5.4.12

Resonance (3/5)

Série: The Five Senses (Os Cinco Sentidos)
Título: Ressonância
Resumo: Chloe tinha mudado o jeito que ele ouvia as coisas.
Autora: fickery
Classificação: R
Linha de tempo: Warrior
Histórias anteriores: Scent of a Man - Delicious




Ele sentia falta da voz dela em seu ouvido nas noites em que patrulhava.

Sentia falta da companhia e conhecimento que ele tinha se a situação se complicasse, mas mais do que tudo ele sentia falta de imaginá-la sentada na Watchtower o monitorando, o calor da conexão entre eles e de saber que compartilhavam o propósito de uma missão.

Ele passava tanto tempo a ouvindo – via comunicador, rádio, telefone e pessoalmente – que tinha se tornado um expert em sua voz, compilando um catálogo interno de todos os jeitos diferentes que ela soava. Quando ela estava feliz ou o provocando subia um tom ou dois e ele podia ouvir o sorriso por trás. Quando ela estava numa missão – concentrada, seu discurso era acelerado e ficava um pouco mais seco, seu enunciado mais pronunciado. Quando estava magoada ou triste seu vocabulário antes prolífico ficava monossilábico, o volume mal um sussurro enquanto se desanimava.

Esse tipo de familiaridade provavelmente não era incomum para a maioria dos casais, mas era novo pra ele. Não sentia orgulho por ter desligado o som com as mulheres com quem tinha saído antes, satisfeito em deixa-las falar contanto que não esperassem qualquer participação dele além do ocasional ‘Aham’, ou ‘Oh, é mesmo? Que interessante.’

Obviamente era culpa sua escolher mulheres mais por suas qualidades ornamentais ou conexões sociais do que por ter algo em comum com elas. Mas as coisas eram diferentes com Chloe. Toda vez que ela abria a boca, ele era todo ouvidos, fascinado e atento. Mesmo que ela estivesse discordando dele ou lhe dando más notícias, ele nunca ficava tentado a desligá-la, jamais.

Claro, a hora que mais gostava de ouvi-la era durante o sexo. Ou nas preliminares. Ou em qualquer momento que ele a tocava e arrancava uma resposta, fosse ao beijar seu pescoço ou ao deslizar a mão sob sua blusa. Ele amava o jeito que ela respirava fundo quando ele começava a acariciá-la levemente, às vezes um arfar agudo e outras vezes uma tomada de ar longa e trêmula. O pequeno som de gemido que ela fazia quando ele começava a beijá-la seriamente, bem antes de ela se pressionar contra ele e erguer o rosto até o dele. O suave cantarolar quando se moviam um contra o outro, pele sobre pele. O jeito que ela prendia a respiração, que seus olhos se prendiam aos dele, quando ele a penetrava e então ela expirava lentamente de prazer. Os pequenos gemidos quando ele começava a se mover dentro dela e ela começava a bater os quadris contra ele. As coisas deliciosamente indecentes que ela sussurrava contra sua boca, seu ouvido, as palavras ficando mais eróticas ao virem daqueles lábios suaves e rosados de boa-garota. E os choramingos desesperados quando ele a fazia gozar, pedindo, implorando, o mandando se mover mais rápido.

Não era como se ele nunca tivesse prestado atenção às respostas verbais de uma mulher durante o sexo antes – ele nunca foi um amante qualquer. Mas nunca tinha se importado tanto, trabalhado tão duro pra conseguir essas reações, ficado tão excitado por elas antes como acontecia com Chloe.

A essa altura ele tinha certeza que só a voz dela o excitava mais do que se visse qualquer outra mulher nua. Era um... caso desconcertante.

Chloe o fazia ouvir um monte de coisas de um jeito diferente. Esses dias o barulho do leite fervendo em uma cafeteria o fazia lembrar dela. Do mesmo jeito o quebrar do jornal sendo aberto. Ele ficava alerta em antecipação quando estava em uma missão e ouvia o som do comunicador sendo ligado, sinalizando que ela estava prestes a falar. Seu coração acelerava quando sabia que ela estava chegando e ele ouvia o som do elevador ascendendo até seu apartamento.

