27.7.12

Ghost of a Shark (5/5)

TítuloGhost of a Shark
Nota: O título desta história foi inspirado em uma música de Tom McRae.
Resumo
: Baseado em Lazarus, começa um ano após a troca.
Autoras: chloeas e dl_greenarrow
Classificação: R

Gênero: Universo Alternativo
Anterior: Um - Dois - Três - Quatro




Demorou quase quinze minutos depois de Clark tê-lo colocado no chão pra ele se recuperar o suficiente do enjoo por causa do movimento e se levantar de novo. Ele tinha vomitado duas vezes. Maldição, ele odiava voar desse jeito. Mas se funcionou, valeu à pena. Ele fez uma pequena careta e viu a enorme casa na colina a alguns metros dele. Engolindo em seco, começou a ir na direção dela.

Mia estava jogando com um dos cinco controles do vídeo-game que tinha comprado quando viu alguém aproximando-se da casa, seus olhos arregalando quando percebeu que era Oliver, com um sorriso no rosto, ela foi até a porta da frente e a abriu. "Finalmente! Eu quase morri de tédio aqui sozinha esse tempo todo."

Ele sorriu pra ela, fechando a distância entre eles e puxando-a para um abraço. "Ei, Garota." Ele fechou os olhos.

Ela o abraçou de volta e então fez uma cara, afastando-se. "Por que você está cheirando a vômito?"

Uma curta risada o escapou. "Eu não gosto de voar sem um avião."

"Oh", Mia de ombros e acenou na direção da casa. "Você deveria tomar um banho, mas não antes de eu te mostrar tudo."

"Como você está?" ele perguntou, seguindo-a pra dentro da casa e olhando ao redor, olhos arregalando um pouco ao espaço. E ele estava acostumado a ter espaço.

"Bem, eu estive ocupada, como você pode ver, esse lugar é enorme, mas eu consegui deixar tudo arrumado há umas duas semanas, então ando só... descansando." Ela disso a ele. "Quando Chloe vai chegar?"

"Eu não tenho certeza", ele admitiu, ainda olhando ao redor. "O lugar está ótimo, Mia."

"Obrigada", ela disse e então deu de ombros. "Espere até você ver o barco!"

Ele se encolheu um pouco. "Eu não... gosto muito de barco."

"Oh, não seja mulherzinha, senão você vai ficar preso aqui", ela disse a ele.

Oliver revirou os olhos. "Ei, experimenta ficar presa numa ilha deserta por dois anos sozinha depois de um barco ser sequestrado e você vai ver como se sente em relação a eles."

"Chloe e eu estaremos aqui pra proteger você da próxima vez", Mia deu um risinho, levando-o pelo corredor a abrindo uma porta. "Ok, me diz o que você acha desse aqui."

Ele balançou um pouco a cabeça e a seguiu para dentro do quarto, seus olhos arregalando quando olhou ao redor. As paredes eram pintadas de um verde bem claro, e decoradas com um papel de parede de filhotes. Um enorme berço no centro do quarto, duas cadeiras de balanço perto da janela que dava vista para o oceano abaixo. "Você fez tudo isso?" Ele se virou para olhar pra ela.

"Bem... eles meio que já tinham o quarto montado, então eu comprei tudo que vinha junto, e achei que você ia gostar do verde", Mia deu de ombros. "Você acha que Chloe vai gostar?"

Ele sorriu suavemente pra ela. "Sim. Acho."

"Legal", Mia disse, sorrindo pra ele e então dando de ombros. "Sério, agora vai tomar banho, eu te mostro o resto depois.

"Estou cheirando tão mal assim, huh?"

"Sim", ela disse a ele. "E eu não sei se é o quarto, mas você ainda está meio verde."

Oliver fez uma careta. "Certo. Onde é o banheiro?"

"O seu quarto e da Chloe é o último no final do corredor, tem um banheiro lá", ela disse, apontando a direção.

Ele beijou o alto de sua cabeça enquanto passava. "Você foi ótima, Mia. Obrigado."

"Eu vou nadar!" Ela disse quando ele se afastou. "Me chame se não conseguir encontrar alguma coisa."

