14.7.15

One Night

Título: Apenas Uma Noite
Resumo: Aquela era uma noite de muita bebida e uma pergunta. Por que não?
Autora: serafina19
Classificação: R



Gire e sussurre o nome errado
Eu não me importo, nem meus ouvidos
The Twist: Frightened Rabbit


Ela sabia que era errado. Diabos, não era nem uma linha que havia considerado cruzar antes de dez segundos atrás. A diferença entre antes e agora era que agora... ela não se importava.

Não importava que ela soubesse que ele queria outra pessoa. Não importava que isso não significasse nada. Era assim que era, simplesmente.

Aquela era uma noite de muito uísque e uma pergunta. Por que não?

A noite toda fora surreal, embora ela soubesse que isso se dava ao fato de ter bebido mais do que podia ser considerado normal. Oliver foi quem abriu a garrafa, provavelmente chateado por descobrir que Clark e Lois estavam juntos, mas Chloe não confirmou aquela suspeita. Porque apesar do bem que tinha inspirado nas últimas semanas, os eventos do começo do ano não desapareceriam nem tão cedo. Pelo que sabia, aquela era a verdadeira razão.

Quando ele entrou na Watchtower, ela estava seguindo uma pista sobre uma ameaça mundial, mas que já havia dado num beco sem saída, então quando a frustração tomou conta, ela se juntou a ele. Um tilintar de seus copos levou a outro e a conversa começou a seguir direções interessantes. Enquanto a noite passava, ele começou a se aproximar mais dela, e ela seguiu a dica até que estenderam as mãos para a garrafa ao mesmo tempo.

A mão dele cobriu a ela, e para a surpresa de Chloe, ele não se mexeu. Em vez disso, quase pareceu como se ele estivesse apertando a mão dela e a garrafa, o que levou seus olhos até os dele.

O olhar dele estava... diferente, embora não tenha demorado muito para Chloe sentir a barreira caindo ao redor dela também. Ela culpou o álcool, pois não era normalmente tão fácil assim, mas também não demorou muito antes das duas mãos se afastarem da garrafa. O jeito que ele olhava para ela, Chloe sabia o que significava.

Todo dia eles olhavam ao redor, vendo a felicidade nas ruas, nos olhos de seus amigos, então não era muito pedir por um momento alegre. Certo?

Ela aproximou a cabeça para Oliver, sentindo o hálito dele em sua bochecha, vagamente se relembrando da linha que estava prestes a cruzar, a linha que ele estava prestes a deixá-la cruzar. Mas quando seu rosto estava a centímetros do dele, Chloe sussurrou as últimas três palavras antes de seus lábios colidirem. 

Seria só uma noite, nada memorável ou específico. Necessidades humanas básicas, uma sensação de desejo, talvez até de necessidade. Ela meio que esperou que ele dissesse o nome de sua prima em algum momento enquanto o beijo se intensificava, especialmente considerando quanto álcool ele consumira. Porém, palavras pareceram desnecessárias quando ele desceu sua calça.

O que tinha sobrado da parte racional de seu cérebro estava concentrado no fato de que não deveria ser tão bom assim. A mão dele em suas costas, as pontas dos dedos a segurando como se sua vida dependesse disso. Os lábios dele descendo pela pele de seu pescoço, chupando ali, ela não deveria demonstrar uma reação. Ela deveria conhecê-lo, estar preparada.

Ela conhecia sua reputação, sabia que havia uma razão para o título de playboy de Oliver Queen ser um sólido álibi para seu trabalho como Arqueiro Verde, mas caramba.  Se ele era bom assim bêbado, Chloe podia apenas imaginar como ele seria sóbrio.

Pena que você nunca vai saber.

Chloe balançou a cabeça, incerta de onde o pensamento viera. Aquilo era uma coisa boa. Tão boa quanto sentia, era uma coceira que precisava ser coçada. Era isso. Afinal, de nenhum outro jeito Oliver e ela dariam certo. Havia muito em risco. Embora quanto mais ele a tocasse, mais ela estivesse convencida de que ele estava coçando mais do que uma coceira.

Então ela tentou retornar o favor num sentido mais literal. Enquanto ele a beijava, aprofundando a ação quase imediatamente, Chloe subiu as mãos por dentro da camisa dele, correndo as unhas por seu peito. Não demorou muito antes dele se afastar, sibilando, então ela moveu as mãos para retirar a camisa. Afinal, não era todo dia que ela podia desfrutar da visão dele sem camisa daquele jeito.

No entanto, Oliver tinha outra ideia e rapidamente moveu seus corpos até o sofá. Ele então mudou de lugar, um pouco sem jeito, até estar pairando sobre ela. Houve um segundo onde eles ficaram parados e Chloe não pôde deixar de notar o olhar em seu rosto. Ela não podia deixar de sentir como se tivesse visto aquele olhar antes, mas sabia que ele nunca olhara para ela daquele jeito antes.

Ainda assim, embaixo de tudo, havia uma ponta de compreensão, o conhecimento de que aquilo nunca foi considerado uma faceta da amizade deles, naquela noite, ele entendeu que ela precisava experimentar a exceção da regra. Deus sabia que ela provavelmente poderia aproveitar um caso de quebra de regras que não saísse pela culatra.

