5.11.10

Within Enemy Lines (1/11)

Título: Dentro das Linhas Inimigas
Resumo: Oliver se junta ao Esquadrão Suicida para salvar Chloe.
Autora: tennysonslady
Classificação: PG-13
Nota da Autora: Cada parte será contada de um ponto de vista. Esta será do ponto de vista de Oliver. A parte 2, da Chloe. Então será alternado.




A missão era simples.

Pelo menos para Oliver Queen, a tarefa era bastante simples. Ele vestiu seu uniforme de Arqueiro Verde e colocou seu óculos de visão noturna. O zumbido constante da poderosa máquina sob ele o confortou enquanto virava para a estrada irregular. Não havia carros na estrada, e a voz da mulher em seu ouvido, através do comunicador era familiar.

Não significava que era o que ele queria. Não. Tess fazia um trabalho passável tomando conta das operações da Watchtower, mas nem mesmo se ela salvasse cada um dos membros da Liga sozinha, Oliver a consideraria uma substituta satisfatória para Chloe. Ninguém podia substituir Chloe.

E iria começar - essa missão que Oliver considerava a mais importante em que já esteve. Era uma missão que poderia destruir a equipe, colocar um contra o outro. Foi a primeira e única vez que ele usou o informal poder de sua liderança e vetou a decisão do grupo. Ele não estava orgulhoso do jeito que tinha intimidado a equipe, mas as circunstâncias eram atenuantes. Se ele tivesse sucesso, então a tensão na Watchtower seria esquecida.

"Mais uma hora nessa estrada", Tess disse em seu ouvido. "Até as colinas."

Oliver não respondeu.

"Quando você chegar no túnel daqui a dois minutos, você terá que cortar a comunicação, Archer*." Oliver lutou contra o desejo de pedir que Tess não usasse esse codinome. Chloe havia dito tão carinhosamente antes. Mas ele controlou seu temperamento porque sabia que Tess seria a última pessoa a ouví-lo nesse mundo. Pelo menos por um tempo. "Então você estará por conta própria."

Na semana anterior, Victor e Bart haviam retornado de uma missão simples na Coréia do Sul, onde tinham que recuperar um vídeo que provava a existência dos super soldados. A missão tinha sido um fiasco, quase. Quando chegaram, a casa onde estariam armazenadas as evidências foi invadida.

Super soldados que pulavam dois metros sem dificuldade, que nadavam vinte e quatro horas sem se cansar, que aguentavam quatro ou cinco pentes de munição sem derramar uma gota de sangue.

E haviam sido batidos por outra unidade de operações secretas.

Uma coisa que eles trouxeram pra casa, mesmo que por acidente, era o capuz sujo que pertencia a Bart, manchado de sangue quando ele escorregou em uma poça no chão. Teria ido direto para a máquina de lavar se Tess não tivesse estudado as gravações que Victor havia feito da missão. Ela estudou a cena, e pediu o capuz.

"Se você quer saber quem nos impediu de pegar os vídeos, podemos analisar o sangue."

Todos estranhos, eles descobriram, exceto um.

"Archer", Tess disse em seu comunicador. "Nessa missão é só você e eu." Oliver travou a mandíbula. Ele ia esquecer a loucura que explodiu nele quando descobriu que a instalação na Coréia do Sul tinha vestígios do sangue de Chloe. Claramente, Tess não o deixaria esquecer tão facilmente. "Eu sei que você sabe, mas nesse momento você está sendo controlado pela emoção. E no seu lugar, eu faria o mesmo."

Ele não ia ficar simplesmente esperando as coisas acontecerem. O sangue de Chloe estava num lugar onde obviamente trabalhava o Esquadrão Suicida. Rick Flag só tinha tentado tirá-lo do caminho, e agora ele ia se certificar que ninguém mudasse seu único destino, seu único acerto.

Confiança. Foi isso o que Clark pediu. Ele pediu que Oliver confiasse em Chloe, que ela estava numa missão própria e que ela pediria ajuda se precisasse. Seu argumento foi convincente, com toda sua retórica sobre destino e amizade. Ele foi idealista o bastante para ganhar o apoio de Canário, que se disse orgulhosa de sua capacidade de realizar missões individuais.

Mas havia uma mancha de sangue no uniforme de Bart que gritava silenciosamente em sua cabeça que não importa o que tivesse acontecido, Chloe não estava mais - se é que jamais esteve - no controle.

Plano. Essa era a decisão racional de Victor. Eles investigariam o Esquadrão Suicida, planejariam e replanejariam suas missões. Levaria semanas, talvez meses, mas ele estava convencido de que era a opção mais segura. Seria feita com a cabeça no lugar, do jeito como costumavam realizar missões juntos quando ele estava no comando. Aquaman e Impulse votaram em Ciborgue.

