18.1.18

They Got What You Need



Título: Eles Têm O Que Você Precisa
Autora: ihearttvsnark
Banner: geek_or_unique
Resumo: Esta história acontece no universo Everybody Loves Me. Não é a sequência (que virá depois), mas sim os pontos de vista da Chloe Alternativa e do Oliver Alternativo num determinado momento da história. Esta história não fará nenhum sentido se você não tiver lido Everybody Loves Me.
Classificação: PG-13
 


Lois havia falado durante todo o trajeto até o centro de comando do pequeno aeroporto onde Oliver mantinha seu jatinho. Ela alternara entre apontar o quanto tudo era inacreditável e fazer perguntas sobre a realidade de Oliver. Sua realidade, uma realidade diferente daquela em que estavam. Ele parecia estar ouvindo e fazia algum comentário enquanto ela falava. Oliver estava respondendo as perguntas de Lois embora algumas fossem desnecessárias. Chloe estava apenas agradecida que eles estivessem conversando porque isso lhe dava a oportunidade de ficar ali quieta e tentar processar tudo em sua própria cabeça.
 
Ela havia visto coisas estranhas antes; como ela disse a Lois quando estava tentando convencê-la de que aquele Oliver não era Oliver, elas haviam visto coisas mais estranhas do que isso. Conheciam um homem que era parte peixe e outro que era parte máquina. Havia visto pessoas possuídas por demônios e não ficava tão surpresa em saber que existiam alienígenas e que um deles era um vigilante do Kansas.
 
Não era difícil para ela entender que havia outras realidades, outros universos, dimensões e galáxias. Ela podia até aceitar que havia outras versões de cada pessoa que conhecia, incluindo a si mesma, que vivam nestas realidades. Mas era difícil aceitar o fato de que havia dois Oliver Queens que eram diferentes como o dia e a noite.
 
Chloe observou aquele Oliver por um momento enquanto ele falava sobre Clark Kent e seus vários poderes e habilidades, sentado em sua frente no jatinho. Lois parecia particularmente fascinada pelas histórias de Oliver sobre o Borrão e enquanto ouvia, interrompia a cada cinco minutos para fazer mais perguntas. Chloe sabia que deveria estar prestando mais atenção ao que Oliver estava falando.
 
Ela tentou por um bom tempo ligar o nome a um rosto com a informação que havia recebido sobre o Borrão. Mesmo com suas consideráveis habilidades de invadir sistemas, nunca chegou nem perto de descobrir sua identidade. Era muito mais fácil entender porque havia falhado agora que sabia que ele era um simples fazendeiro quando não estava salvando o dia. Também ouviu Oliver mencionar alguma coisa sobre Clark ser um repórter em sua realidade.
 
Esse pensamento tirou Chloe da conversa de novo e ela voltou a suas reflexões sobre os dois Olivers serem tão diferentes. Fisicamente, Chloe não via diferenças entre ele e seu Oliver, por falta de um termo melhor. Ele carregava o mesmo jeito de natural confiança que beirava a arrogância. Seu Oliver certamente cruzara a linha da arrogância e talvez este também, mas ela não havia visto este seu lado. Ele só parecia mais determinado do que qualquer outra coisa, mas podia entender a razão. Ele queria ir para casa.
 
Chloe não podia imaginar como seu Oliver estava reagindo no mundo daquele Oliver. Ela vira a preocupação no rosto dele quando percebeu que o outro Oliver estava em seu lugar. Ele ficara ainda mais determinado depois disso e os levou até o aeroporto em tempo recorde. Ele havia mencionado que vivia em Metrópolis na maior parte do tempo em seu mundo, então Chloe deduzia que era onde seu Oliver - ela realmente precisava encontrar outra maneira de chamá-lo - tinha ido parar.

Ele provavelmente estava furioso e conhecendo Oliver, deveria estar imaginando que tudo era uma armação. O homem era extremamente paranoico e Chloe não sabia bem porque. Ele não confiava em ninguém, embora houvesse momentos em que ela sentia que ele confiava nela. Não completamente, claro, mas o suficiente para lhe dar ouvidos de vez em quando. Ele lhe dera bastante liberdade no escritório, mas Chloe achava que era mais por preguiça do que por confiança. Se Chloe tomasse as decisões, Oliver estaria livre para ser o festeiro de sempre.
 