"Eu chamo", ele disse de volta, indo para o banheiro.

***

Chloe estava dirigindo há pelo menos duas horas e meia. Tess tinha lhe dito que Nova Iorque não era mais segura, então ela empacotou o mínimo e foi para Gisborne, Nova Zelândia, lá havia um carro em seu nome, ou bem, no nome de Anne Green, esperando no aeroporto e ela vinha seguindo as instruções de Tess desde então. Ela foi avisada que o caminho era longo e o lugar era remoto, mas era seguro.

Tess também mencionou que ela teria ajuda para se instalar, então não deveria temer quando visse que havia pessoas na casa.

Outra meia hora ou mais e Chloe se encontrou em uma estrada empoeirada, ela conseguiu ver só uma única casa a frente depois de alguns momentos, a casa estava escondida pelas colinas e quem passasse dirigindo na estrada não a veria de jeito nenhum, Chloe achou que isso era um bom sinal.

Ela parou na frente da casa e olhou pra ela por um longo momento, as luzes estavam acesas e havia uma grande caminhonete parada do lado de fora, então ela deduziu que Tess estava certa sobre alguém estar ali. Respirando fundo, ela pegou Emma cuidadosamente, por sorte ela dormiu a maior parte da viagem, e foi até a porta da frente. "Olá?" Ela chamou, seu coração batendo rápido.

Oliver tinha acabado de vestir uma calça jeans clara e uma camiseta preta quando ouviu o movimento na direção da porta da frente. A princípio ele achou que fosse Mia, mas então ouviu a voz.

O ar ficou preso em sua garganta, seu coração disparando enquanto ia até a porta. Ele a abriu lentamente, bebendo a visão dela parada ali.

Chloe paralisou e seus olhos arregalaram, seu coração pulando uma batida enquanto seus olhos caíam sobre ele. "Ollie?" Ela sussurrou, ajustando levemente a garotinha no colo.

"Oi", ele sussurrou de volta.

"O que -- o que você está fazendo aqui?" Ela perguntou, sua boca de repente seca.

Oliver engoliu com dificuldade, então estendeu uma mão pra ela. "Entra", ele murmurou, um pouco surpreso que ela não soubesse o que estava acontecendo.

Chloe olhou na direção do carro e então entrou. "Estamos em segurança?" Ela sussurrou, embora estivesse feliz em vê-lo, surpresas tendiam a incomodá-la ultimamente.

"Estamos", ele sussurrou de volta, fechando a porta atrás dela. "Achei que Tess tivesse contado o que estava acontecendo. Desculpe."

"Minha comunicação com Tess normalmente é breve", ela disse baixinho, olhando ao redor da casa, era enorme, espaçosa, com muitas janelas. "O que está acontecendo?"

Oliver engoliu em seco, de repente se perguntando se ela ficaria bem com tudo isso, e se ia ficar feliz. "Por que não sentamos?" ele sugeriu.

Chloe assentiu um pouco, o fato de ele não dizer imediatamente a deixando mais ansiosa, mas pelo menos, ele parecia calmo, e isso era levemente confortante. Ela sentou no enorme sofá que era parte de algum tipo de sala de entretenimento e olhou para Oliver, seus olhos ainda arregalados enquanto ajustava Emma nos braços para que ela estivesse deitada contra seu peito.

Ele olhou de Chloe para Emma, seu peito apertando. "Você tem acompanhado as notícias?" ele perguntou.

"Eu li sobre sua aposentadoria", seu peito apertou. "A prisão e a briga..."

"Foi tudo ensaiado", ele sussurrou.

"Eu esperava que fosse", ela admitiu, sabendo que ele não faria algo tão estúpido logo depois de descobrir sobre Emma.

"Foi ideia da Tess", ele disse, observando-a atentamente. "E também a explosão do avião." Ele prendeu a respiração.

A isso, Chloe arregalou os olhos. "Explosão do avião?" Ela arfou baixinho.

Ele assentiu. "Há pouco mais de uma hora."

