14.8.10

Moving Targets 8.2 - In With A Bang


TítuloÍmpeto
Resumo: Ano Novo é o momento perfeito para recomeçar, mas descobrir o quê de fato deveriam estar começando pode ser a parte mais complicada da tradição.
Autoras: chloeas e dl_greenarrow
Classificação: NC-17

Capítulos anteriores: Empty Spaces - Rising Tension - Lazarus - The Gotham's Legend - Red Flags - Long Nights - Home for Christmas

In With A Bang: Trailer - Um - Dois - Três



Capítulo 8 - In With A Bang
(Parte 2 de 3)



Praia, Star City - 1º de janeiro de 2011

Depois da meia-noite, Mia, Bart e Victor voltaram para o jogo, Oliver desapareceu assim como Dinah e AC, então Chloe se retirou também. Ao invés de subir as escadas e se torturar com outra noite em claro, ela resolveu ir caminhar na praia até ficar cansada.

Funcionou. Ela caminhou por um longo tempo, e embora fosse possível avistar a casa à distância, ainda não sentia vontade de voltar, então sentou-se, envolvendo os joelhos em seus braços e ficou observando as ondas. Sua mente ainda tentava entender o que havia acontecido, mas sabia que não importava, e que provavelmente ela e Oliver voltariam ao que eram antes do Natal.
E odiava isso.

Oliver, por outro lado, havia ido patrulhar para clarear a mente. A patrulha não foi longa pois a cidade estava quieta apesar do feriado. Mas ele não queria conversar com ninguém, então depois que se trocou para um jeans e camiseta, se viu deixando a casa novamente, pela porta dos fundos assim podia sair despercebido. Suspirando lentamente ele caminhou pela extensão da praia, seu corpo e mente estavam cansados e frustrados.

Eles nem se tocaram, mas mesmo assim, ele sentia como se tivesse ultrapassado uma linha entre eles, que o mal estava feito e não podia ser consertado.

Ele não sabia por quanto tempo ainda conseguiria fingir. Passou a mão pelo rosto, parando de andar quando viu uma figura solitária na areia da praia. Suas sobrancelhas franziram um pouco enquanto a observou em silêncio. "Chloe?"

Chloe pulou e se levantou em questão de segundos, arregalando os olhos. "Eu preferia que você parasse de me seguir", ela falou bruscamente, franzindo a testa ao olhar pra ele.

Sim. Ela definitivamente estava chateada com ele.

"Não foi de propósito", ele respondeu, lhe dando um olhar.

"Tenho certeza que não", ela falou, sentindo o estômago afundar pelo jeito que ele olhava pra ela, mas travou sua mandíbula.

"Olha, eu nem sabia que você tinha saído, tá bom? Não vim aqui pra brigar."

"Talvez tenha sido bom você vir atrás de mim", ela tirou a areia do vestido e olhou pra ele.

Seu olhar seguiu os movimentos das mãos dela e engolindo em seco, olhou de volta pra ela. "O que quer dizer?"

"Você sabe o quer dizer, Oliver." Ela balançou o vestido um pouco mais e em seguida esfregou as mãos para tirar o resto de areia.

"Não, eu realmente não sei, Chloe", ele murmurou.

Ela respirou fundo. "As coisas não podem continuar desse jeito."

Oliver travou a mandíbula um pouco e olhou pra longe, para o mar. "Não, não podem", concordou baixinho.

"Que diabos nós vamos fazer?", ela cruzou os braços sobre o peito, olhando pra ele.

"Não faço ideia", ele admitiu, balançando um pouco a cabeça, olhando de lado pra ela.

Chloe olhou pra ele e suspirou, andando em direção ao mar, passando por ele. "Temos que trabalhar juntos e nem isso vamos conseguir fazer direito se ficarmos desse jeito."

"Bem, se você tiver alguma sugestão, sou todo ouvidos", ele falou, observando-a passar por ele, mal resistindo ao desejo de estender a mão e segurar o braço dela.