Esta era parte da razão para ter ficado tão surpresa quando ele se casou com Tess. Chloe não achava que algum deles fosse capaz de amar alguém além de si mesmos, então sabia que amor não tinha nada a ver com suas motivações. O casamento fazia muito mais sentido agora que sabia que era baseado em dinheiro e vingança. Não ficaria surpresa se eles tivessem um contrato assinado. Provavelmente assinado com sangue, já que Tess parecia mais relutante em confiar em alguém do que Oliver.
 
Ela se perguntou se Oliver havia encontrado a outra versão de Tess. Este Oliver havia dito que eles eram amigos, o que era um conceito estranho, considerando o quanto as versões que conhecia se odiavam. Ela se perguntou se sua outra versão era amiga de Tess. O pensamento na verdade fez seu coração doer e ela resolveu deixar essa ideia passar e tentar se concentrar em sua contraparte.
 
Chloe estava tão ocupada pensando em todos os outros que não refletiu muito sobre a outra Chloe que existia, uma mulher que era outra versão de si mesma e que era amiga daquele Oliver. Ele fez parecer que a mulher que ele conhecia era muito similar a ela e eles eram obviamente próximos. Parecia loucura a princípio, mas Chloe supôs que podia entender agora que havia passado mais tempo com Oliver. Podia se ver amiga deste Oliver.
 
Chloe se sentiu mal ao pensar que a outra Chloe já deveria estar cansada de seu Oliver. Meu Oliver, Chloe se corrigiu. Ela balançou a cabeça; estava se confundindo com seus próprios pensamentos. Aquele definitivamente não era o dia que esperava ter quando se levantou. Na verdade estava esperando que a reunião de Oliver com Jack Crane fosse tranquila e tivesse tempo de passar algumas informações a Victor que desmantelasse um esquema de drogas que estavam investigando. Ela teria que se lembrar de fazer isso assim que voltasse a Star City. Chloe não sabia quanto tempo a viagem ia demorar, mas tinha a sensação de que se fosse como Oliver queria, seria rápido para que pudesse voltar para sua vida.
 
Ela percebeu que a conversa ao seu redor havia ficado mais baixa e Chloe imaginou se sua prima havia ficado sem perguntas, o que parecia ser impossível. Ela olhou para Lois que estava sentada ao seu lado, girando uma caneta nos dedos enquanto olhava para Oliver como se ele estivesse dizendo maluquice atrás de maluquice.
 
"Ainda não acredito que este cara é um alienígena e seu disfarce seja um modesto fazendeiro. É ridículo. Como as pessoas vão somar dois mais dois?" Lois perguntou incrédula.
 
Oliver deu de ombros. "Ele passa despercebido e tem a coisa da super velocidade a favor. Clark não fica por perto depois que o salvamento acaba. Não é como se estivesse fazendo isso para aparecer; ele só quer ajudar as pessoas. Eu acho que o Clark deste mundo é do mesmo jeito. Não vi fotos dele nos artigos que Chloe me mostrou."
 
"Saber que existe um alienígena vivendo entre nós me leva de volta aos dias de Inquisidor. Já imaginou a cara do editor se eu escreve essa história? Não que eu fosse escrever", Lois esclareceu logo em seguida.
 
"Eu não fiquei preocupado", Oliver disse.
 
"E você?" Lois perguntou. "Como você acabou envolvido nesse negócio de super heróis? Você tem algum poder secreto?" Ela arregalou os olhos. "Isso significa que Oliver tem algum? Estou deduzindo que ele não consegue atirar laser pelos olhos nem nada disso, senão já teria nos matado há séculos. Bem, exceto por Chloe", ela corrigiu. "Nem Oliver seria estúpido o suficiente para não perceber que estaria perdido sem ela."
 
Chloe viu algo brilhar no rosto de Oliver que não conseguiu entender, mas não era a primeira vez que percebia isso em seus olhos. Não tinha certeza do motivo, mas seus instintos lhe diziam que ele estava pensando na Chloe que ele conhecia. Ele havia mencionado que eles eram próximos e que dependia dela. Mas Chloe sentia que havia mais naquela história, embora não conseguisse entender o que era.
 
"Sem poderes secretos", Oliver disse. "Eu treino bastante e tenho muita motivação, mas sou humano. É meio que uma longa história o como entrei nesse negócio", ele brincou, repetindo as palavras de Lois. "Mas faço porque quero ajudar as pessoas e impedir que Lex tome conta de tudo."
 
