou ela o faria se sentir rejeitado e machucar seus sentimentos e ele a afastaria, ou as coisas podiam ir mais adiante do que deveriam e eventualmente, ela teria que afastá-lo, o que o faria se sentir rejeitado do mesmo jeito.

Depois de um momento, ele relaxou um pouco e soltou o ar, fechando os olhos mais uma vez. Claramente ele tinha entendido tudo errado. Ela não estava interessada nele do jeito que ele imaginou e ele deveria saber disso. Ela era casada afinal. Uma parte de seu cérebro ainda era capaz de pensar se ele queria realmente ser o tipo de cara que destrói um casamento. E ele não gostou da resposta imediata que veio em sua mente.

Chloe suspirou profundamente quando o sentiu relaxar e começou a relaxar também. Ela jamais teria pensado em fazer isso com Oliver antes, ela jamais pensaria em dar conforto físico a ele, mas ele parecia tão ferido na maior parte do tempo, ela vinha querendo envolvê-lo em seus braços e confortá-lo há alguns dias e estava feliz pois parecia estar funcionando.

Ele respirou fundo e expirou devagar enquanto se afastava um momento depois. "Obrigado", ele murmurou.

Ela se afastou também e afastou os braços relutantemente, assentindo. "Você não precisa me agradecer."

"Aceite", ele disse, a voz um pouco rouca.

Um pequeno sorriso apareceu nos lábios dela e ela assentiu um pouco, olhando pra ele por um momento e então de volta para o hotel. "Deveríamos, hm, tentar dormir?" Não que ela achasse que ia conseguir dormir, ela se sentia calma, mas seu corpo estava bem longe disso.

Dormir. Certo. Talvez depois de um banho gelado, ele pensou, mas mesmo assim assentiu. "Sim. Boa ideia", ele falou baixinho, olhando de volta para o hotel também.

Chloe assentiu e começou a caminhar lentamente de volta ao hotel, ela tentaria tomar um banho gelado, mas duvidava que seria suficiente. "Que horas você quer partir amanhã?"

"A tarde está bom pra você?" ele perguntou baixinho.

"Sim", ela concordou, olhando pra ele. "Acha que podemos almoçar com os rapazes antes de ir embora?"

Oliver esfregou a mão na nuca. "Acho que sim."

Um pequeno sorriso apareceu em seus lábios e ela assentiu. "Eu vou mandar uma mensagem pra eles, avisá-los." Ela disse a ele parando para tirar a areia do pé quando pisou na calçada.

Ele estendeu a mão e a colocou no ombro dela para ajudá-la a se equilibrar, puramente por instinto.

Ela estava indo bem até ele tocá-la, então ela estendeu o braço para se apoiar no braço dele. "Obrigada."

"De nada", ele murmurou, observando-a atentamente.

Chloe se endireitou e assentiu, mantendo o olhar por um segundo antes de olhar pra longe, se eles entrassem naquele mesmo clima novamente, eles não conseguiriam evitar.

Oliver rapidamente a soltou, sua mão caindo ao longo do corpo quando ela olhou pra longe, a vergonha queimando em seu peito. "Te vejo de manhã", ele falou suavemente.

"Te vejo de manhã", ela falou baixinho, olhando pra ele novamente.

Ele assentiu e foi para o hotel, indo em direção às escadas e subindo os degraus dois de cada vez.

Ela respirou fundo enquanto o observava se afastar e foi para os elevadores, ela tinha a sensação que esse seria um longo processo.

***

Dois dias depois Clark se encontrava atravessando a sala de redação do Planeta Diário, um copo de café quente na mão enquanto ia até a mesa de Chloe. Ele colocou o copo na frente dela, um pequeno sorriso no rosto. "Ei."

Chloe piscou e levantou os olhos de seu computador, olhando primeiro para o copo e depois para Clark, ela estava surpresa em ver o pequeno sorriso no rosto dele, ela esperava um sermão a julgando e exigindo saber que diabos ela estava pensando quando abandonou Jimmy daquele jeito. "Ei", ela disse cautelosamente.

"Como você está?" ele perguntou, sentando-se na cadeira em frente a mesa dela.