"A única solução que eu consigo pensar é se eu voltar para Metrópolis", falou firmemente, de costas pra ele.

Seu estômago ficou apertado. "É isso que você quer?"

"Não Oliver, não é isso que eu quero", ela vociferou, se virando pra ele. "Mas a não ser que você tenha outra solução, eu estou sem ideias, e cansada de fingir que está tudo bem."

Ele estreitou os olhos ao tom dela. "E você acha que eu estou o quê, gostando de fingir que nunca aconteceu nada entre a gente?", respondeu. Ele se aproximou dela com os olhos ainda mais sombrios. "Que eu gosto de fingir que não quero te tocar?"

Ela também se aproximou, soltando os braços ao lado do corpo, e fechando os punhos. "Não, você não finge, você deixa tudo bem claro, pelo menos eu tento esconder meus desejos."

A isso, ele parou, observando-a atentamente, procurando seus olhos furiosos. "Seus desejos?", ele repetiu, o traço de um sorriso afetado formando-se em sua boca.

"O quê, você acha que eu não tenho nenhum?" O sorrisinho no rosto dele só serviu para enfurecê-la ainda mais.

"Talvez você seja melhor em fingir do que eu", ele respondeu.

Ela ergueu uma única sobrancelha e olhou pra ele. "Você tem dúvidas?"

"Como eu não teria?", Oliver perguntou, olhando de volta pra ela, balançando a cabeça.

"O que isso significa?" Chloe perguntou franzindo a testa.

"Bem, às vezes parece tão fácil pra você que de vez em quando eu me pergunto se tudo o que aconteceu foi mesmo real", ele falou.

Ela ficou tensa de verdade, e só o que podia fazer era levantar o olhar pra ele. "Você pensa que é fácil pra mim?", ela exigiu, dando mais um passo à frente. "Sabe do que mais? Se é nisso que você prefere acreditar, não foi mesmo real, eu estava fingindo... eu estava fingindo o tempo todo. Cada beijo, cada orgasmo, era tudo mentira."

Ele olhou pra ela. "Pareceu terrivelmente fácil pra você escolher Clark no segundo que ele bancou o magoado por você abandoná-lo", falou bruscamente, agora apenas a alguns centímetros dela.

"Do mesmo jeito que foi fácil pra você partir para Star City, sem pensar duas vezes", ela falou, do mesmo jeito, bruscamente.

Ao ouvir isso, ele realmente riu. "Eu tive que partir, Chloe", respondeu sombrio. "Mia já estava matriculada na escola e a Liga precisava de mim!"

"Só por curiosidade", ela disse sarcasticamente. "Eles precisaram tanto assim que você nem conseguiu telefonar? Ou foi porque era mais fácil se agarrar à ideia de que eu escolhi Clark ao invés de você, do que fazer um esforço?"

Ele travou a mandíbula, com o olhar mais intenso. "O telefone funciona para os dois lados, Chloe", respondeu acaloradamente. "Eu só imaginei que você e Clark tivessem tudo sob controle."

"E eu simplesmente presumi que você tinha terminado tudo", ela disse firmemente, levantando o olhar pra ele. "E se você lembra corretamente, fui eu que acabei finalmente ligando pra você, se fosse do seu jeito, nunca mais teríamos nos falado novamente, então por que você simplesmente não vai embora e se poupa o trabalho!?"

Oliver deu mais um passo. "E se você lembra corretamente, eu não hesitei em pedir pra você vir pra cá, não foi?", ele exigiu. "E não se atreva a falar como o meu jeito teria sido, por que você não poderia estar mais errada!"

Ela ergueu os punhos até o peito dele quando ele invadiu seu espaço, estreitando os olhos. "Então porque diabos você não tenta me dizer o que seria o seu jeito já que você não aceita minha solução pra essa bagunça?", ela exigiu.

Incapaz de se controlar, ele inclinou a cabeça, e sem aviso a beijou, estendendo as mãos para puxá-la pra perto dele.