"Estamos num voo de três horas até o Kansas", Lois o relembrou. Seu tom era impaciente enquanto cruzava os braços sobre o peito e olhava para Oliver. "Temos tempo e quero ouvir mais sobre o que te faz tão diferente do idiota que vemos todos os dias."
 
Chloe revirou os olhos à objetividade de sua prima, mas a verdade é que também estava curiosa. Ela se virou para Oliver. "Não sei como funciona essa realidade alternativa ou como a personalidade das pessoas pode ser diferente, mas faz sentido pra você saber que vocês dois sejam tão diferentes?" ela perguntou. Chloe deduziu que era uma maneira mais delicada de perguntar porque ele era um cara decente e o Oliver que conheciam era um idiota egoísta. Deveria haver uma explicação para o que ela conhecia ser como era.
 
"Eu era igual ao Oliver desta realidade", Oliver admitiu. Chloe e Lois trocaram um olhar surpreso antes de voltarem a atenção para Oliver continuar. "Depois que meus pais morreram, eu fiquei sozinho e miserável e descontei nas pessoas ao meu redor. Eu usei meu dinheiro e status para ter o que queria e basicamente o que eu queria era beber e sentir pena de mim mesmo. Então, depois que me formei, meu iate foi sequestrado e eu acabei preso numa ilha por dois anos."
 
"Você mencionou isso quando estava olhando o arquivo que tenho sobre o Oliver", Chloe comentou. "Você disse que foi onde aprimorou suas habilidades e decidiu que precisava mudar de vida." Ela viu algo mais em seu rosto enquanto vasculhava o arquivo e agora começa a fazer mais sentido. Era como se ele tivesse percebido que o que faltava na vida de Oliver, faltava porque ele não havia ficado preso numa ilha. Chloe ainda não entendia como um evento poderia alterar o curso de uma pessoa tão drasticamente, mas era óbvio que Oliver pensava que sim; ou não, no caso de seu Oliver.
 
Oliver assentiu. "Assim que voltei para a civilização, soube que não poderia continuar de onde havia parado. Eu me concentrei em recuperar a empresa primeiro e enquanto fazia isso, continuava treinando no tempo livre. Eu precisava me colocar em forma e precisava descobrir como iria ajudar as pessoas sem que elas soubessem que era eu."
 
"Sim, consigo entender porque Oliver Queen não passaria despercebido depois de salvar o dia", Lois pontuou. Seus lábios se curvaram num risinho. "Você usa algum tipo de disfarce? Uma máscara ou uma meia-calça, talvez?" ela brincou.
 
"Não é meia-calça", Oliver respondeu logo. Chloe ergueu uma sobrancelha ao que pareceu ser uma resposta automática, mas Oliver continuou falando antes que ela pudesse dizer alguma coisa. "Eu tenho um uniforme", ele enfatizou. "Permite que eu tenha mais mobilidade e tenho um capuz, óculos escuros e um distorcedor de voz para proteger minha identidade."
 
Lois apertou os lábios e Chloe podia dizer que sua prima estava decidindo se queria ou não fazer outra piada sobre a calça. Deve ter decidido que não porque apenas assentiu. "Tenho certeza que toda a história do arco e flecha foi útil quando você esteve na ilha deserta, mas é efetivo contra criminosos com armas e facas?" perguntou.
 
Oliver deu um risinho e se recostou contra a cadeira. "É, quando você sabe o que está fazendo e, acredite, eu sei o que estou fazendo."

Pela primeira vez desde que havia conhecido este Oliver, Chloe viu a familiar arrogância a que estava acostumada. Obviamente ele tinha orgulho de suas habilidades e ela podia ver que o Arqueiro Verde significava muito pra ele. Chloe entendia isso. Ela fazia o possível para eliminar o mal do mundo e estava sempre tentando encontrar alguém que pudesse ajudar a causa. Não era fácil com os recursos limitados que tinha e não podia contar a ninguém quem era e o que estava fazendo.