Mas Oliver não ia ficar de mãos atadas enquanto eles desenhavam roteiros e imaginavam cenários quando ele sabia do que os bastardos eram capazes. Ainda havia uma cicatriz em seu peito que tremia com a lembrança muscular de ser fritado com alta voltagem diretamente de uma ponta de metal.

Não.

Não tinha como ele ter certeza que ela estava segura.

Oliver estreitou os olhos quando se aproximou do túnel. Esse era o ponto onde ele precisava cortar a comunicação com o guia em seu ouvido. "Deseje-me sorte, Mercy."

"Você não precisa", sua voz soou alta e clara.

Oliver tirou o comunicador e o jogou na estrada. Agora ele estava indo às cegas, mas seu destino nunca esteve tão claro quanto neste preciso momento. Seu destino ainda estava a uma de distância da colina, mas mesmo na distância Oliver podia ver a sólida construção moderna no meio do verde.

Ninguém mais da Liga havia visto aquela base. Oliver respirou fundo e pressionou seu pé para acelerar a moto.

Oliver Queen, com sua escolha impopular, agora trabalhava sozinho. Chloe era uma prisioneira, e sua única chance era ele.

Então o Arqueiro Verde se juntaria ao Esquadrão Suicida.

~o~o~o~

A recepção foi o que ele esperava. Fria, de negócios, e o ar de triunfo no rosto de Flag fez Oliver fechar o punho. Ele resistiu ao desejo de acertar seu rosto. Enquanto caminhavam pelos frios corredores, Oliver observou as câmeras sensíveis ao movimento que os seguiam enquanto eles passavam. Ele imaginou quem estaria assistindo sua chegada.

Oliver olhou na direção dos homens e mulheres reunidos no final do corredor. Não reconheceu nenhum deles, mas dois conversavam baixinho, suas cabeças juntas enquanto o estudavam desconfiados. Ele passou os olhos rapidamente por todos os rostos que o olhavam e não encontrou nada do familiar sorriso que ele queria ver, os olhos que brilhavam e iluminavam o lugar quando ele entrava.

Óbvio. O que ele esperava? Ela estava sendo mantida prisioneira, possivelmente ainda se recuperando do ferimento que sofreu quando a arrastaram para a Coréia do Sul.

Flag parou do lado de fora de uma sala mal iluminada. Ele abriu a porta, e Oliver rapidamente olhou para dentro. Ele ouviu perfeitamente o som das teclas pressionadas e Oliver suspeitava que agora ele conhecia o código.

Ele foi conduzido, não muito gentilmente, para a sala vazia que estava cercada de lentes focadas na direção dele. Ele já tinha visto um desses projetos militares que a Wayne Entreprises desenvolvia e que as Indústrias Queen recusaram a oferta. Cada câmera focalizava cada ângulo, podendo identificar a mais leve contração, capturar cada reação. As paredes eram muito porosas, e Oliver conhecia espionagem industrial bem o suficiente para saber que microfones ultrassensíveis o rodeavam e gravavam cada mudança em sua respiração, documentavam cada mudança no tom de sua voz.

"O que é isso?" Oliver questionou, com cuidado, voz controlada. "Eu me ofereci para me juntar a vocês quando vocês me recrutaram, e agora estou numa sala de interrogatório."

Flag deu um passo pra trás para que ele passasse, quando Oliver sabia que o comandante não queria nenhuma barreira entre ele e as paredes. "Nós temos recursos valiosos nesse lugar. Precisamos nos certificar que estão a salvo de você."

Era de dar risada, essa desculpa. Ninguém jamais poderia imaginar que o Esquadrão Suicida é que precisava se proteger de heróis como ele. Oliver tirou o capuz e removeu seus óculos de visão noturna, mostrando seu rosto claramente para as câmeras. O mundo o conhecia, e a luz não era tão brilhante para precisar deles. "Como você espera saber isso?"

"Responda minhas perguntas", Flag o instruiu. "Se você estiver mentindo, nós saberemos. E acredite em mim, há mais do que sensores por trás das paredes."

Uma aceleração nos batimentos, uma pausa hesitante - qualquer coisa faria sua cabeça rolar a qualquer momento. Oliver se manteve calmo. A missão era simples. Salvar Chloe. Esses estorvos não eram mais do que complicações que ele precisava superar.

"Eles sabem onde você está?"

"Eles sabem o que eu planejo fazer", Oliver respondeu facilmente. Só havia mais uma alma que sabia, e ele não ia lhes dar essa informação apesar de sua desconfiança em Tess.