"Ocupada", ela respondeu neutramente, observando-o cuidadosamente, meio esperando que ele pedisse que ela conversasse com Jimmy porque embora ela o visse na sala de redação, não tinha falado com ele desde a última briga. "Você?"

"Ocupado também", ele concordou com um leve aceno de cabeça.

"Aconteceu alguma coisa?" Chloe perguntou baixinho, erguendo um pouco as sobrancelhas.

"Eu não posso trazer café para uma velha amiga?" ele perguntou incerto.

"Pode", ela falou baixinho, pegando o copo e tomando um gole, nem perto de estar doce o suficiente, mas ela conseguiu não fazer uma careta. "Mas isso não é só sobre o copo de café, é Clark?"

Ele suspirou suavemente e olhou pra baixo por um momento. "Eu estou preocupado com você."

Ela já esperava. "Por que você está preocupado comigo?" Ela perguntou, erguendo as sobrancelhas.

Ele se mexeu desconfortavelmente e olhou pra ela mais uma vez. "Você sabe porque", ele falou suavemente.

Chloe suspirou e esfregou a têmpora. "Olha, Clark, eu agradeço sua preocupação", mesmo que ela realmente não precisasse. "Mas não é sobre você, isso é entre eu e ele."

Clark parou, olhando pra ela preocupado. "Eu sei que não é sobre mim. Mas ele está colocando você em situações perigosas, Chloe."

"Espera, o quê?" Chloe franziu a testa. "Você não está falando sobre o Jimmy?"

Ele franziu as sobrancelhas. "Eu estou falando sobre..." Ele se inclinou para a frente, abaixando a voz. "Oliver."

Ela travou a mandíbula imediatamente. Era uma coisa ele se meter em seu casamento já que Jimmy era seu melhor amigo, mas isso era ridículo. "Isso", ela falou firmemente, "é menos ainda da sua conta."

"Sua segurança é da minha conta", ele disse sem hesitar, estreitando os olhos.

"Quando é do seu interesse", ela falou. "Eu estou perfeitamente em segurança com a equipe."

Clark franziu a testa. "Não é no resto da equipe que eu tenho problemas em confiar."

Nesse momento, Oliver estava atravessando a sala, lendo um jornal que tinha na mão. "Chloe, eu recebi o artigo que você me mandou e acho que é realmente ótimo. Eu queria publicá-lo no--" Ele parou quando viu Clark sentado ali.

Chloe piscou e olhou para Oliver e em seguida para Clark. "Como eu disse, isso não é da sua conta", ela disse a ele baixinho mas sabia que Oliver conseguiria ouvir já que ele estava tão perto.

Ele hesitou por um momento, olhando de Chloe para Clark. "Desculpe. Eu não quis interromper."

"Tudo bem", ela o assegurou enquanto se levantava. "Clark já estava indo embora."

"Não, eu não estava", disse Clark, cruzando os braços sobre o peito. "Você tem que me ouvir, Chloe."

Oliver parou, olhando entre os dois mais uma vez e pousando seu olhar sobre Chloe silenciosamente, erguendo as sobrancelhas.

Ela travou a mandíbula e olhou para Oliver e de volta para Clark. "O que eu preciso ouvir, Clark? Que você não gosta das minhas decisões? Você não gosta das minhas decisões pelos últimos três anos, nada mudou."

"Tudo mudou desde o dia que ele voltou para a cidade." Clark olhou para Oliver com olhos acusatórios.

Ele respirou fundo e expirou lentamente. "Talvez eu devesse voltar outra hora."

"Não, Oliver, fica." Chloe disse a ele antes de se virar para Clark novamente, feliz que já fosse bem tarde do dia e a sala estivesse quase vazia. "Porque, sim, Clark, as coisas mudaram, pra mim, e pra melhor", ela disse a ele sem rodeios, não se importando com o que ele ia pensar. "E isso é graças a ele, mas para você, a não ser pelo nome do seu chefe, as coisas continuam do mesmo jeito, então eu não vejo porque você teria alguma preocupação com qualquer outra coisa."

"Porque ele leva problema onde vai, Chloe", ele disse rispidamente. "Ele é perigoso, e é perigoso ficar perto dele."