Chloe arfou surpresa, pressionando os punhos contra o peito dele por um longo momento, em seguida segurando os braços dele com força enquanto o beijava de volta, vigorosamente.

Depois de um longo momento, ele parou o beijo, respirando com dificuldade. "Meu jeito é de longe muito mais divertido", ele murmurou.

Ela respirou fundo e olhou pra ele. "Cala a boca", falou sem rodeios, então se ergueu na ponta dos pés e o beijou novamente.

Oliver obedeceu, deslizando o braço em volta de sua cintura, apertando-a até que ela estivesse colada nele. Os dedos da outra mão correram pelo cabelo dela, puxando sua cabeça para trás enquanto sua língua procurava passagem em seus lábios.

Chloe não conseguiu evitar o gemido que lhe escapou equanto abria sua boca sob a dele. Seus braços envolveram o pescoço dele enquanto ela pressionava seu corpo contra o dele o máximo que podia.

A mente dele estava girando com tantos pensamentos que ele não conseguia escolher um para se concentrar, então nem se importou em tentar. Ao invés disso, se concentrou nela, no jeito que sentia o corpo dela contra o dele, como o corpo dela se curvava contra o dele, no gemido que ela havia acabado de emitir. Não havia nada de gentil no beijo, era feroz, repleto de todo o desejo reprimido. Áspero.

Ela não queria que os beijos fossem gentis, então ela os retornou com a mesma intensidade, parte de seu cérebro tentando avisá-la sobre isso, o quão era uma péssima ideia, mas agora, ela não estava ligando. Queria ele, precisava dele, seu corpo inteiro sentia falta dele e as consequências não importavam, não quando era tão maravilhoso apenas beijá-lo.

Oliver deslizou as mãos pelas costas dela, abrindo o zíper do vestido enquanto parava o beijo, pressionando os lábios contra seu queixo, mordendo suavemente sua pele com os dentes.

Um arrepio correu por seu corpo com a combinação dos dedos roçando na agora totalmente exposta pele das suas costas com o leve ar frio da noite, mas ela não abriu os olhos, ao invés disso, deslizou as mãos pela camiseta dele, puxando-a, levantando-a. Eles haviam feito isso há apenas alguns meses atrás, e quando chegou nesse ponto, ela parou tudo. Dessa vez, não planejava fazê-lo, estava cansada de negar a si mesma o que queria, e o que ele obviamente também queria.

Ele se afastou dela, para permitir que ela tirasse sua camiseta e a jogou em algum lugar da areia antes de afastá-la mais uma vez, descendo sua boca até o pescoço dela enquanto deslizava uma alça do vestido pelos seus braços. Não havia mais nenhum pensamento em sua mente enquanto seus lábios e sua língua sentiam o gosto da pele dela pela primeira vez em meses. Rapidamente deslizou a outra alça, descendo o vestido até os quadris, descansando sua mão esquerda nas costas dela.

Chloe manteve os olhos fechados correndo os dedos pelas costas dele, tocando seus músculos, mas ela não era gentil, havia muita pressão em suas mãos enquanto ela tocava cada pedaço de pele que conseguia encontrar, sem se importar aonde estavam, ou que pudessem ser vistos, seu coração batia muito rápido e sua cabeça estava girando e tudo o que ela queria era sentir ainda mais a boca e as mãos dele contra sua pele.

Oliver deslizou a outra mão em suas costas ajoelhando-se na frente dela para terminar de tirar o vestido, beijando sua barriga enquanto o fazia. Sem aviso ele puxou-a para baixo na frente dele.

Ela nem tinha certeza do que estava acontecendo até se perceber ajoelhando também, metade de seu peso nos joelhos dele enquanto suas pernas se abriam ao redor dele, ela respirou fundo e olhou pra ele, então levou suas mãos até o jeans dele, tentando abri-lo com tanta força, que não podia dizer ao certo se não havia quebrado o zíper.