Flag resmungou. "Estamos protegendo nossa localização", ele disse. "Diga-me se algum dos vigilantes superpoderosos sabe a localização dessa base."

Oliver reprimiu um sorriso, e honestamente respondeu. "Não. Impulse, Aquaman, Ciborgue e Escoteiro não fazem ideia de onde estamos."

Flag assentiu brevemente. "Eu nem posso expressar o quanto fiquei surpreso quando recebi sua mensagem dizendo que você havia mudado de ideia, que queria se juntar a nós. Depois de nosso último - encontro - eu imaginei que você estava completamente longe de pensar em nossa proposta."

"Em nosso último encontro eu descobri que você torturou minha namorada, e você me disse que ela estava morta", Oliver respondeu. Ele travou a mandíbula, porque preferia evitar de falar sobre Chloe o máximo que conseguisse. Falar sobre ela, pensar nela, aceleraria sua pulsação e seu coração bateria mais forte. Ele simplesmente não sobreviveria a esse teste que requeria calma racional.

E então veio a pergunta final. "Diga-me, Arqueiro Verde. Você está aqui para nos derrubar?"

"Não", ele respondeu verdadeiramente. "Eu estou aqui para trabalhar com vocês, para compartilhar minhas habilidades, para fazer qualquer coisa que esse grupo precise que eu faça." Porque era o que ele teria que fazer para encontrá-la. "E eu estou começando a ficar cansado desse teste de admissão. Vocês querem o Arqueiro Verde ou não?" Oliver questionou Flag.

Flag permaneceu em silêncio, e Oliver viu o aparelho vermelho em seu ouvido que servia como comunicador, e lhe fornecia informações sobre a avaliação de Oliver. O homem se virou para Oliver e assentiu. "Sabe - você está emocionado do mesmo jeito de quando veio aqui procurando Chloe Sullivan - mas você está falando a verdade."

Oliver não se permitiu demonstrar nenhum alívio. Ele ia saquear aquele local e encontrar onde a estavam mantendo, e iria salvá-la.

"Você sempre achou que fôssemos vilões, não achou?" Flag lhe perguntou diretamente.

E não era nenhuma mentira. "Sim. Mas isso não importa agora", Oliver disse a ele. "Ainda assim eu farei tudo o que vocês me pedirem. As coisas mudam", ele disse, dando uma curta explicação.

Rick Flag balançou a cabeça, então parou. Ele colocou um dedo no aparelho em seu ouvido. Então ele disse. "Você está com sorte. Dois de nossos agentes secretos estão descendo no telhado. Você pode começar a aprender com eles. Foram eles que lideraram a operação no Peru." Dinah quase foi morta nessa missão. E então, "Por que você não me acompanha?"

Isso gastaria tempo de sua atual missão, mas Oliver concordou. Quanto mais confiante Rick se sentisse sobre sua lealdade, mais rápido ele caminharia pela instalação livremente. Eles esperaram no telhado enquanto o helicóptero tocava o chão. Dele saíram dois homens vestidos completamente de preto.

Oliver imaginou que esses eram os agentes, e franziu as sobrancelhas quando percebeu que as figuras de preto permaneceram agachadas no chão. Foi quando Oliver percebeu as algemas em seus pulsos.

"Está preparado para conhecer o mais eficiente de nossos recrutas?" Flag perguntou.

Oliver observou um brilhante sapato italiano tocar o telhado, e notou as pregas impecáveis da calça. O homem desceu do helicóptero e acenou para Flag. Então o homem estendeu a mão e Oliver observou um braço suavemente pálido pegá-la.

Seu coração parou.

Até isso, ele reconhecia - na escuridão da noite, à distância, com apenas a luz prateada da lua em sua pele. Ele reconheceu.

Oliver observou enquanto o mundo lentamente se revelava em sua frente. Ela desceu do helicóptero, então retirou o lenço que estava ao redor da cabeça. Seu cabelo ainda tinha os cachos dourados, um pouco mais longos agora, e quando ela sorriu para seu acompanhante Oliver lembrou do sorriso que iluminava a sala usado apenas pra ele. Oliver a viu atirar alguma coisa para um dos guardas que se aproximaram dela, e ele viu tão bem o brilho do metal atirado no ar que quase o cegou.

Ela não era prisioneira. Na verdade, ela estava por aí, por perto, trabalhando para o Esquadrão Suicida tão bem que havia se tornado sua agente de maior confiança, a melhor.

"Trabalho fantástico", Flag murmurou. "Nunca esperei menos dela."

Oliver ouviu o orgulho em sua voz, a arrogância de jogar na cara de Oliver.

"Ela tem um dom natural, sabe. Você devia ficar orgulhoso."

