4.7.13

Talking In Your Sleep (1/21)

Bom, pessoal, vamos começar as postagens da nossa multi-chapter especial de aniversário. Esta história foi sugerida pela Alice naquela pesquisa que fiz. Eu já tinha lido essa história, mas não lembrava dela, então quando reli lembrei o quanto esta fic é boa e tem um clima leve que eu acho que combina com mês de festa. Convido todos vocês a acompanharem, mesmo quem já leu, tenho certeza que será uma delícia ler de novo. E pra quem não conhece, acredite em mim, você vai gostar!!!! Obrigada, Alice, pela sugestão, curta a história novamente conosco... 




Resumo: Intrépida repórter para o Planeta Diário, Chloe Sullivan, tem seu coração roubado por um herói mascarado, o Arqueiro Verde, mas ela ficará satisfeita em não saber sua verdadeira identidade?
Autora: the_bluesuede
Classificação: NC-17
Linha de tempo: Sexta temporada
Banner: 552158





Quando você fecha os olhos e vai dormir,
E só resta o som de um coração, 
Eu posso ouvir as coisas que você está sonhando
Quando você abre seu coração e a verdade aparece.

Você diz que me quer.
E eu sei que estou certo
Porque posso ouvir durante a noite.

Talking in Your Sleep
The Romantics



"Ei, Sullivan, o que vai ser? O de sempre?"

"Com framboesa, Bobby."

"Sua prima vem?"

"Sim."

"Vou preparar a bebida dela também."

"Você é uma jóia, Bobby."

"Você só diz isso quando teve um dia ruim. Poucas notícias hoje?"

"O dia mais devagar da minha vida. Você não acreditaria. Acho que nem as moscas voaram hoje."

Bobby deu risada. Então ele virou a cabeça para a mesa no canto do bar. "Vê aquilo? É a única notícia que você vai ver em semanas."

Chloe virou a cabeça curiosa. Então bufou. "Tudo que vejo é um playboy qualquer rodeado por um monte de lixo barato."

Bobby sorriu enquanto servia sua bebida repleta de menta, framboesa, lima e gelo antes de entregar a ela. "Este não é um playboy qualquer, Sullivan. Este é o playboy. Único, Oliver Queen, mais novo residente de Metrópolis. Chegou há apenas duas semanas de Star City, e toda vez que sai do apartamento, a cidade inteira pára pra olhar."

Chloe revirou os olhos. "Qual é, Bobby. Pelo que me tomas? Uma colunista de fofocas?"

Ele ergueu as mãos em defesa. "Ei, eu diria isso? Eu valorizo minha vida, lembra?" ele brincou, piscando. "Mas estou te dizendo, as manchetes seguem aquele homem como cachorros seguem o cheiro de carne."

Chloe deu risada. "Bela comparação."

Ele deu de ombros. Então olhou na direção de Queen e Chloe o viu dar um risinho. "Não olhe agora, Sullivan, mas ele está te olhando."

Ela sentiu um queimor tomar conta de suas bochechas. "Cala a boca. Ele não está."

"Sim, sim ele está... espera. Espera, ele está definitivamente interessado. Ele está tentando ver comigo se sua bebida está cheia."

Chloe olhou feio, seu rosto queimando. "Cuidado, barista. Não estou interessada."

Ele deu risada. "Ok, ok. Vou dar a ele um sinal de 'ela tem um namorado enorme e assustador, você não quer mexer com ele'."

Chloe o encarou enquanto ele mandava um discreto sinal de alerta por sobre seu ombro, então lentamente ele balançou a cabeça negativamente. Ela explodiu em risadinhas antes de tomar um trêmulo gole de sua bebida.

Bobby riu com ela enquanto preparava dois martínis para uma das garçonetes. Ele olhou pra cima e revirou os olhos bem humorado. "Chegando."

Chloe olhou por sobre o ombro com um sorriso. "Ei, Lo!"

"Ei, prima!" Lois respondeu, jogando um braço por sobre o ombro de Chloe e pegando o Cosmopolitan pronto e esperando por ela. Ela bebeu em um gole e devolveu o copo no bar. Ela olhou para Bobby. "E pode continuar servindo."

Bobby balançou a cabeça. Ele deu um olhar a Chloe. "Tem certeza que tem algum parentesco com ela?" ele perguntou, provocando Lois enquanto pegava um copo limpo.

Chloe riu, inclinando-se perto de Lois. "Ah, por quê? Não consegue ver a semelhança familiar?"

Bobby apenas bufou enquanto terminava de preparar a segunda bebida de Lois, deslizando em seguida pra ela e se virando para atender outros clientes.

Lois tomou este um pouco mais devagar, olhando para Chloe. "Bem?" ela perguntou. "Alguma novidade?"

Chloe deu risada. "Se por 'novidade' você quer dizer 'algo que valha à pena', não, Lois. Meu dia foi tão devagar quanto o seu."

Lois murchou levemente. Então a pequena multidão no canto chamou sua atenção. "O que acontece ali?"