Esse pensamento forçou Chloe de volta a ação, pois seus recentes fracassos eram as últimas coisas que ela queria em sua mente agora, especialmente quando tinha alguém tão determinado a dar prazer a cada parte de seu corpo. Além do mais, era apenas justo que ela ao menos tentasse fazer o mesmo por ele, começando por desabotoar o botão de sua calça, prendendo os dedos sob a boxer e movendo-as para baixo até onde seus braços permitiram. Ela não tinha uma grande vista de seu corpo, pois ele parecia estar trabalhando na blusa dela e sutiã enquanto beijava sua pele, mas ela não ia reclamar, pois a visão do rosto de Oliver e o alto de sua cabeça não era exatamente indesejada.

Porém, quando ela levantou os braços para correr as mãos pelas costas dele, ele decidiu finalizar o que ela havia começado, tirando a calça antes de mover o olhar para a calcinha dela. Chloe sabia que já estava bem molhada, mas o olhar já era suficiente para aumentar seu desejo. Ela engoliu seco enquanto ele arrancava sua calcinha, e em vez de satisfazer a curiosidade imediatamente, ele pareceu reconhecer que ela tinha que repor um tempo perdido. Depois disso, sua blusa e o sutiã foram as próximas peças a irem embora, em seguida foram alguns segundos para os dois se observarem.

Normalmente esse era o momento em que Chloe se sentiria desconfortável, mas ver que o olhar de Oliver não oscilou foi suficiente para empurrar o medo de lado. Ela não ia deixar esse pensamento entrar em sua cabeça, mas lá no fundo, Chloe pensou que havia uma chance de tudo ter de fato se intensificado nos últimos segundos.

Compreensivelmente, não demorou muito, embora ela não estivesse esperando que o próximo som a encher o ar fosse o de Oliver clareando a garganta. Ela ficou tentada a quebrar o silêncio, mas Oliver parecia determinado a manter a linguagem coerente fora da equação. Por isso ele não pareceu se importar com seus gemidos de antes, nem com o quão alto ela arfou quando ele segurou seus seios com as mãos.

Enquanto a segurava com mais força, Chloe sentiu as costas arquearem, os olhos se fecharem com o desejo de desfrutar cada segundo, mas parecia que as preliminares não iam durar muito. Ela sentiu o corpo dele se mexendo no sofá, o mastro roçando em sua barriga, então ela se preparou para quando ele entrasse dentro dela. O que ela não esperava era não ser a única a reagir à sua lenta entrada.

"Droga, Chloe."

Foram apenas algumas palavras, ainda assim ela foi pega de surpresa, ao sentir o corpo parar, os olhos piscarem enquanto se perguntava se tinha ouvido direito. Era provavelmente errado assumir o contrário, mas o fato de ela estar de fato... o satisfazendo, a surpreendeu. 

Claro, Oliver sentiu a mudança na linguagem corporal dela, então ele levantou a cabeça e fez a uma pergunta mais perigosa do que ele poderia imaginar.

"Você... está bem?"

Ela não deveria estar bem. Apesar do álcool, parecia que Oliver sabia exatamente o que estava fazendo e provavelmente estava fazendo a pergunta pelo fato de que estava dentro dela, não pelo ato em si.

Ainda para sua surpresa, ela respondeu, "Sim. É só que... faz um tempo." Só ela saberia que não era só isso, então quando ele não pareceu estar convencido, Chloe fechou as mãos em seu cabelo, trazendo os lábios dele até os seus, estranhamente aliviada quando ele a beijou de volta.

Era em momentos assim que Chloe se lembrava que ele também era humano. Mesmo que ele soubesse o que estava fazendo, não mudava o que estava acontecendo. Mesmo enquanto ela gritava seu nome após ele se empurrar com mais força dentro dela, Chloe não se permitiria esquecer...

Era só uma noite.

A reviravolta é que você é igual a mim
Você precisa de companhia, você precisa de calor humano


~Fim~

_______________________________________________________________________________

8 comentários:

  1. Tem coisa melhor do que entrar no blog e encontrar uma fic novinha? <3

    Só que não, né, Chloe? Essa foi só a primeira, hahaha!
    Lindo texto! Como sempre, né, eu amo essa autora!

    Aline

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro essa autora, Aline, gosto desse toque angst que ela coloca... :D

      Excluir
  2. Angeliqueeeee!!!! Olá garota!!!! \o

    Amo estas fics que mostram os pensamentos deles em relação ao início do "não relacionamento" deles, a Chloe sempre levantando muros, e o Oliver sempre paciente traçando estratégias para derruba-los.

    Tem como não adorar???

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, GIL! Pois é, a Angelique deixou essa fic traduzida aqui faz um tempão... já estava na hora de postar. Também amo essas histórias do 'não relacionamento'...

      Excluir
  3. Gente, que fic maravilhosa!!! Mas como foi difícil me sentir na posição da Chloe nesse momento, negando a chance de algo mais, descrendo das emoções do Oliver...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a Chloe ainda estava bastante machucada... Felizmente ela encontrou alguém que a merecesse...

      Excluir

Google Analytics Alternative