11.7.12

As Time Goes By (3/11)

Especial: Aniversário
Resumo
: Esta fic é completamente Universo Alternativo, baseada na sétima temporada, exceto que Chloe e Oliver não se conheciam antes, ele ainda é o Arqueiro Verde, mas nunca se encontraram quando ele estava em Metrópolis.
Classificação: NC-17
Anteriores: Prólogo - Um - Dois



Havia se passado umas cinco horas quando Chloe se mexeu na cama acordando de um sono sem sonhos e suspirou profundamente, seu corpo parecia pesado, relaxado, mas se sentia desorientada e um pouco zonza. Lentamente, ela abriu os olhos, espreguiçando-se enquanto se virava de costas e olhava pra cima, apertando um pouco os olhos quando Clark entrou em foco, seus olhos azuis preocupados sobre ela, mas eles não eram os únicos. Sentiu outro par de olhos e virou levemente a cabeça para olhar pra ele, seu coração perdendo uma batida e se fazendo sentar, de repente muito acordada e seus olhos arregalados.

"Calma, Chloe, você está bem?" Clark perguntou, colocando uma mão em seu ombro.

Oliver olhou de volta pra ela, seus próprios olhos arregalados. "Oi", sussurrou.

"Oi", ela sussurrou de volta, procurando seu olhar silenciosamente.

"Você está bem?" Ele estendeu a mão hesitantemente e fechou os dedos ao redor dos dela.

"Sim", ela disse baixinho, segurando a mão dele e então finalmente quebrando o contato visual e olhando para seu uniforme, prendendo a respiração um pouco ao perceber que não tinha sonhado. "Você está?"

"Eu estou bem", ele disse, assentindo e correndo o polegar pelas costas de sua mão. "Eu não sei exatamente como, mas..." Ele olhou para o uniforme, manchado com sangue, então de volta pra ela. "Mas eu estou bem."

Ela sorriu a isso, seu rosto ficando um pouco vermelho. "Eu posso... explicar isso. Mais ou menos." Disse a ele.

"Chloe?" Clark franziu a testa, observando a troca entre os dois.

Oliver piscou algumas vezes, tendo esquecido completamente do outro homem sentado ali.

Chloe também tinha esquecido de Clark, relutantemente desviou o olhar de Oliver e respirou fundo, virando a cabeça levemente. "Está tudo bem", disse a Clark, "podemos confiar nele." Não tinha certeza de porque achava isso, mas achava.

Clark franziu ainda mais a testa, olhando desconfiado para Oliver. "Como você o conhece?" perguntou, balançando a cabeça.

"Nos conhecemos em Star City", ela sussurrou, olhando para Oliver. "Eu só não sabia que ele era o Arqueiro Verde."

Sem realmente pensar nisso, Oliver estendeu a mão e tirou o cabelo dela do rosto, seus dedos roçando levemente sua pele.

Chloe olhou pra ele de novo e prendeu a respiração. "Precisamos... conversar." Disse baixinho.

Ele assentiu, mantendo os olhos no rosto dela. "Precisamos. Você está se sentindo bem suficiente pra isso?" Havia preocupação em sua voz.

"Eu estou bem", ela prometeu.

Clark se mexeu na cama e se levantou. "Eu não acho que você deveria conversar com ele até termos certeza do que ele está fazendo."

Oliver olhou pra ele. "Eu sinto a mesma coisa em relação a você", disse distraidamente. "Mas não é com você que eu quero conversar."

"Está tudo bem, Clark." Ela disse a ele, respirando fundo. "Converso com você depois e explico tudo", ou uma parte, enfim, não queria pensar nos olhares de julgamento que apareceriam no rosto de Clark se soubesse como tinha conhecido Oliver. "Vou ficar bem com ele."

"Como você pode ter certeza?" ele sussurrou, franzindo a testa para Oliver.

"Simplesmente tenho", disse com firmeza. "Confia em mim?" Chloe perguntou baixinho, sua mão ainda na de Oliver.