Ela se percebeu pensando novamente sobre o que Oliver que conhecia. Ele era arrogante o tempo todo, mas a única coisa da qual ele parecia ter orgulho era de sua aparência e seu dinheiro. Houve alguns acordos de negócios dos quais ele pareceu especialmente orgulhoso, mas só porque isso significava ter ferrado com Lex no processo. Esta era outra coisa que ela nunca conseguira entender sobre Oliver. Ela também não gostava de Lex, especialmente depois dele ter demitido sua prima e tentado arruinar sua reputação, mas Oliver parecia odiá-lo na mesma medida em que amava a si mesmo. Este Oliver havia mencionado que também odiava Lex. Ela se perguntou se seria muito invasivo perguntar a ele o motivo.

Lois já estava fazendo outra pergunta antes que Chloe tivesse a chance de dizer alguma coisa. "Acredito que você use seu próprio dinheiro para pagar pelas flechas e pelo uniforme. E o resto da sua equipe? Você também os paga para fazerem seja lá o que vocês fazem?"

"Eles ajudam porque é a coisa certa", Oliver respondeu. "Mas eu mantenho a maioria dos membros da equipe na minha folha de pagamento porque todos têm um custo caro para viajar pelo mundo por causa das diferentes missões e isso os impede de ter um emprego normal. A Chloe do meu mundo é uma funcionária da Queen Industries também, mas só no papel." Sua voz falhou e ele voltou a olhar pela janela por um momento.

Mais uma vez, Chloe sentiu que estava perdendo alguma coisa. Parecia que Oliver queria dizer mais, mas estava se controlando. Chloe olhou para Lois, mas sua prima parecia não ter percebido. Ela podia ver as rodas girando na cabeça de Lois e sabia que havia mais uma centena de perguntas a caminho.

"E a Lois do seu mundo?" Lois perguntou. "Ela trabalha com sua equipe de heróis?"

"Algumas vezes", Oliver disse. "Ela está mais envolvida agora, mas Lois faz suas próprias coisas. Ela é uma repórter antes de mais nada. Claro que ela não reclama das entrevistas exclusivas com os heróis", ele acrescentou.

"Ela parece esperta", Lois disse orgulhosa. Chloe girou os olhos ao entusiasmo da prima. Só Lois podia agir como se a outra mulher ser esperta fosse de alguma maneira mérito seu. "Então, e sobre Chloe?" ela perguntou. "Você disse que ela só trabalha para a Queen Industries no papel. O que ela faz pelo time? Ela também veste um uniforme e combate o crime?"

Oliver ficou em silêncio por um minuto e então balançou a cabeça. "Não, Chloe é nossos olhos e ouvidos. Ela é uma expert em computadores e pesquisa tudo que precisamos, além de manter um olho na gente quando estamos em missões ou fazendo nossas patrulhas."

"Isso parece familiar", Lois comentou. Ela mandou um olhar na direção da prima. "Esta Chloe vem invadindo sistemas que não deveria desde o colégio. Talvez até mais cedo que isso", brincou. "Agora ela está intervindo para ajudar um bando de heróis esfarrapados e um bilionário mimado com um ego maior que o Grand Canyon. Sem ofensa", ela acrescentou com um doce sorriso. "O que mais a Chloe que você conhece faz por você?"

Chloe viu aquele olhar no rosto de Oliver novamente, o que não conseguia entender e em vez de responder a pergunta de Lois, ele desviou o olhar como se precisasse de um minuto. Chloe se perguntou se aquilo já estava sendo demais pra ele. Estava respondendo perguntas há horas, mais do que isso se Chloe contasse as conversas que os dois tiveram antes de Lois aparecer. Deveria ser difícil pra ele continuar falando sobre seus amigos e sua vida enquanto estava tão desesperado para voltar pra eles.

"Lois, vamos dar um tempo a Oliver. Você já fez a ele todas as perguntas possíveis. Vamos descansar um pouco", Chloe sugeriu. Ela deu um olhar pontual a prima, desejando que ela entendesse a mensagem  e aliviasse um pouco para o lado dele.

Por um momento pareceu que Lois fosse protestar, mas então ela assentiu e pegou um revista dentro da bolsa. Chloe se recostou em seu assento e viu Oliver lhe mandar um olhar agradecido, antes de se virar e voltar a olhar pela janela, parecendo perdido em seus próprios pensamentos. Ela realmente desejava que o tal Clark pudesse ajudá-los para que ele pudesse voltar para sua vida e então o Oliver com o qual ela estava acostumada voltaria para seu mundo e todos poderiam seguir em frente com suas vidas.