Chloe deu de ombros, tomando outro gole de sua bebida. "Algum filho dourado de Star City que acabou de se mudar pra cá", ela respondeu com uma voz entediada.

Lois quase engasgou com a bebida. "Aquele é Oliver Queen? Espera, qual deles?" ela perguntou, virando o pescoço para examinar melhor os rostos dos poucos homens no mar de mulheres.

"O loiro, eu acho", Chloe disse, sem olhar.

"O que está olhando pra você? Hum." Ela acenou na direção dele.

Olhos arregalados, Chloe pegou a mão de Lois e a abaixou. "Não! Ele vai achar que queremos que ele venha até aqui!"

Lois revirou os olhos, terminando sua bebida de novo. "Essa é a ideia, basicamente."

Chloe olhou feio. "Eu sei que você acha que estou desesperada, mas este não é o tipo de homem que eu preciso na minha vida."

Lois deu um risinho. "Não na sua vida. Talvez só na sua cama esta noite."

Chloe suspirou. "Não dá pra conversar com você, não é?"

"De jeito nenhum", ela disse, alegremente, pedindo para Bobby servi-las novamente.

Chloe se virou e se recostou contra o bar, olhando ao redor com mínimo interesse. Ela não olhou na direção de Oliver Queen, não querendo que ele pensasse que estava lhe encorajando. Ao invés, o que chamou sua atenção foi a meia dúzia de carros da polícia passando pelo bar, sirenes ligadas.

Lois viu o brilho nos olhos de Chloe e seguiu seu olhar. Ela gemeu. "Chlo, é noite de sexta."

"Sim", Chloe disse, pegando o dinheiro para pagar sua bebida.

"Você me prometeu um bate-papo."

"E já conversamos", Chloe disse.

Lois bufou. "Por cinco minutos."

Chloe lhe deu um olhar ameaçador. "Ei, você sabe como isso funciona. Quer bater papo? Você pode conseguir uma matéria agora", ela tentou. Ela e Lois tinham uma regra: se quisessem dividir uma história, tinham que dizer. Se não a matéria ficava pra uma só. Chloe fechou a bolsa. "Você vem?"

Lois considerou seriamente, mas no final, o desejo de outra bebida foi mais forte. "Não, pode escrever esta sozinha. Pode ir. Vai se divertir", ela disse rabugenta.

"Obrigada, Lo!" Chloe a abraçou rapidamente. "Eu prometo filmes e sorvete amanhã. Sem interrupções."

"Eu escolho o filme!" Lois gritou enquanto Chloe ia em direção à porta.

Chloe já estava do lado de fora quando Bobby conseguiu chegar até Lois. Ele procurou por ela e tentou não sorrir. "Ela fez de novo?"

Lois fez uma careta. "Sim."

Ele balançou a cabeça em diversão. "Esta é nossa Chloe."

"Aham."

Bobby ergueu uma sobrancelha. "Parece que Oliver Queen percebeu que ela foi embora também."

Lois olhou pra cima surpresa e viu Oliver Queen dispensando sua companhia, olhos na direção das portas por onde Chloe tinha acabado de passar.

"Acha que ele vai atrás dela?" ele especulou.

"Não. Acho que ela lhe daria bola?"

Eles trocaram olhares idênticos. "Não", disseram juntos.

__________

Do lado de fora, no ar quente de agosto, Chloe correu até o ponto de táxi. Assim que um parou, ela entrou, dizendo ao motorista. "Eu te pago o dobro pra seguir aquelas viaturas que acabaram de passar por aqui. Elas foram na direção leste."

O motorista assentiu e rapidamente passou a seguir as sirenes. "O que quiser, senhorita", ele disse.

A perseguição, que durou alguns quarteirões, levou a um banco, onde aparentemente um assalto mal sucedido levou a uma situação com reféns, que já durava meia-hora.

Chloe imediatamente começou a pagar o motorista dobrado conforme prometeu. Dentro de vinte minutos ela descobriu que o assalto começara quando o banco estava prestes a fechar, o que significava que a maior parte dos reféns era de funcionários e a polícia suspeitava que havia sete ou oito deles, com três assaltantes confirmados. Aparentemente alguém tinha conseguido disparar o alarme, levando a fuga a um impasse. Pelo menos uma pessoa havia sido ferida tentando bancar o herói, mas ninguém sabia com que seriedade.

Ela acumulou a maior parte das informações ouvindo a conversa policial. A polícia tinha cercado todas as saídas, mas até agora não havia como proceder sem comprometer os reféns. Chloe se afastou, andando pela multidão tentando descobrir o máximo possível. Ela não ia começar a fazer entrevistas até que a situação se resolvesse.

E então: algo milagroso. Milagroso para os reféns, mas também para Chloe, que estava prestes a ter a matéria de sua carreira até agora.

Primeiro, quando os reféns saíram correndo do prédio, houve uma comoção geral dizendo que era obra do Super Homem. Então, lentamente, um boato se espalhou pela multidão de que tinha sido outra coisa... outra pessoa.