Clark hesitou. "Não estarei longe", disse a ela, olhando desconfiado para Oliver antes de ir para a porta.

Chloe o observou sair e esperou até a porta se fechar antes de respirar fundo e concentrar sua atenção em Oliver novamente, mas sem dizer nada desta vez.

Oliver olhou pra ela atentamente, levando a mão dela até sua boca e beijando seus dedos silenciosamente.

Ela apertou a mão dele e expirou lentamente, inclinando-se um pouco. "Não acredito que você está aqui... e que é ele."

"Eu queria te encontrar", ele sussurrou. "Só... não sabia como."

Seu peito apertou e ela olhou pra baixo. "Sinto muito ter ido embora daquele jeito", sussurrou culpada. "Não sei o que aconteceu, ainda não sei o que aconteceu, e então descobri quem você era... eu não sabia se você ia querer me ver novamente."

Oliver se encolheu a isso. "Eu também não sei o que aconteceu, mas não consigo parar de pensar em você", admitiu, encontrando seus olhos.

Seu coração pulou uma batida às palavras dele e se sentou um pouco mais, assentindo. "Eu também não, fico sonhando com você."

Ele se aproximou, levando a mão livre até o rosto dela.

Ela levou a outra mão até o rosto dele e manteve o olhar, procurando seus olhos.

Ele se inclinou, roçando o nariz levemente contra o dela e pressionando um suave beijo no canto de sua boca enquanto fechava os olhos.

Chloe fez um barulho baixinho enquanto virava a cabeça e pressionava os lábios levemente na boca dele, apertando as mãos dele nas suas.

O coração de Oliver começou a bater mais rápido contra o peito enquanto a beijava de volta. "Wow", murmurou depois de um momento, descansando a testa contra a dela.

Ela sorriu um pouco, tomando um momento antes de abrir os olhos lentamente. "E eu não estou sonhando desta vez?"

"Não, a não ser que estejamos tendo o mesmo sonho", ele disse baixinho.

"Espero que não seja esse o caso", ela disse, levando uma mão até o rosto dele.

Ele prendeu a respiração e expirou devagar, virando a cabeça e beijando sua palma. "Isso não é normal, é?"

"Não", ela sussurrou, tocando seu lábio inferior com o polegar. "Eu mal te conheço, mas--" ela parou, "sinto como se te conhecesse melhor do que conheço qualquer outra pessoa."

Oliver beijou seu polegar, encontrando seus olhos mais uma vez. "O que aconteceu?" ele perguntou baixinho. "Como você me curou?"

Ela respirou fundo e apertou os lábios. "Eu tenho um poder, meio que sou mutante." Disse baixinho, incerta de como falar já que nunca contou a ninguém além de Clark e não achava que as palavras 'infectada por meteoro' fossem significar muito pra ele.

"Você não é uma mutante", ele disse, estreitando um pouco os olhos. "Não é nada perto disso."

Piscando, ela ergueu as sobrancelhas, surpresa pela reação dele. "Eu-- sou..." disse baixinho, "eu tenho essa infecção única de um tipo de pedras de meteoro que existem aqui no Kansas e curar é meu poder."

"Isso não faz de você uma mutante", ele respondeu, mal reagindo às notícias. Ele beijou a palma de sua mão novamente. "Muitas pessoas têm dons especiais."

Chloe se endireitou e olhou pra ele por um momento. "Você conhece outros?" Sussurrou, surpresa.

Oliver manteve os olhos nos dela e assentiu sem falar nada.

"Oh", ela expirou e olhou pra baixo, para suas mãos unidas e então de volta pra ele. "E isso não te incomoda?"

Oliver deu um sorriso, mas era fraco. "Eu sou um cara de mente aberta."

Chloe sorriu um pouco mais e assentiu, inclinando-se e beijando seu rosto suavemente sem pensar no que estava fazendo, então parou e se afastou um pouco quando uma pergunta surgiu. "Você tem algum poder?"

Ele balançou a cabeça. "Não", disse apenas.