Se ele estivesse na sala de interrogatório, os alertas teriam disparado e Oliver jurava que estaria morto antes disso. Ela estava a salvo, livre para ir e vir quando quisesse. Ela não estava sendo mantida prisioneira, nem ferida. Não.

Livre para ir e vir.

E ainda assim, ela o abandonou.

Ali estava ela, em seu júbilo, por um trabalho bem feito, ela deu um pequeno show ao descer se aproximando de seu bem vestido parceiro, e mãos que não eram as suas seguraram seu rosto e lábios que não eram os seus se aproximaram dos dela. E então o homem envolveu seus braços ao redor de sua cintura e a puxou contra ele.

"Eu sei que ele está orgulhoso, e eles se tornaram parceiros há poucos meses."

O companheiro dela assentiu em direção a eles, e presumivelmente ela assentiu para Flag. Chloe se virou na direção deles.

Os olhos dela encontraram os dele.

A alegria desapareceu. Oliver observou as emoções varrerem seu rosto. E então surgiu uma expressão fria e impenetrável. Ela caminhou na direção deles. Seu companheiro colocou uma mão em suas costas e caminhou com ela.

"O que você está fazendo aqui?" foi a pergunta que ela fez.

Oliver percebeu o braço do homem desaparecer atrás dela e sabia que ele a segurava. "Isso é jeito de me receber?" E então suavemente, ele disse. "Eu achei que você estivesse morta." Oliver engoliu o nó em sua garganta. Ela estava saudável, vibrante, como se comandasse o mundo melhor agora do que quando estava na Watchtower - como se o vazio dentro dela tivesse sido preenchido de um jeito que a Liga jamais poderia. E então, enquanto Rick Flag e o companheiro dela começaram uma conversa sobre o resumo da missão e os pontos críticos, Oliver abaixou a cabeça até que seus lábios quase tocassem sua orelha. A mão dela segurou seu braço, e ele sentiu a respiração contra seu pescoço.

Sua pele se arrepiou. Ele imaginou se de desejo ou desgosto. Naquele momento, ele não saberia dizer.

"Todos nós pensamos que você estivesse ferida", ele sussurrou. "Mas então, você não passa de uma cadela."

Ela prendeu a respiração. A mão em seu braço caiu como se tivesse sido queimada. Foi seu companheiro que voltou para seu lado enquanto Flag ia até os prisioneiros que eles haviam trazido. "Bem vindo ao time, Ollie", ela pronunciou em voz baixa. Sua voz se endureceu quando ela continuou. "Agora dá o fora daqui."

Parte 2
__________________________________________________________________
* Eu optei em manter o Archer que também significa arqueiro porque é uma referência ao outro nome que ele usa: Emerald Archer, ou Arqueiro Esmeralda.

________________________________________________________________________________

9 comentários:

  1. Já vi que vi que vou passar nervoso com essa fic!ai ai ai!

    Depois comento direitinho, ok?

    ResponderExcluir
  2. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAH! CHOQUEI! O.O
    Olha, a fic me supreendeu...esse primeiro cap foi um soco não só no estômago do Ollie, mas no meu também! XD

    DEUS ME LIVRE VER ISSO EM SV! >D

    Mas é uma fic, então aguardaremos o começo do romance =X Eu tenho pra mim que Chloe teve suas razões e a reação dela ao Ollie, não é de quem está indiferente a outra pessoa.

    Mal posso esperar o próximo, é diferente de qualquer fic Chlollie que eu tenha lido antes! ^^

    Mônica/Shann

    ResponderExcluir
  3. "Todos nós pensamos que você estivesse ferida", ele sussurrou. "Mas então, você não passa de uma cadela."

    Nossa essa doeu até em mim, correndo pra ler a continuação. ^^
    Vilm@

    ResponderExcluir
  4. Essa fic é demais já perdi a conta de qtas vezes a li e reli.
    Vilm@

    ResponderExcluir
  5. Aí alguém sabe dizer até onde vai o spoiler dessa fic? É que eu estou ainda no eps. 08 (Abandoned) da 10ª temporada e não quero ter nenhuma surpresa...

    ResponderExcluir
  6. Lilly, acredito que o spoiler é só de Lazarus ou no máximo até o terceiro eu acho, onde mostra a Cat e o Pistoleiro, sabe?

    ResponderExcluir
  7. Ah, lembro sim! Valeu, Sofia! :D

    ResponderExcluir
  8. Imagina... Espero que goste, eu particularmente amo essa história e essa autora... se tiver mais dúvidas é só perguntar, também pode perguntar pelo formulário de contato do blog que vai direto para o nosso email, se preferir...

    Boa leitura :D

    ResponderExcluir

Google Analytics Alternative