Tudo que ela conseguiu fazer foi ficar olhando pra ele, uma explosão planejada, a aposentadoria dele, ele dizendo que não queria salvar as pessoas, que não se importava com as pessoas, dizendo que elas não mereciam ser salvas, ela sabia que Oliver jamais faria aquilo. E agora este lugar, esta casa no meio do nada, o lugar perfeito pra ele se esconder, seu coração estava acelerado, tudo fazia sentido mas ela tinha que ter certeza. "Oliver Queen se foi?" Ela perguntou baixinho, sua voz tremendo em antecipação enquanto mantinha os olhos no rosto dele.

Oliver encontrou seu olhar e assentiu mais uma vez. "Oliver Queen está morto", ele sussurrou. "Pra todo mundo, menos pra três pessoas que não estão aqui."

Seu coração batia tão rápido, ela sentia que ia explodir, procurando seus olhos, ela engoliu em seco. "Quem?"

"Tess. Clark." Ele parou. "E Lois. Ele não vai conseguir esconder dela."

O peito de Chloe apertou dolorosamente a menção de Clark e Lois. Eles sabiam que ela estava bem pelo menos, era tão difícil não pegar o telefone e poder falar com Lois. Seus olhos se encheram de lágrimas e ela assentiu. "Isso significa que você pode ficar com a gente?" Ela precisava ouvir as palavras porque nunca achou que isso seria possível.

"Se estiver tudo bem pra você." Ele engoliu, seu coração acelerando mais uma vez.

Ela balançou a cabeça, olhando pra ele e abraçando Emma com mais força, sua garganta tão apertada que ela não sabia se conseguiria falar. "Não existe nada que eu queira mais do que nós sendo uma família, Ollie." Ela sussurrou.

Os olhos de Oliver de repente estavam queimando com as lágrimas. "Eu também", ele sussurrou de volta, levantando-se.

Fungando, Chloe olhou pra cima quando ele se levantou e franziu a testa. "Onde você vai?"

Ele foi da cadeira até o lado dela no sofá, passando os braços ao redor dela e Emma cuidadosamente. "Bem aqui", ele sussurrou.

Chloe se inclinou contra ele instantaneamente e fechou os olhos, ajustando Emma e liberando um braço para passar ao redor dele, um sorriso surgindo em seus lábios. "Não acredito que você encontrou um jeito."

Ele beijou sua têmpora e então beijou a testa do bebê. "Tess encontrou", ele admitiu.

Ela virou a cabeça e beijou o rosto de Ollie. "Você deveria segurá-la", Chloe sussurrou.

Oliver assentiu rapidamente, seu peito apertado enquanto se mexia no sofá. "Por favor."

Chloe sorriu um pouco mais e abriu os olhos, ajustando o bebê e passando-a pra ele, seu próprio peito apertado ao saber que estava prestes a ver o momento com que vinha sonhando desde a gravidez.

Engolindo em seco, ele pegou o bebê cuidadosamente, aconchegando-a em seu peito. Ele olhou pra ela, uma expressão maravilhada no rosto. "Oi", ele sussurrou.

Prendendo a respiração, Chloe observou os dois por um longo momento antes de pegar o telefone dentro do bolso e tirar uma foto dos dois, caso alguma coisa acontecesse, ela queria sempre lembrar daquele olhar no rosto dele.

Lágrimas começaram a descer em seu rosto quando Emma abriu os olhos pra ele. Ela bocejou e sorriu, então fechou os olhos de novo. Ele deu um suave beijo em sua testa. "Eu sou seu pai", ele murmurou.

A visão dela estava embaçada enquanto tirava mais duas fotos antes de guardar o telefone de volta no bolso, incapaz de tirar os olhos deles. "Eu falei tanto de você pra ela."

Ele lentamente olhou pra ela. "Ela é perfeita, Chloe."

Chloe assentiu, lágrimas descendo por seu rosto. "Eu sei", ela sussurrou, correndo uma mão pelo cabelo dele, tinha que ter certeza que ele era real.

Oliver inclinou-se e beijou sua boca suavemente, fechando os olhos.