Ele cobriu os lábios dela com os seus novamente, sua língua invadindo a boca dela enquanto abria o sutiã, tirando o tecido do caminho e deslizando a mão por suas costas nuas.

Depois de tirar o sutiã, ela envolveu os braços ao redor dele puxando-o até sentir os seios pressionados contra o peito descoberto dele, a substituição repentina do ar frio litorâneo pelo calor da pele dele a fez gemer em aprovação contra a boca dele enquanto o beijava com força.

Ele gemeu baixinho ao sentir a pele nua contra a dele, enfiando a mão em seus cabelos e puxando-a para trás enquanto deslizava o outro braço por sua cintura para dar suporte às suas costas quando ele abaixou e roçou sua cabeça entre os seios dela. Em seguida ele virou a cabeça ligeiramente e capturou um dos bicos rosa em sua boca.

A sensação dos lábios dele em seus seios acordou todo seu corpo, ela estremeceu em seus braços e se mexeu, passando suas pernas ao redor dele movendo os quadris contra o jeans aberto, uma de suas mãos ao redor das costas dele enquanto erguia a outra até a parte de trás da cabeça, deslizando os dedos em seu cabelo, envolvendo-a e puxando-a para cima.

Ele raspou os dentes levemente sobre o mamilo antes de acariciá-lo com sua língua, lentamente deitando-a de costas na areia.

Ela ajeitou suas costas e afastou os braços do corpo dele, respirando fundo e alcançando-o dentro do jeans com uma mão, não queria esperar mais, e não queria que ele parasse ou mudasse de ideia, ou mesmo fizesse alguma pergunta.

Oliver gemeu ao sentir a mão dela e se mexeu um pouco deslizando sua própria mão entre as coxas dela e puxando sua calcinha para o lado. Raspando seus dentes contra a pele dela mais uma vez, ele deslizou um dedo dentro dela.

Chloe arqueou as costas enquanto gemia com o toque, os quadris instantaneamente se movendo contra a mão dele, e ela deixou sua mão cair, mas só por um segundo, porque agora, ela queria mais, e a mão dele não era suficiente. Não depois de tanto tempo sem ele. Ela moveu sua mão pelo estômago dele e a deslizou lentamente para dentro da boxer, cuidadosa para não machucá-lo com seu desespero.

Ele apertou os olhos bem fechados quando sentiu a mão dela o envolvendo. Se forçou a respirar fundo, soltando o mamilo dela de sua boca, olhando para ela, os olhos repletos de desejo. "Solta", ele disse, com a voz mais áspera do que pretendia.

Ela gostou do jeito que ele falou tanto quanto se deliciou com o olhar no rosto dele, ela manteve o olhar e deslizou sua mão lentamente sobre ele. "Não", respondeu firmemente.

Oliver reconheceu a mudança em seu tom e percebeu que agora estavam brigando pelo controle. Bem, os dois podiam participar desse jogo. Ele deslizou outro dedo dentro dela, pressionando seu polegar contra o clitóris e sorrindo.

Um choramingo lhe escapou mas ainda assim ela não o soltou, pelo contrário, ela o tirou de dentro da boxer e começou a acariciá-lo apertando seus dedos ao redor dele. Era uma briga por controle, já haviam feito isso algumas vezes antes, e no final, os dois acabavam ganhando.

Ele enterrou o rosto contra o pescoço dela quando sua mão o apertou. "Droga", ele falou, respirando pesadamente e movendo os dedos dentro dela, devagar no início e depois mais rápido.

Chloe gemeu movendo os quadris contra sua mão, deslizando os dedos ao redor dele na mesma velocidade, ela virou a cabeça pra ele, sua língua roçando a orelha dele e então respirou fundo. "Eu quero você dentro de mim", ela exigiu, com a voz forte e falhando na busca por ar.

"Então solta", ele respondeu, mordendo levemente seu pescoço.

"Você primeiro", ela falou, apertando mais seus dedos ao redor dele mas diminuindo o movimento.