***

Oliver abriu e fechou a boca enquanto corria a língua contra a parte interna da bochecha. Um pequeno movimento doía e ele deduziu que tinha um machucado considerável em seu rosto, mas não pensou que tivesse algo quebrado. Isso não ia impedi-lo de prestar queixa contra Lois. Ele realmente deveria ter entrado com um pedido de restrição contra ela anos atrás, mas sempre a tomou como uma mera repórter intrometida sem nada melhor pra fazer do que interferir em sua vida. Sua tentativas de insultá-lo eram engraçadas e na maior parte do tempo Oliver pensava nela como um mosquito que tinha que espantar.

Mas agora ela havia passado dos limites e ele não ia deixar passar. Estava sendo mantido prisioneiro e ela ainda teve a coragem de lhe dar um soco enquanto ele estava indefeso. Isso só provava a Oliver que estava certo sobre ela esse tempo todo e deveria ter seguido seus instintos e usado suas conexões para demiti-la. Lex foi esperto ao demiti-la do Planeta Diário e embora Oliver detestasse dar razão a Lex por qualquer coisa, tinha que admitir que ele havia tomado a decisão certa. Oliver desejava ter feito o mesmo e sabia que teria feito se não fosse por Chloe.

Oliver franziu a testa enquanto olhava na direção para onde Chloe havia desaparecido. Podia ver que havia um loft acima de onde estava sentado, mas não conseguia ver Chloe daquele ângulo. Isso realmente não importava porém, uma vez que ela também havia lhe traído. Ela tinha arrumado tudo aquilo, aquela conspiração elaborada para convencê-lo de que ele estava ficando louco. Ela tinha que estar tramando tudo pelas suas costas junto com Tess. Embora essa fosse a única explicação que fizesse sentido, Oliver ainda não conseguia acreditar que Chloe havia lhe traído.

Mas ele não podia negar a evidência que estava ao seu redor. Oliver sempre se perguntou para onde Chloe desaparecia no meio do dia. Ela provavelmente pensou que ele jamais notaria e nas poucas vezes em que disse algo para ela sobre não estar no escritório, ela ficava na defensiva e o relembrava de que tinha direito a fazer algumas pausas como qualquer outro funcionário. Então ela mudava de assunto e falava sobre sua próxima reunião ou evento de caridade. Oliver sempre soube o que ela estava fazendo, mas deixava passar porque ela era boa em seu trabalho e seu nível de performance nunca mudara não importa quantas vezes ela desaparecesse durante a semana.

O lugar onde estava tinha que ser para onde ela ia todas aquelas vezes. Oliver olhou ao redor da sala novamente, tentando ver o máximo do equipamento que a cadeira em que estava preso permitia. Chloe havia ignorado suas perguntas sobre se aquilo tudo era tecnologia da Queen Industries, mas certamente parecia pelo que podia ver. O equipamento deveria ter custado uma pequena fortuna e não havia como Chloe conseguir comprar com o salário que recebia, mesmo que os outros funcionários também tivessem contribuído com dinheiro. Ele olhou feio quando viu o cara da Tecnologia - Victor - observando-o de um dos computadores.

"Você deveria ser mais esperto e não brincar com o cara que paga seu salário", Oliver disse a ele. Victor apenas balançou a cabeça e voltou ao que estava digitando. Oliver fechou os punhos atrás das costas enquanto tentava novamente afrouxar as cordas que o prendiam. Ele tinha alguma mobilidade, mas tudo que podia fazer era levar uma mão até a lateral do corpo. E isso não ia ajudá-lo a se soltar.

Ele ouviu gritos do outro lado da sala e girou a cabeça naquela direção. AC e aquele garoto da correspondência estavam jogando um videogame. Oliver estava furioso que eles fingissem que não era nada demais o fato de o terem sequestrado e o amarrado a uma cadeira, como se ele é que fosse o criminoso. "É bom saber que vocês estão se divertindo em vez de fazer alguma coisa para me ajudar." Oliver estreitou os olhos enquanto se concentrava em AC.

"Eu te contratei para garantir que nada acontecesse comigo e olhe pra mim agora!" Sua voz ficou mais alta enquanto lutava contra as cordas. AC não era sua pessoa preferida, mas na maior parte do tempo fazia seu trabalho sem reclamar muito e se mantinha discreto quando deveria ficar fora de vista durante reuniões de negócios. Mas vê-lo parado ali jogando videogame enquanto Oliver estava em apuros era um insulto.