Ela se inclinou ao beijo e o retornou instantaneamente, passando o outro braço ao redor dele enquanto se aproximava, seu coração acelerado. Ele estava ali e ele ia ficar ali, com ela, com Emma. Agora ela podia contar a ele tudo que ele perdeu e ele ia vê-la crescendo como Chloe sempre desejou que ele pudesse... ele ia ter a família que Chloe sabia que ele desejava e a melhor parte de tudo era que estavam todos em segurança.

Depois de um longo momento, ele lentamente se afastou, roçando o nariz no dela. "Tem mais uma coisa que eu não te contei."

"O que é?" Ela perguntou baixinho, abrindo os olhos depois de um momento.

"Mia também está aqui."

"Ela está?" Chloe perguntou, surpresa enquanto olhava ao redor da casa, inclinando a cabeça para o lado.

"Ela foi nadar", ele disse com um leve aceno de cabeça, observando-a atentamente. "Espero que esteja tudo bem. Eu simplesmente... não podia deixá-la pra trás, Chloe."

Chloe franziu um pouco a testa e balançou a cabeça, virando-se para olhar pra ele. "Não, Ollie, está tudo bem", ela assegurou, segurando seu rosto.

Oliver sorriu, relaxando enquanto se inclinava ao toque. "Bom", ele sussurrou.

Ela olhou para Emma, que tinha aberto os olhos e estava olhando pra eles sonolenta, sorrindo. Chloe se inclinou e beijou o alto da cabeça de Emma. "Você vai acordar?"

Emma balbuciou e estendeu a mão até o rosto de Chloe, sorrindo pra ela.

Ele prendeu a respiração, observando Emma e mexendo-a cuidadosamente para devolvê-la a Chloe. "Acho que ela quer a mãe."

Chloe deu um beijo na palma da mão do bebê e a pegou, ajudando-a a se levantar em seu colo e virando-a levemente para que ela estivesse de frente pra ele. "Emma, esse é seu pai", ela disse, apontando pra ele.

Oliver se aproximou, sua lateral pressionada contra a dela e ele estendeu a mão, gentilmente segurando a mãozinha de Emma na sua. "Oi, Emma", ele sussurrou.

Emma olhou pra ele com grandes olhos castanhos e começou a sorrir, Chloe deu um beijo em sua têmpora e outro no ombro de Oliver, então os observou em silêncio.

Ele sorriu de volta pra ela, gentilmente fazendo cócegas em sua lateral, seus olhos arregalando quando ela deu risada. "Wow", ele sussurrou, parecendo maravilhado mais uma vez.

Chloe sorriu suavemente e assentiu, segurando Emma com mais força enquanto ela começava a pular em seu colo. "Ela gosta de cócegas."

"Deve ter puxado a mãe", ele murmurou, inclinando-se e beijando a orelha de Chloe.

Ela estremeceu levemente com o beijo e olhou pra ele, balançando a cabeça e dando um risinho. "Possivelmente", ela disse, observando-o, de repente não parecia que tinha ficado sem vê-lo por quase um ano e meio, de um jeito parecia muito mais tempo, mas do outro, parecia que nenhum tempo tinha se passado porque tudo nele ainda era tão familiar.

Ele prendeu a respiração e expirou lentamente, mantendo os olhos nela também. "Eu não terminei de olhar a casa, mas o quarto dela é lindo. Mia cuidou de toda a decoração", ele disse a ela.

Relutantemente, Chloe desviou os olhos dele para a casa. "Sério?" Ela perguntou. "Há quanto tempo ela está aqui?"

"Algumas semanas", ele admitiu, sorrindo enquanto Emma continuava pulando em seu colo.

"Vamos dar uma olhada ao redor, então?" Ela perguntou, olhando para Emma também e sorrindo quando Emma começou a balbuciar. Chloe deu um beijo em seu rosto e olhou para Oliver. "Acho que não vai demorar muito até ela dizer a primeira palavra."

"Ela ainda não disse?" Havia um tom esperançoso em sua voz.

"Não", Chloe disse a ele, sorrindo enquanto o observava. "Talvez seja papai ou algo perto disso?" Ela sugeriu.

Ele olhou pra ela de lado, sorrindo um pouco mas balançando a cabeça. "Ela não me conhece o suficiente pra isso", ele disse. "Deveria ser 'Mamãe'."