Ela assentiu um pouco e respirou fundo. "Então eu não entendo porque as coisas estão sendo desse jeito."

Ele franziu um pouco as sobrancelhas. "O que você está querendo dizer?" perguntou, estudando-a com preocupação.

Chloe respirou fundo e balançou um pouco a cabeça. "Minha mãe... ela tinha um poder e pode me controlar. Ela pode me obrigar a fazer coisas e eu não tenho escolha a não ser fazer o que ela diz e eu achei que talvesse tivesse algo a ver com isso em relação a você..." Admitiu baixinho, "quando saí da sua casa, era como se eu estivesse saindo de um sonho muito vívido."

Oliver parou. "Você achou que sua mãe estivesse nos controlando?" ele perguntou, tentando entender.

"Não", ela respirou fundo. "Achei que você tivesse um poder similar, algo que me fizesse querer estar com você o quanto quero."

Ele arregalou os olhos a isso. "Oh."

"Mas se você também está sentindo a mesma coisa..." ela disse, balançando a cabeça.

Ele deslizou os dedos entre os dela. "Eu não sei o que é", disse. "Mas eu sinto."

Chloe apertou a mão dele, então assentiu um pouco. "Precisamos descobrir o que é isso", disse baixinho. "Coisas que não são normais, geralmente não são... coisas boas."

"Não sei se concordo com você nessa, Chloe", disse a ela com um sorriso puxando sua boca.

"Você não sabe nada além do meu primeiro nome", ela disse, seu estômago apertado. "Como pode ter tanta certeza?" Mesmo enquanto perguntava, sabia que se ele não tivesse uma boa resposta, não importaria.

Oliver encontrou seus olhos. "Eu uso couro verde e pulo de telhado em telhado. Isso não é exatamente normal." Seus olhos brilhavam. "Não significa que seja ruim."

Chloe considerou a resposta por um momento, então sorriu um pouco e assentiu, respirando fundo e balançando a cabeça. "Eu fui para Star City tentar descobrir quem você era e nem percebi que tinha conseguido."

Suas sobrancelhas franziram. "Você estava procurando pelo Arqueiro Verde?"

Ela respirou fundo e assentiu lentamente. "Estamos procurando desde que você apareceu em Metrópolis pela primeira vez."

"Porque aquele Clark é o Borrão Vermelho e Azul?" perguntou.

Assentindo um pouco, ela deu de ombros. "Ele não concorda com seu estilo Robin Hood e não acha que você seja uma boa pessoa", Chloe mordeu o lábio inferior. "Eu estava determinada a provar que ele estava errado."

Oliver também deu de ombros. "Eu não preciso da aprovação dele."

Chloe não pôde deixar de sorrir. "Fico feliz ue ele tenha te trazido pra cá ao invés de um hospital."

"Eu também... o que aconteceu com você?" ele perguntou, sua voz baixa.

"É um efeito colateral do meu poder", ela disse, dando de ombros. "O melhor que posso entender é que quando eu curo alguém, eu transfiro minha energia pra ela e recebo seu ferimento em troca, e então eu preciso dormir pra recarregar e me curar, mas quando é muito sério, posso parecer morta por algumas horas, sem pulso ou outros sinais vitais, mas sempre volto." Ou tinha voltado as três vezes em que isso aconteceu.

Ele respirou fundo. "Recebe o ferimento?" repetiu, seus olhos arregalando.

"Não fisicamente", ela disse. "Eu não fiquei com um ferimento a bala no peito quando te curei, mas a área onde a pessoa está ferida dói em mim também, só que não com a mesma intensidade."

Seu peito ainda estava apertado enquanto olhava pra ela por um momento. "Então quando me curou..."

"Meio que doeu", ela disse, então franziu a testa. "Mas não tanto quanto doeria normalmente."

"Não tanto quanto doeria normalmente quando você cura alguém?" Ele também franziu a testa.

"Sim", ela concordou. "Foi como se eu não estivesse completamente acordada..."