"Você não nos contratou", AC respondeu com um dar de ombros. Ele pegou o controle remoto e aumentou o volume do videogame enquanto Bart dava risada.

Oliver abriu a boca para relembrá-lo de que o havia contratado, mas então se lembrou de que foi Chloe quem o convenceu a fazê-lo. AC não tinha experiência com guarda-costas, mas Chloe o assegurou que ele teria competência. Ela lhe veio com uma história elaborada quando quis que ele contratasse o garoto da correspondência e ficou falando sobre como ele era praticamente um sem teto e que um emprego fixo poderia ser bom para tirá-lo das ruas. Oliver tinha que admitir que o cara da Tecnologia era bom com computadores, embora tivesse feito apenas um ano de faculdade. Mas Oliver jamais teria contratado nenhum deles se Chloe não tivesse insistido de que os três eram uma boa aposta para a empresa e ele confiou no julgamento dela.

Isso acabou por se revelar um grande erro. Ele se perguntou quando ela decidiu se virar contra ele. Ela esteve ao seu lado em algum momento, disso tinha certeza. Oliver sabia que ela não era fã de seu estilo de vida e sempre estava lhe dizendo que ele precisava ser mais responsável e parar de viver a vida nos tabloides. Houve dias em que ele esteve muito bêbado para discutir e dias em que ele disse para que ela se preocupasse com a própria vida e em fazer seu trabalho. Oliver sabia que ela não gostava dele nestes dias e houve algumas vezes em que ele se perguntou se tinha ido longe demais a ponto dela abandoná-lo. Mas apesar de todas as dúvidas, ela sempre ficou ao seu lado e sempre o ajudou a manter as coisas em ordem na empresa, não importa como ele estivesse.

Ao contrário do que todo mundo pensava, Oliver se preocupava muito com a Queen Industries. Era a empresa de seu pai e era importante pra ele que continuasse sendo um sucesso. Ele sabia que Chloe tinha grande parte nesse sucesso porque houve dias em que ele se mostrou incapaz de lidar com a vida que deveria levar. Ela sempre foi seu braço direito e foi a única pessoa em sua vida que Oliver pensou ser-lhe totalmente leal. Ou ela o foi até que alguém a fez mudar de ideia. Talvez alguém tenha oferecido a Chloe tudo isso e ela não foi capaz de deixar passar por alguma razão.

Tess era uma das pessoas que Oliver pensava ter recursos que rivalizavam com os seus e era isso que seria necessário para pagar por todo aquele equipamento, bem como com pelas despesas para manter um lugar como aquele funcionando. Lex a tinha cortado de sua vida, mas ela tinha o próprio dinheiro e conexões que havia desenvolvido durante os anos. Chloe e os outros haviam dito que Tess não tinha nada a ver com aquilo, mas Oliver sabia que tinha que ser ela. Ela estava ferrada com ele porque o esquema dos dois não estava funcionando com a rapidez que desejavam e ela estava cansada de viver na Califórnia e trabalhar pra ele quando tudo que queria era gerir sua própria empresa.

Ele nunca deveria ter concordado com seu plano insano de colocar as mãos na fortuna Luthor. Mas quando Lex a demitiu depois da morte de Lionel, Oliver viu nisso uma oportunidade de derrubar seu rival de uma vez por todas. Tess tinha acesso a informações internas e ela odiava Lex mais do que odiava Oliver. Ou pelo menos era no que ele acreditava até ter acordado com a pior dor de cabeça do mundo e com a roupa de couro ridícula que estava usando.

Oliver olhou para sua roupa e a calça que moldava seu corpo como se fosse uma segunda pele. Havia luvas e braçadeiras que pareciam ter pequenas flechas ligadas a elas. Ele não tinha certeza do que eram feitas e desejava que pudesse ter olhado mais de perto antes de o terem amarrado. As botas em seus pés eram simples, mas percebeu que não faziam barulho quando ele se movia. Agora que estava pensando no assunto, a roupa mesmo não fazia barulho nenhum, o que era estranho considerando que era feita de couro.

A coisa toda obviamente havia sido feita especificamente para ele. E se perguntou quanto tinha custado e quem tinha passado por todo o processo de criá-la. Oliver também se perguntou porque alguém se daria a tanto trabalho. Ele tinha que deduzir que Tess era quem estava por trás daquilo, mas seus motivos ainda eram um mistério. Tirando a potencial humilhação de alguém vê-lo vestido daquele jeito, Oliver não imaginava como Tess poderia usar aquilo contra ele. Além do mais, ele estava em grande forma, então não era como se ela quisesse humilhá-lo desta maneira.