Ela passou o resto da noite rastreando os nomes dos reféns, entrevistando seus informantes usuais na força policial, e, mais importante, entrando no banco para tirar uma foto com sua máquina digital.

O que ela encontrou no banco a deixou impressionada: três criminosos caídos inconscientes no chão com três dardos verdes em vários lugares. E, embora a polícia não tivesse notado, ainda, havia uma flecha verde presa no lustre de cristal.

A descoberta, entre outras, a levou a passar a noite no Planeta. Ela foi atrás dos telefones dos reféns para conseguir declarações sobre o misterioso resgate. Por mais que pressionasse, sua amiga no departamento policial insistiu que nunca tinham visto algo parecido, e não sabiam nada sobre o suposto herói.

Mesmo às quatro da manhã quando finalmente terminou o primeiro rascunho, ela podia sentir o corpo borbulhando de animação. Isto era uma notícia. Uma grande notícia.

Quando deixou o artigo e as fotos na bandeja do editor, no entanto, ela pôde sentir a adrenalina começar a baixar. Ela estava cansada. Exausta.

Ela olhou para o relógio. Eram dez minutos de táxi até seu apartamento em Metrópolis. Ela tinha tempo suficiente para algumas horas de sono e talvez um café da manhã razoável antes de ter que voltar.

Seu corpo inteiro estava começando a parecer moído quando pegou o celular e chamou um táxi. Normalmente ela não gastaria dinheiro só pra chegar em casa, mas estava exausta. A ideia de fazer a caminhada normal era mais do que desencorajadora, ela decidiu enquanto suas últimas forças iam embora com o último copo de café sendo jogado no lixo.

Quando o táxi finalmente chegou, ela suspirou agradecida. Ela quase dormiu no curto caminho até em casa, mas tinha valido à pena. Algumas histórias como essa e ela ganharia uma sala com janela.

O pensamento trouxe um sorriso aos seus lábios enquanto ia até o elevador do prédio e apertava o botão do último andar.

Amanhã seria um dia bom.

Foi seu último pensamento coerente enquanto virava as chaves das três diferentes fechaduras de sua porta e a abria. Virando-se, ela fechou todas elas e acrescentou a tranca de corrente também.

Ela gostava de seu apartamento, e gostava de ter um lugar relativamente perto do trabalho, mas ainda era Metrópolis, e uma mulher morando sozinha tinha que ser cuidadosa.

Ela colocou as chaves no balcão e foi direto para a cafeteira, programando-a pra trabalhar pouco antes de ela ter que se levantar. Então ela foi para o quarto e tirou os sapatos, jogando a bolsa na cadeira do canto. Ela foi até o banheiro e lavou a maquiagem do rosto, escovou os dentes rapidamente, muito cansada para tomar um banho, por mais que quisesse um. De volta ao quarto, ela fechou as cortinas, deixando a escuridão tomar conta do quarto e acendeu o abajur do criado-mudo. Ela tirou as roupas e vestiu o pijama de flanela antes de puxar o pesado edredom e os suaves lençóis brancos antes de subir na cama, seu suspiro profundamente aliviado ecoando no quarto antes de estender a mão pra desligar o abajur, mais uma vez jogando o quarto na escuridão.

_____
DOIS

_______________________________________________________________________________

14 comentários:

  1. Huuumm... não sei não, mas acho que vou gostar... já amei os banners... =D

    Próximo, por favor!

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. GIL, você VAI gostar, tenho certeza!

      Excluir
  2. Ahhh que bom que vc decidiu postar essa é muito boa , com certeza vou acompanhar :) Parabéns ao blog amo este cantinho .

    Alice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ALICE!!!!!! Muito obrigada pela sugestão. Acertou em cheio!!!!! Essa fic é muito, muito boa. Vai ser perfeita pra comemorar o aniversário do blog!

      Excluir
    2. Ah, e obrigada!!!!! Também gostamos muito da sua companhia aqui...

      Excluir
  3. genteee estou adorando, mais mais mais e mais por farvor!!! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais sim, vou tentar postar um por dia, já já tem mais...

      Excluir
  4. Opa, opa... Essa eu não li!!!!!! E é enooooorme!!!!! *pulando de alegria*

    O primeiro capítulo promete, hein???? Ansiando pelos próximos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Ciça, então eu te aconselho a seguir a história com a gente. Ela é MUITO, mas MUITO boa mesmo... Você vai gostar com certeza!!!!!!

      Excluir
  5. Excelente sugestão da Alice... essa fic é muito legal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, excelente mesmo!!!!!!!!! Essa fic é fantástica!

      Excluir
  6. Oba, já gostei! Banner bonito, história instigante e bem longa. Adoro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode se preparar, Paula, que a história é BOA!!!! :D

      Excluir
  7. Ahhh excelente escolha quando o mês é de festa!! Essa fic é MARAVILHOSA, eu já li e com todo prazer vou reler é linda linda linda perfeita!!
    Vilm@

    ResponderExcluir

Google Analytics Alternative