E nem sob tortura ele admitiria isso, mas ultimamente ele estava até ouvindo música de um jeito diferente. Qualquer canção popular o fazia lembrar de Chloe, parecia ser sobre eles e todas as letras de repente pareciam carregar um Significado Profundo.

...Então, sim. Ele tinha se tornado o maior clichê respirante do mundo.

Ele deu um tapinha em seu comunicador. "Arqueiro para Torre. Tem alguma novidade pra mim?"

"Câmeras e scanners estão em silêncio. Acho que você conseguiu limpar as ruas malvadas de Metrópolis", sua voz animada respondeu. "Por esta noite, pelo menos."

"Sério? Acho que posso ir pra casa então", ele sugeriu.

A voz dela assumiu um tom sedutor com o qual ele era muito familiar. "Pode sim. Na verdade, você trabalhou tanto esta noite que acho que merece uma longa e profunda massagem."

Um sorriso involuntário ergueu o canto de sua boca. "Sério? Isso parece ótimo. Mas você também trabalhou muito esta noite. O que você ganha?"

Ele ouviu uma pequena risada do lado dela que de repente o fez perceber o quanto sua calça estava apertada. "Oh, eu tenho certeza que quando você chegar aqui, eu já terei pensado em alguma coisa", ela ronronou. E acrescentou num sussurro, "Rápido."

Não só Chloe Sullivan sabia como provocá-lo, mas de algum jeito tinha encontrado novas formas que só ela conhecia de como fazer isso. Ele pensou nela sentada em suas costas, suas mãos suaves sobre ele enquanto se inclinava e murmurava sugestivamente em seu ouvido, a respiração quente em sua pele, os seios nus pressionados contra ele, e quase gemeu em voz alta com a visão.

"Estou indo." E ele tinha toda a intenção de quebrar alguns recordes de velocidade fazendo isso. E possivelmente uma ou duas leis da física."

É, então não, não era como se ele fosse um completo frouxo quando o assunto era ela, nem nada disso. Afinal, em ordem de conseguir que ele fizesse tudo que ela queria - qualquer coisa - primeiro ela tinha que colocar os lábios em seu ouvido e pedir.

______________________
Próxima: The Way You Do


__________________________________________________________________

12 comentários:

  1. "É, então não, não era como se ele fosse um completo frouxo quando o assunto era ela, nem nada disse" kkkkkkkkkk sei cara..."

    "Afinal, em ordem de conseguir que ele fizesse tudo o que ela queria - qualquer coisa - ..." Pobre Oliver! Mulheres são impossíveis kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha... e ele ainda acha que está no comando, né? Bobinho...

      :D

      Excluir
  2. "Oh, eu tenho certeza que quando você chegar aqui, eu já terei pensado em alguma coisa", ela ronronou. E acrescentou num sussurro, "Rápido."

    adoooooooooooooro essa Chloe 'má'... huahauhauahauhauaha
    E essa história, pra mim, foi a mais sexy até agora. *se abanando*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro, essa Chloe indecente deixa o Oliver maluco, né, Ciça? rs... Sim, acho que é a mais sexy até o momento... Se abana aí, rs...

      Excluir
  3. Meu Deus!!!!!! Alguém me abana... sério... que capitulo foi esse????? Sem dúvida, o mais sensual até agora... adorei!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Série maravilhosa e essa história em particular... perfeita!!!!!

    Maria Eduarda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Maria Eduarda... :D

      Excluir
  5. Eu amoooooooooo essa série.

    Cara. Pra quem acompanhou Smallville desde o começo sabe a diferença que cada temporada fez para Chloe, mas nenhuma fez tanta quanto a nona. Ela mudou muito. Ali ela virou realmente uma mulher.
    Ainda mais quando estava com Oliver. E uma dessas mudanças é a voz dela.
    Reparem.
    Efeito Ollie *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Roberta... bem lembrado... uma mudança sutil mas que faz toda diferença... como você disse, efeito Ollie... :D

      Excluir
  6. Wow!!!! Adoreeiiiii!!!

    Verdade pura Roberta...

    GIL

    ResponderExcluir

Google Analytics Alternative