Ele foi trazido de volta de seus pensamentos quando ouviu o garoto da correspondência falar sobre pizza. O estômago de Oliver roncou e ele tentou se lembrar da última vez que havia se alimentado. Lembrou-se de ter almoçado com Chloe em seu escritório quando estavam revendo os contratos da fusão que ela estava montando com Jack Crane, mas tinha certeza de que isso havia acontecido no dia anterior. Ele não tinha certeza de que horas eram. A última coisa de que se lembrava antes de acordar naquele sofá foi de ter entrado em seu carro no escritório. Ele tinha um jantar ou alguma coisa para ir e estava ficando atrasado.

"Pergunte a Chloe e Lois se elas querem alguma coisa", AC disse. Oliver o observou pegar o controle do jogo e se sentar no sofá, nunca tirando os olhos da TV enquanto falava com o garoto da correspondência. Bart, Oliver se lembrou.

"Acho que 'Licious está muito triste por causa do Chefe e não vai querer comer, mas eu trago uma pizza a mais por precaução", Bart disse.

AC assentiu. "Não gosto de ver Ollie assim, então nem posso imaginar o que Chloe está passando."

Oliver franziu a testa. Ninguém lhe chamava de 'Ollie' desde a formatura na faculdade. Pra ser sincero, estava feliz em ver o apelido sumir porque ouvi-lo o relembrava muito de seus pais. Eles sempre o chamavam de Ollie a não ser que estivesse em apuros, o que acontecia muitas vezes. Mas a maioria de seus empregados o tratavam por 'Sr. Queen', exceto Chloe e Tess que o chamavam de Oliver. Ele ouviu Bart chamá-lo de 'Chefe' antes e pediu que ele parasse de fazê-lo, mas Bart obviamente tinha dificuldade em seguir ordens.

Ele observou Bart ir até Victor e os dois tiveram uma breve conversa sobre aperitivos antes de Victor entregar um cartão de crédito a Bart e ele ir até a porta. Victor olhou para cima e viu Oliver observando-os, mas não disse nada e voltou a se concentrar no computador. Oliver estava ficando realmente cansado das pessoas o ignorando. Ele olhou na direção de AC. Era a pessoa com quem passava mais tempo depois de Chloe, então talvez houvesse uma chance de fazê-lo falar. "O que você quis dizer antes quando disse que não consegue imaginar o que Chloe está passando?" perguntou.

AC virou a cabeça e Oliver viu a surpresa em seus olhos antes de disfarçar rapidamente. "Ela sente falta do verdadeiro Ollie", ele disse. Um olhar triste surgiu em seu rosto. "Nós também", acrescentou antes de voltar a atenção para a tela da TV.

Que diabos aquilo significava? Oliver queria gritar e exigir respostas, mas não parecia que alguém estava interessado em lhe dar atenção. Em vez disso, eles estavam apenas lhe deixando mais confuso. Ele era o verdadeiro Oliver e ia garantir que todos pagassem pelo que estavam fazendo. Mas Oliver ainda não conseguia entender o propósito daquela brincadeira que parecia ficar mais elaborada a cada minuto. Agora AC estava agindo como seu amigo em vez de seu funcionário. Ele parecia genuinamente chateado quando disse que também sentia falta do verdadeiro Ollie. Aquilo não fazia nenhum sentido.

Oliver se lembrou de alguma coisa que Chloe havia dito quando ele havia acabado de acordar. Ela tentou lhe dizer que ele estava numa realidade diferente e que tinha, de alguma maneira, trocado de lugar com o Oliver que ela conhecia. Claramente isso fazia parte da brincadeira que Tess havia tramado. Eles estavam tentando fazê-lo pensar que ele estava enlouquecendo com toda essa história de realidade alternativa. Queriam que ele pensasse que todos eram amigos e que podia confiar neles, especialmente Chloe.