Ele olhou pra ela, com os olhos sombrios. "Você é a única aqui capaz de ter múltiplos, Chloe", ele murmurou. "Tem certeza que quer ser tão teimosa?"

Ela parou a mão e olhou pra ele, mas não largou. "Qual parte do 'eu quero você dentro de mim' é tão difícil de entender, Oliver?"

Oliver riu pra ela. "Você é que está sendo difícil."

"Querer que você transe comigo dificilmente se qualifica como ser difícil", ela apontou, rindo de volta pra ele e nem tinha mais ideia de como ainda conseguia formar frases, mas de algum jeito, havia conseguido.

Ele desceu a boca até seu ouvido. "Vai ser difícil transar com você se você não soltar", murmurou, mordendo de leve o lóbulo de sua orelha.

Chloe estremeceu e fechou os olhos, se esticando para segurar a mão dele que estava entre suas pernas antes de soltá-lo lentamente.

Oliver deslizou os dedos para fora dela, erguendo a cabeça para olhar pra ela enquanto se colocava de joelhos, abaixando sua boxer e o jeans. Então ele agarrou seus quadris com força, arrastando-a mais perto dele e posicionando-se em sua entrada. Ele a observou por um momento, e então se empurrou para dentro dela sem mais hesitar.

Ela fez um barulho que era uma mistura de choro e gemido, enquanto sentia ele dentro dela, fechando os olhos enquanto seu corpo se ajustava a ele e respirou pesadamente, agarrando os braços dele e depois de um longo momento começou a mover os quadris em direção a ele.

Ele ficou parado por um tempo, esperando o corpo dela se ajustar a sua presença, rangendo os dentes na tentativa de manter o controle. Quando ela se moveu, ele deslizou para fora e se empurrou para dentro novamente, erguendo mais as pernas dela para conseguir uma posição melhor.

A mudança de posição fez com que ele deslizasse mais fundo e ela tremeu, finalmente abrindo os olhos para olhar pra ele, ela respirou fundo e segurou nos braços dele, se movendo contra ele.

Oliver encontrou seus olhos e manteve o olhar enquanto se moviam juntos, devagar a princípio, seu coração batendo forte contra o peito. "Era isso que você queria?"

Suas unhas se cravaram no braço dele e ela pegou o ritmo. "Sim", ela disse, mordendo o lábio inferior e se empurrando mais rápido. "Não é o que você queria?"

"Acho que você já sabe a resposta", ele respondeu, sentindo o queixo ficar tenso enquanto se empurrava mais rápido dentro dela, com mais força.

A resposta de Chloe foi um gemido, e ela passou os braços ao redor dele, erguendo ainda mais as pernas e cruzando os pés nas costas dele, cavando os saltos na pele dele, enquanto tentava deixá-lo ainda mais perto dela.

Oliver trocou as posições assim ele estava de joelhos, mantendo uma mão em seu quadril enquanto se movia dentro dela, descansando a outra ao lado da cabeça dela, se abaixando para aproximar seu rosto do dela.

Ela olhou pra ele e levantou a cabeça, uma mão correndo pelo cabelo dele enquanto o beijava com força, seus músculos já se apertando ao redor dele enquanto ela ficava cada vez mais perto.

Sem aviso ele soltou o quadril e deslizou as mãos por baixo dela, erguendo-a e sentando-a em seu colo, beijando-a com toda a urgência que ela lhe demonstrava. Ele enfiou-se dentro dela, deslizando uma mão entre eles, esfregando-a no mesmo ritmo de seus movimentos.

Ainda que não quisesse ela finalmente teve que parar o beijo para respirar, ela gemia ofegante ao ritmo de seus impulsos, a tensão crescendo mais e mais dentro dela enquanto seus músculos se apertaram ao redor dele o mais forte que podiam. Ela arqueou as costas e podia sentir a areia caindo de seus cabelos pelas suas costas, a combinação dele, a areia e a brisa a fizeram tremer com força enquanto chegava ao limite, um grito alto escapando de seus lábios enquanto se segurava o mais forte que conseguia.