Chloe realmente riu nessa hora, mas era uma risada sem humor. "Você não pode estar falando sério, Clark. Ele leva problema onde vai? E você?"

Oliver olhou ao redor, então olhou de volta pra eles. "Eu acho que esse não é o melhor lugar pra ter essa discussão", ele falou baixinho.

"Você tem razão", Chloe disse, sua voz calma. "Esse não é o melhor lugar porque nós não vamos ter essa conversa de jeito nenhum."

Mas Clark não tinha terminado e estava ficando desesperado para que Chloe lhe desse ouvidos. "Bart quase morreu por causa dele, Chloe!"

À isso, Oliver ficou pálido, e ele deixou o arquivo na mesa de Chloe. "Conversamos sobre o artigo depois", ele disse, sua voz áspera enquanto se virava para sair.

"Oliver, espera", Chloe chamou, sua mandíbula travada quando começou a segui-lo mas parou e se virou para Clark. "Este é seu último aviso, fica fora disso, Clark, não me faça te lembrar de todas as vezes que eu quase morri por sua causa, ou Lois, ou quando todos nós quase morremos porque um dos seus tentou destruir nosso planeta. Melhor ainda, não me faça te lembrar de todas as pessoas que de fato morreram por sua causa", ela disse antes de passar por ele e seguir Oliver.

Ele subiu as escadas para sua sala, mas não se incomodou em fechar a porta porque sabia que ela viria atrás dele.

Chloe subiu as escadas, coisa que ela nunca havia feito, mas com suas pernas curtas e os saltos, ela não conseguiu alcançá-lo até que ele estivesse na sala, ela hesitou quando entrou e se virou para fechar a porta.

Ele soltou o ar, não se virando para olhar pra ela enquanto observava a cidade pela janela.

Ela respirou fundo e o observou silenciosamente por um momento. "Ollie..." ela falou baixinho. "Você não pode dar ouvidos a ele, você sabe como Clark é."

"Ele está certo", Oliver respondeu, travando a mandíbula.

"Não, ele não está. Não é culpa sua", ela falou. "Não importa o quanto você se culpe, não deixe ele te atingir."

Ele se virou para olhar pra ela. "Ele só está cuidando de você. Você deveria deixá-lo."

"Não, eu não deveria e sabe por quê? Porque ele não tinha nenhum interesse em 'cuidar de mim' até agora", ela disse.

Oliver balançou a cabeça. "Porque você não estava envolvida nessa vida há muito tempo, Chloe."

"Porque eu não tinha como estar envolvida, Oliver." Ela disse a ele, sua voz nervosa. "Será que interessa, pra qualquer um de vocês o que eu quero?"

Ele encolheu. "Se não interessasse, eu não teria pedido sua ajuda novamente, teria?"

Ela respirou fundo e passou as mãos no rosto por um momento, não era com ele que ela queria gritar. "Então me deixa te ajudar e pára de se importar com o que o Clark pensa porque ele claramente não se importa."

"Eu nunca disse que você não poderia ajudar." Sua voz ficou mais baixa e ele se sentou em sua cadeira com um suave suspiro.

"Eu sei que não", ela disse, observando-o, sua própria voz mais suave. "Então deixa eu fazer o que eu acho que é melhor pra mim."

Oliver olhou pra ela em silêncio por um longo momento. "E se você estiver errada?" ele sussurrou.

"Então o erro é meu", ela disse a ele, mantendo o olhar. "E eu já cometi erros maiores antes."

Ele fechou os olhos, expirando suavemente enquanto se endireitava na cadeira.

"Apenas... esquece o Clark. Ele só se preocupa com alguma coisa quando interessa pra ele", Chloe falou baixinho.

Ele olhou pra ela mais uma vez, assentindo levemente enquanto encontrava seus olhos. "Tudo bem."

Ela manteve o olhar. "Você quer conversar sobre o artigo depois?" Ela perguntou.

Oliver esfregou a nuca. "Sim", ele murmurou. "Se estiver tudo bem."

"Sim", ela olhou pra ele por mais um momento. "Só não fica pensando nele", ela disse antes de começar a ir para a porta.

"Mais fácil falar do que fazer quando parte da razão de eu ter voltado era tentar fazer as pazes", ele falou baixinho.