"Ela vai conhecer agora", Chloe disse, sorrindo. "Ela tem ouvido bastante sobre você", ela sussurrou, observando-o.

O peito de Oliver apertou a isso e ele engoliu em seco, assentindo e deslizando o braço ao redor dela, olhando para Emma mais uma vez.

Chloe se aproximou e beijou seu rosto suavemente, então sorriu quando viu Emma estendendo a mão até o rosto dele. "Ela não vai se lembrar de não conhecer você", Chloe sussurrou, seu peito apertado, mas desta vez, de felicidade.

"Você acha?" ele sussurrou, inclinando-se para que sua filha pudesse tocar seu rosto. Ele sorriu pra ela, seus olhos brilhando.

"Eu acho", Chloe disse, encostando a testa na têmpora dele e observando-os, então respirando fundo. "Obrigada, por fazer isso acontecer."

"Eu não posso realmente levar esse crédito", ele murmurou. "Mas eu nunca estive tão feliz em não ver ninguém antes."

Os olhos dela se encheram de lágrimas e ela assentiu, beijando seu rosto suavemente. "Nem eu."

"Eu te amo", ele sussurrou, roçando o nariz no dela e então beijando-a suavemente. "Vocês duas."

Chloe o beijou de volta e assentiu levemente. "Eu também te amo", ela disse. "E é claro que Emma também."

"Eu posso segurá-la de novo?" ele perguntou.

Seu rosto se suavizou e ela assentiu, sorrindo com um pouco de tristeza. "Você não tem que perguntar se pode segurar sua filha, Ollie", ela disse baixinho então se afastou um pouco, mexendo Emma em seus braços e olhando pra ela. "Quer dizer oi para seu pai? Dê um abração nele."

"Certo. Isso é tão... novo", ele sussurrou, assentindo enquanto pegava Emma dos braços mais uma vez. Emma sorriu pra ele, colocando as mãos em seu rosto e ele deu risada, levantando-se. "Quer ver sua casa nova?" ele perguntou com um suave sorriso.

Chloe sorriu e respirou fundo, assentindo enquanto se levantava. "Sim, vamos ver a casa."

Ele passou o outro braço ao redor de Chloe, beijando sua têmpora e levando-a até os diferentes quartos, sinceramente impressionado em como o lugar estava bonito. Mia tinha feito um ótimo trabalho. "O que você acha?" ele perguntou quando entraram no quarto principal alguns momentos depois.

"Este lugar é enorme..." Chloe sussurrou, olhando ao redor do quarto, então entrando, sorrindo ao ver a porta de vidro que levava à varanda, que ficava de frente para o oceano, "é maravilhoso."

"E tem muitos quartos extras." Ele ergueu um pouco as sobrancelhas, um sorriso puxando sua boca enquanto beijava a testa de Emma, balançando-a um pouco em seu colo.

Inclinando a cabeça, Chloe se virou pra ele, dando um risinho. "O que você está sugerindo com isso?"

"Oh, nada", ele disse inocentemente, sorrindo para Emma enquanto erguia as sobrancelhas.

Chloe balançou a cabeça e sorriu, observando Emma rir contente nos braços do pai. "Cuide dela por algumas semanas antes de decidir sobre isso, Sr. Queen."

"Com todo prazer", ele disse sem hesitar, olhando para Chloe mais uma vez.

Seu rosto se suavizou e ela aproximou-se, sorrindo pra ele. "Desde quando eu descobri que estava grávida, não importa o quanto eu estivesse com medo, eu sempre soube que você seria um pai maravilhoso."

"Sério?" Suas sobrancelhas franziram um pouco. Ele não conseguia lembrar de estar perto de Chloe e alguma criança ao mesmo tempo, então se perguntou de onde ela tirou tanta certeza.

"Sim", ela disse a ele, dando de ombros. "Eu simplesmente sabia."

"Bem, eu não tenho dúvida que você é uma mãe maravilhosa", ele disse baixinho, sorrindo suavemente enquanto Emma deitava a cabeça em seu ombro.

Chloe sorriu e deu de ombros. "Estamos aprendendo a lidar uma com a outra no caminho."