Oliver parou um momento. "Eu tenho um médico na minha equipe. Seu nome é Emil Hamilton." Ele olhou pra ela. "Você estaria aberta a possibilidade de vê-lo?

Chloe piscou algumas vezes. "Pra quê?"

"Pra garantir que está tudo bem com você, pra começar. Ele sabe bastante coisa sobre infectados por meteoro e meta-humanos."

"Oh", ela olhou pra baixo e engoliu em seco, por mais que confiasse em Oliver, a ideia de alguém fazendo testes a assustava, e não queria acabar num laboratório do Lex novamente. "Vou pensar", sussurrou.

Oliver assentiu. "Sem pressão", disse suavemente, observando-a.

Apertando os lábios, ela assentiu um pouco e então olhou pra ele . "Eu tive péssimas experiências com médicos e coisas assim", mais uma vez, estava falando antes que pudesse se impedir, abrindo-se com ele sem ele nem perguntar nada.

"Que tipos de experiências?" ele perguntou preocupado.

"Lex Luthor", ela disse. "Ele tem muito interesse em pessoas com habilidades..."

Ao nome, Oliver paralisou, estreitando os olhos. "Eu sei tudo sobre Lex Luthor e seu interesse em meta-humanos " Sua mandíbula travou. "Você está me dizendo que ele te colocou em dos laboratórios dele?"

Apertando os lábios, Chloe assentiu, erguendo as sobrancelhas curiosamente. "Você ouviu falar dos laboratórios dele, então?"

Ele ficou em silêncio por um momento. "Alguns meses atrás, aquela explosão nos limites da cidade. Você ouviu falar?"

"O 33.1?" Seus olhos arregalaram ainda mais. "Bem, é como chamamos os laboratórios de pesquisa sobre infectados por meteoros do Lex, mas sim, claro que ouvi."

Oliver olhou pra ela silenciosamente, apenas assentindo.

"Você estava por trás?" Ela perguntou, sentindo seu desejo por ele se multiplicar por mil.

"Alguns de nós estava", ele disse. "Ele pegou um dos meus amigos, o torturou." Sua mandíbula travou. "Conseguimos resgatá-lo, tiramos todo mundo, e mandamos ao Lex uma mensagem."

Ela não pôde deixar de sorrir. "Se havia alguma dúvida de que você era um cara bom, isso deve servir."

"O que ele fez com você?" ele perguntou.

"Eu não sei exatamente", ela admitiu, então respirou fundo. "Ele estava raptando infectados por meteoros e fazendo testes, mas assim que você é raptado, só acorda no dia seguinte com uma forte dor de cabeça e sem nenhuma lembrança da noite anterior ou de como chegou em casa."

Oliver se encolheu a isso, estendendo a mão até o rosto dela mais uma vez, inclinando-se e beijando sua testa. "Há quanto tempo?" ele sussurrou.

"Um ano mais ou menos", ela disse baixinho, inclinando-se ao toque instantaneamente.

"Sinto muito", ele murmurou, aproximando-se mais, normalmente ela não era tão física com alguém que mal conhecia, mas com ele, como tudo mais, era diferente.

Ele não era assim tão físico, ponto final. Mas tudo nela parecia diferente. Ele descansou o queixo em sua cabeça, fechando os olhos enquanto a segurava. "Eu vou acabar com os planos dele", disse baixinho.

Chloe parou a isso, refletindo por um momento antes de olhar pra ele. "Posso ajudar?"

Ele também parou, olhando pra ela. "Sim?"

"Sim", ela respirou fundo. "Venho fazendo o possível para ajudar Clark com o que ele faz, mas ele se concentra nos crimes menores, normalmente", ou maiores do que o tipo de crimes deste mundo, mas isso seria assunto para outra conversa. "Não do tipo Lex."

"Nós tentamos fazer os dois", ele disse. "Há quanto tempo você vem ajudando Clark?"

"Há uns dois anos e meio, desde que descobri sobre as habilidades dele", ela admitiu, correndo os dedos pelo braço dele sem realmente pensar, era tão fácil conversar com ele sobre coisas que sempre guardou pra si mesma.