Ela sentiu o peito apertar e balançou a cabeça. "Ele afastou todos nós, com exceção do Jimmy, Ollie", ela disse se virando pra ele novamente. "Até Lois. Algumas pessoas não querem fazer as pazes."

Oliver olhou pra baixo mais uma vez. "Acho que você não pode fazer alguém te perdoar se ela não quiser."

"Ele não tem nada pra perdoar", ela disse firmemente.

"Não?" Ele olhou pra ela.

"Pelo que você acha que ele precisa te perdoar, Oliver? Por protegê-lo? Por fazer o que ele não conseguiu?" Ela perguntou, sua voz ainda mais firme que antes.

"Não", respondeu.

Ela franziu a testa. "Pelo que então?"

Oliver encontrou seus olhos. "Lex."

"Oh", seu estômago despencou um pouco e ela balançou a cabeça, olhando pra longe e de volta pra ele. "Eu não acho que isso seja possível, Ollie."

"É, eu sei", ele admitiu.

Chloe parou por um momento e foi para a mesa dele novamente. "A razão pela qual Clark e eu não temos conversado mais é porque fui eu quem matou Davis."

Ele parou, não realmente surpreso. "Foi legítima defesa", ele falou baixinho.

"Não faz diferença pra ele", Chloe disse a Oliver. "Como não faz diferença pra ele se o mundo é um lugar melhor porque Lex está morto."

"Se o mundo fosse realmente preto e branco como ele quer acreditar." Sua voz era suave.

"Mas nós dois sabemos que não é", ela disse, sua voz também suave dessa vez.

"Você está certa. Nós sabemos", ele concordou, encontrando os olhos dela.

Ela assentiu, respirando fundo. "E é por isso que o que ele pensa não interessa. Tem muita coisa sobre ele que nós não entendemos, mas também tem muita coisa sobre nós que ele não entende."

Um fraco e de certa forma triste sorriso tocou seus lábios. "Você é sempre a mais esperta."

Ela sorriu um pouco e assentiu, feliz que pelo menos, ela estava conseguindo atingi-lo. "Se isso vai fazer com que você me escute, eu concordo."

Ele sorriu um pouco mais. "Com certeza."

Chloe assentiu e em seguida manteve o olhar, sorrindo também. "Ok, já que estamos bem, eu realmente deveria voltar ao trabalho antes que meu editor comece a gritar comigo por causa da história que eu estou devendo a ele."

"Se seu editor gritar com você por isso, diga a ele que ele está sendo um idiota e eu garanto que ele vai se tocar."

Ela sorriu um pouco mais. "Vou lembrar disso."

"Ótimo."

Chloe olhou pra ele um momento a mais, e então saiu da sala, isso era um avanço.

____

_________________________________________________________________

7 comentários:

  1. Gente o que a descrição da parte do abraço que queria ser mais. PERFEITO.
    Vejo a cena claramente na minha cabeça.
    Essas autoras e essa fic são D+++
    Vilm@

    ResponderExcluir
  2. Ai, ai... idem Vilm@... eu já tava vendo o beijo e bam... ela beija o rosto dele...

    Chloe, nervos de aço...

    ResponderExcluir
  3. Como diz uma amiga minha:For the love of God, Chlooooeeee!!!

    Isso que é ter controle, minha nossa Senhora!!
    Tem que ter muito auto controle pra estar a milímetros de um beijo com o Ollie e trocar por um beijo na bochecha!!!Que orgulho!!Rs
    Mas adoro essa paciência que ela tem de entender e esperar o momento certo pra agir com ele, em relação ao que aconteceu no passado!!

    ResponderExcluir
  4. Mas esse Clark é um imbecil, mesmo!!!!!

    E o Ollie sempre se sentindo culpado... como ele está sofrendo nessa fic... tadinho... tomara que ele e a Chloe se entendam logo, assim ele vai sofrer menos...

    ResponderExcluir
  5. gente o clark pirou??

    o abraço foi liiiiiiiiiiiiiindo

    Lêh

    ResponderExcluir
  6. Ah, Lêh, esse abraço é o que há!!!! e o Clark, bem o Clark é o Clark... um imbecil...
    Sofia

    ResponderExcluir

Google Analytics Alternative