Ele deu risada, esfregando as costas do bebê.

Sorrindo um pouco enquanto o observava, Chloe deu um beijo nas costas do bebê e então olhou para Ollie, quando ele partiu para ativar aquele satélite, ela não estava pronta pra dizer a verdade sobre como se sentia e agora eram uma família e parecia tão certo.

"Bem-vinda ao lar, Chloe", ele sussurrou.

Ela prendeu a respiração e estendeu a mão até o rosto dele, assentindo. "Você também, Ollie", ela disse. "Finalmente somos uma família."

O peito dele aqueceu e ele assentiu, virando a cabeça e beijando a palma de sua mão. "Nós somos."

"Sim, nós somos", ela falou baixinho, sorrindo um pouco mais. "E agora vamos ficar bem." Porque por mais que tivesse tentado ser forte pelo bem de Emma, sempre teve dúvidas se conseguiria fazer tudo sozinha. Agora não tinha mais que se preocupar.

____________________________________________________________________________

14 comentários:

  1. Eu nem imaginava que seria surpresa para Chloe esse plano. Por um momento achei que ela fosse surtar.

    Comovente o Oliver pedir permissão para segurar a filha... Marcas da separação não é?

    A Mia tão cheia de boas intenções que quase me fez sentir culpa por não gostar dela. Quase. Não foi dessa vez. haha
    Agradecido pela autora não ter colocado ela no meio dos três durante o momento família. Ufa!
    **************

    Mudando de assunto acabei de ler uma fic com o pai da Chloe. Tá aí outro ser intragável. A simpatia que tenho pela Moíra nas fics é inversamente proporcional ao antipatia com Gabe haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado como pensamos muito parecidos. rs
      Me manda essa fic?Tb desgosto desse senhor.
      Manda pra mim lá pelo JC ;)

      Excluir
    2. Já deixei nos comentários de lá Roberta :)

      Volta e meia deparo com esse senhor quando estou procurando uma fic. rs

      Excluir
    3. Vinicius, eu também achei que Chloe soubesse, mas a Tess fez surpresa...

      Haha, pobre Mia... lol

      Excluir
  2. E obrigado por trazer essa fic Sofia ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, que bom que gostou... :D

      Excluir
  3. E viveram felizes para sempre! rs

    Mia decorando o quarto da Emma ¬¬
    Mas ok! Menos trabalho pra Chloe, mais tempo pra ela ficar com Ollie *-*
    Engraçado, mas consigo imaginar com mais facilidade Oliver com um bebê do que a Chloe =/
    Hum!

    Mas enfim!Adorei reler essa fic Sof. Ótima escolha.
    Adoro essas autoras!
    Muito obrigada!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, pois é, pelo menos pra alguma coisa a coitada serviu... lol

      Que bom que gostou, Roberta, agora sou eu que preciso ir lá me atualizar no Just Chlollie... :D

      Excluir
  4. Coitada da Chloe não participou de nada na decisão e ainda teve que engolir a Mia, afinal o que ela iria dizer não aff, fora este "PEQUENO" detalhe rs
    adorei a fic obrigada pela tradução.

    Alice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, pois é, não teve escolha... que bom que gostou, Alice. :D

      Excluir
  5. Ohhhhhhhhhhhhhhh, que lindo o reencontro deles no final!
    É, gente, ao menos a Mia apareceu pouco e não estragou nada. kkkkkkkkkkkkk
    E eu tive a mesma impressão do Vinícius; imaginei que a Chloe teria uma ideia mínima do que tava rolando a esse ponto...

    Muito boa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Ciça!!!! :D

      Excluir
  6. Que fofura, muito lindo o Oliver com o baby...
    Também achei comovente ele pedir permissão para segurar a Emma *-*
    E que maravilha que a Chloe não soube da explosão, ele teria surtado!

    Obrigada pela tradução, Sofia!

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi, né... tadinho... Verdade, ela teria surtado mesmo, ainda bem que Tess orquestrou tudo direitinho...

      GIL, eu é que agradeço sua visita e o carinho... :D

      Excluir

Google Analytics Alternative