Ele correu os dedos pela espinha dela gentilmente. "Muito tempo", murmurou.

Chloe estremeceu um pouco e assentiu. "Parece que faz mais tempo do que isso." Admitiu.

Seu estômago apertou quando ela estremeceu e ele deu um beijo contra seu ouvido. "Aposto que sim."

Ela prendeu a respiração e olhou pra ele por um momento. "Você quer se trocar?" De jeito nenhum aquele uniforme podia ser confortável.

Oliver olhou para o uniforme, parando por um momento. "Eu não tenho roupa pra trocar a não ser que eu volte para a Torre do Relógio."

"Clark trouxe algumas roupas pra você", ela disse, hesitando por um momento antes de se afastar um pouco. "Quando ele te trouxe achou que teria que te levar para um Pronto-Socorro."

"Oh." Ele olhou pra ela, assentindo um pouco. "Acho que esse aqui vai para a lavagem a seco." Ele olhou para seu uniforme mais uma vez.

Ela ergueu as sobrancelhas, com um pouco de diversão. "Como você pode mandar isso pra lavanderia? E eu acho que você vai precisar de outro, porque esse aí tem um buraco."

"Isso foi... uma piada, na verdade." Ele deu um sorriso tímido. "Eu tenho mais em Star City"

"Ah bom, eu estava me perguntando quanto mais você ia ter que pagar pelo silêncio dos funcionários", ela disse, sorrindo e então levantando-se.

Ele deu risada, observando-a enquanto se levantava também. "Eu tremo só em pensar."

"Bem, pelo menos você tem condições de pagar", ela sorriu então parou enquanto olhava pra si mesma e percebia que sua blusa estava coberta de sangue. "Acho melhor eu me trocar também..."

O olhar de Oliver correu a blusa dela e ele fez um careta. "É, acho que é uma boa ideia."

Ela assentiu um pouco e puxou a blusa, então virou-se e foi para a sala, pegando as roupas que Clark tinha deixado no chão. "Espero que não se importe em usar xadrez."

Ele a observou sair, seguindo-a de perto. "Não seria minha escolha normal, mas serve", murmurou.

Quando ela se virou, roupas na mão, não esperava que ele estivesse tão perto, então trombou com ele. "Oh, desculpa."

Instintivamente ele passou os braços ao redor da cintura dela para impedi-la de cair, olhos escurecendo um pouco. "Tudo bem", murmurou.

Ela sentiu o ar ficar preso na garganta e se inclinou, colocando a mão no braço dele. "Obrigada por me segurar."

Oliver olhou pra mão dela e então de volta para seu rosto mais uma vez. Um suave gemido lhe escapando e inclinou-se, beijando-a se hesitação.

Chloe retornou o beijo instantaneamente, deixando as roupas caírem no chão e passando os braços ao redor do pescoço dele enquanto se pressionava contra ele, seu corpo inteiro pegando fogo mais uma vez, assim como na primeira vez que ele a beijou.

Ele a tirou do chão, pressionando-a contra a parede enquanto aprofundava o beijo, seu coração martelando contra o peito.

"Ai meu Deus!" Lois exclamou, seus olhos arregalados enquanto olhava para os dois da agora aberta porta da frente.

______
Quatro

_______________________________________________________________________

4 comentários:

  1. Looooiiiiiis!!! Que todos os raios caiam sobre a sua cabeça... Tinha que ser ela, né?... >=[

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, tinha que ser ela!!!!! :D

      Excluir
  2. A fofurice desse capítulo escorreu pela tela do note aqui... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Tô adorando muito!
    E a entrada da Lois é bem característica, né? Mas nem dá pra gente se chatear com ela... *_*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não dá não, a Lois na versão da chloeas e da angie é daquelas que não irritam, o que é raro... Que bom que está gostando Ciça, daqui a pouco sai o próximo... :D

      Excluir

Google Analytics Alternative