AC e Bart estavam fazendo parecer que a coisa toda a estava afetando mais. Bart disse que ela provavelmente estava muito triste para querer comer. Ela estava se sentindo culpada por sua participação naquilo? Oliver não tinha nenhuma ligação com os rapazes. Eles eram seus funcionários e ele os pagava para fazerem seus trabalhos e ficarem fora de seu caminho. Mas Chloe era diferente e Oliver deduzia que era por isso que Tess havia ido atrás dela. O plano não funcionaria sem Chloe. Ela era a chave para tudo, porque do jeito dela, era a pessoa mais próxima dele.

"Eu preciso falar com Chloe", Oliver disse. Ele olhou de AC para Victor, esperando algum dos dois ir chamá-la. Talvez não fosse tarde demais para tentar fazê-la desistir daquilo. Podia fazê-la ver que ficar ao lado de Tess era um erro e tudo que ela precisava fazer era libertá-lo e ele garantiria que nada lhe acontecesse. Ele só queria que ela lhe dissesse a verdade e confirmasse que Tess estava por trás de tudo. O que ela estava ganhando? Ela queria seu dinheiro já que o plano de derrubar Lex estava demorando muito?

Nem AC nem Victor tomaram conhecimento do que ele havia dito e Oliver suspirou audivelmente, frustrado. "Vocês todos vão se arrepender do que estão fazendo. Eu tenho mais poder e conexões nesta cidade do que vocês podem sonhar. Tess não vai conseguir salvar nenhum de vocês. Espero que saibam disso", ele disse enquanto olhava de um para o outro.

"Tess não tem nada a ver com isso e você não vive nesta realidade. Apenas fique quieto até descobrirmos como te mandar de volta", Victor ordenou.

Oliver olhou boquiaberto. Aqueles caras realmente estavam muito confiantes em sua opinião. Ele imaginou o que Tess poderia ter prometido a eles. Ela não ia cumprir o que quer que tivesse prometido. Eles eram idiotas por acreditar nela. Oliver olhou na direção do loft novamente. Chloe não era idiota e nunca gostou de Tess. Então porque havia concordado com tudo aquilo? A mente de Oliver voltou para alguns dias antes e tentou lembrar se havia acontecido algo de diferente. Nada surgiu em sua mente.

Mas algo daquele calibre demoraria mais do que alguns dias para ser montado. Oliver olhou para a roupa que estava vestindo. Provavelmente demorara algumas semanas para ser feita, sem contar o tempo para desenvolvê-la e tomar suas medidas. Ele deduziu que Tess deve ter cuidado disso uma vez que vivia com ele, temporariamente, mesmo que dormissem em quartos separados. Oliver sabia que deve ter sido fácil para ela tirar suas medidas enquanto ele estava bêbado e desmaiado no sofá.

Oliver foi arrancado de seus pensamentos mais uma vez quando percebeu que havia conseguido soltar uma de suas mãos. Ele olhou ao redor para ter certeza de que ninguém havia percebido e se mexeu na cadeira para soltar a outra mão. Sabia que se tentasse correr, eles o impediriam de novo, então precisava elaborar outro plano de fuga. Enquanto se mexia, sua mão encostou em sua coxa e pela primeira vez, Oliver percebeu que havia um coldre ali.

Ele girou a cabeça de um lado para o outro como se estivesse tentando aliviar alguma dor no pescoço e inspecionou o coldre enquanto se inclinava para o lado direito. Ele conseguia ver mais flechas verdes, mas desta vez presas a uma besta que estava no coldre. Oliver deslizou a mão e correu os dedos com cuidado, evitando disparar alguma acidentalmente. Parecia bem fácil de usar, mas o ângulo seria ruim.

As portas duplas se abriram de novo e Oliver ficou surpreso ao ver Bart de volta com uma grande quantidade de pizzas. Ele não havia saído há muito tempo e Oliver tentou ver as embalagens para que pudesse determinar em que parte da cidade estavam. Precisava saber que direção tomar até a delegacia mais próxima e denunciar seu sequestro. Oliver apertou a mão ao redor da besta e esperou sua chance de escapar.

_______________________________________________
Próxima história: DON'T YOU KNOW WHO YOU ARE

_______________________________________________________________________________

2 comentários:

  1. Ah, sim, mais uma maravilha acompanhar tudo sobre o ponto de vista dos Au Oliver e Chloe, e percebemos como toda a experiência os influenciaram, espero que para melhor e ao encontro um do outro...

    Aguardando...

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também espero. Chlollie tem que existir em qualquer realidade né? Em breve já tem mais...

      Excluir

Google Analytics Alternative