Ele enterrou seu rosto no pescoço dela, empurrando-se nela mais uma vez antes de segui-la até o limite, tremendo contra ela. "Chloe", ele sussurrou, fechando os olhos com força e caindo de volta na areia com ela em seus braços. "Deus."

Chloe manteve seus braços e pernas ao redor dele, ela virou seu rosto para o pescoço dele e só moveu suas pernas para que ele não ficasse no topo dos dois, mas agora seu corpo estava quente, coberto com uma fina camada de suor, e o vento estava frio, o que a fez se arrepiar novamente.

Ele deslizou as mãos pelas costas dela, fechando os olhos, tentando recuperar o fôlego. Ele virou a cabeça e beijou seu queixo.

Ela virou um pouco mais a cabeça e roçou seu nariz no rosto dele, sua mente completamente vazia, não queria se mexer.

Ele também não queria se mexer, mas sabia que não podiam ficar ali por muito mais tempo. Ele a beijou novamente, com suavidade, com mais ternura que antes, sua respiração finalmente começando a se normalizar mais uma vez.

A ternura do beijo dele a pegou de surpresa e embora começasse a retribuir, se afastou no momento seguinte. "É melhor a gente se lavar antes de voltar."

Oliver percebeu o que ela estava fazendo no momento em que ela se afastou e mesmo a soltando, sentiu-se tenso. "É."

Ela vestiu a calcinha enquanto olhava pra ele e podia perceber a tensão em seu rosto e considerou sua opções naquele momento, seus instintos lhe diziam para se virar e correr para o mar, colocar uma certa distância entre eles. Mas se lembrou da conversa com a Sra. Kent quando estava em D.C. e se lembrou de como o último mês havia sido terrível com eles não se conversando e o quanto já estava cansada dos argumentos dos dois, então ela respirou fundo e estendeu a mão pra ele em silêncio.

Ele levantou o olhar pra ela por um momento, e depois para sua mão. Hesitou um pouco, e então segurou a mão dela levantando-se. Apertou gentilmente a mão dela e então soltou, se abaixando para pegar sua boxer e tirando a areia dela antes de vestir. Pegou o vestido, passando pela cabeça dela silenciosamente, roçando levemente seus dedos contra a pele nua.

Ela estremeceu ligeiramente com o toque, erguendo os braços para o vestido e olhando para ele por um momento, estava apavorada com o que ia acontecer, todos os sentimentos que tinha por ele, e especialmente o quanto estava dividida entre o quanto ela queria voltar e tomar banho com ele e que passassem o resto da noite juntos, e o desejo de se afastar dele o mais rápido possível. Respirando fundo ela olhou ao redor e pegou seu sutiã e a camiseta dele da areia, estendendo-a para ele.

"Obrigado", ele disse baixinho, passando a camiseta pela cabeça e observando-a por um momento. Ele podia dizer que pelo jeito como ela estava agindo ela queria correr. Seu peito ficou um pouco apertado. Não era assim que ele planejava que acontecesse. Não novamente. Não desse jeito.

_______________

____________________________________________________________________

8 comentários:

  1. Meu Deus!!! Só digo isso...

    ResponderExcluir
  2. AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!!!!!!!!

    MORRI!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. o onibus chegou e atropelouuuuuuuuu

    ResponderExcluir
  4. Finalmente, um pouco de honestidade entre esses dois.
    Só estou torcendo pra que a Chloe não banque a idiota no próximo capítulo ;)
    Vilm@

    ResponderExcluir
  5. Morri!
    *Respira Fundo*
    Que cap!
    E estou com a Vilma...Chloe, NÃO BANQUE A IDIOTA!

    Ainda surtando! XD

    Shann_S

    ResponderExcluir
  6. "O onibus chegou e atropelou" KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    OMG! FINALLY!

    ResponderExcluir
  7. Nem precisaram serem trancados num quarto. Nem precisaram de um quarto de fato, omg

    ResponderExcluir

Google Analytics Alternative