14.4.13

The Road Back (1/4)

Título: O Caminho de Volta
Autora: serafina19
Resumo: Ele era só mais uma das muitas pessoas que a haviam deixado depois do funeral, mas quando Chloe vê Oliver de novo, ela luta pra enxergar o homem do qual se lembra.
Classificação: PG-13
Linha de Tempo: até Echo na maior parte.


Oliver engoliu outra dose enquanto via seu reflexo no bar. Havia sido dois longos meses tentando desaparecer, tentando se fazer inútil aos olhos das pessoas mais próximas. De alguma forma, ele queria que elas acreditassem... porque que tipo de heroi faz o que ele fez?

Ele arrastou um cara inocente para a linha de fogo e isso custou a vida de Jimmy. Mesmo com o passar dos dias, a culpa não deixava seu rosto ou seu caminho. Ele era um homem destruído, se havia sobrado algum homem ali. Os dias atualmente consistiam em álcool e ressacas constantes e nada mais, o que tinha causado um efeito em Oliver. Mas tudo isso parecia quase nada comparado a pessoa que ele viu do outro lado do bar, um rosto familiar que não esperava ver ali.

Oliver tinha se acostumado a ver os círculos escuros sob os olhos dela, normalmente por falta de sono, mas os olhos de Chloe pareciam muito piores agora, mesmo comparados a expressão dela no funeral. Naquele dia, Oliver ficou bem longe, deixando a culpa que sentia o impedir de perguntar como ela estava. Jimmy fora seu marido e ela o viu morrer em seus braços, ainda assim Oliver nunca perguntou como ela estava. Isso porque Oliver não tinha nenhuma intenção de ver Chloe Sullivan novamente, mas isso não era mais uma possibilidade.

Embora ele tivesse que admitir, Oliver deduziu que haveria alguém ao lado dela depois do funeral. Mas considerando que ele perdeu contato com o time, com todo mundo, parecia que ele estava errado. Então quando ela continuou a girar a bebida com uma expressão perdida, Oliver olhou na direção do barman e perguntou o que ela estava bebendo. A resposta fez Oliver dar um risinho, parecia que eles gostavam do mesmo veneno. Pedindo duas doses, ele se aproximou da mesa, com medo da reação que receberia quando ela o visse de novo.

~0~

Chloe suspirou enquanto olhava para o copo, lembrando de como sua vida estranhamente refletia o mesmo vazio. Sua vida toda estava uma bagunça e ainda assim ela continuava, perguntando se ainda havia alguma coisa boa. Independente se ela dirigia de volta para o Talon para estar com Lois ou se dormia na Watchtower, sua vida era quieta, solitária, distante.

Do seu próprio jeito, ela mantinha um olho em todo mundo, mas Chloe começava a duvidar disso também. Qual a razão de manter o olho em alguém que não queria mais nada com ela? Nenhum telefonema, email, definitivamente nenhuma visita. Mas ela não conseguia desistir, e era por isso que tinha mandado um email pra todo mundo hoje, ou pelo menos, quase todo mundo. Uma das exceções estava parada na sua frente agora, a expressão contradizendo a ênfase com que colocou o copo na mesa, fazendo-a balançar.

Fazia muito tempo desde que tinha visto Oliver, tirando a olhada na ficha que ela roubou meia hora atrás. Ela pensou em conversar com ele, mas Emil deixou claro que ele não queria ser encontrado, então ela resolveu que deveria respeitar seus desejos. Especialmente depois do que ele tinha passado na semana anterior e do fato de ele ainda estar em lugares como aquele tomando todo álcool do mundo. Então Chloe estreitou os olhos, perguntando-se o que estava passando na cabeça de Oliver ao deslizar um copo perto dela.

"Eu não estou seguindo você", ela disse, e desta vez, era verdade. Chloe não acreditava muito em coincidências, mas desta vez... talvez fosse uma exceção.

"Nossa, nem um obrigado?" Oliver perguntou secamente, jogando-se na cadeira na frente dela, fazendo Chloe revirar os olhos.

A esta altura, ela não sabia qual a intenção dele ali, então o agradou, pegando o copo e inclinando-o levemente. "Obrigada", ela disse.

E foi quando Oliver viu, a frieza em seu olhar, a dureza de seus gestos. Estava longe de ser a Chloe que ele tinha deixado pra trás. "Como você está?"

Ela suspirou e tomou um pequeno gole do uísque, permitindo que o líquido descesse queimado sua garganta.  "Não muito melhor que você."

"Claramente", Oliver respondeu, ele podia ver isso, mas a resposta direta foi quase inesperada. "Nunca achei que você fosse de beber."

Ela devolveu o copo na mesa. "Bem, eu nunca imaginei que você fosse o tipo que foge quando as coisas ficam feias."

Oliver riu secamente ao comentário. "Anotado."

"Mesmo?"

Houve um silêncio que se prolongou entre eles enquanto examinavam suas respectivas bebidas. Em um determinado momento, eles tinham sido amigos, colegas de equipe, mas agora eram pessoas distantes sentadas uma na frente da outra, perdidas nos eventos de meses antes.

Desistindo, Oliver se levantou e sussurrou. "Eu sinto muito", enquanto se afastava.

Ainda olhando para o copo, ela disse de volta. "Pelo quê?'

De costas pra ela, ele deixou a cabeça cair. "Por Jimmy, pela falta de contato, por..." Oliver deixou a voz falhar quando percebeu que a lista de coisas que tinha estragado era maior do que queria admitir em voz alta.

Além do mais, até Oliver sabia que isso não seria suficiente. Claro, o pedido de desculpa era legal, mas as palavras não iam consertar tudo. Afastando a cadeira, Chloe olhou feio pra ele. "E ir embora supostamente vai deixar tudo melhor? Não ajudou antes."

Ele engoliu em seco com a última frase. "Eu deduzi que era o que você queria." No mínimo, baseado em como ela estava agindo agora, Oliver não se sentia mais bem-vindo.

Só que Chloe não estava falando sobre a presente situação. "Sim, eu queria que todo mundo que eu gosto fosse embora." Empurrando a cadeira mais pra trás, ela girou e bateu as mãos na mesa, sabendo como queria dizer o quanto precisou da equipe, mesmo que fosse um único membro depois daquele dia. Ao invés, parecia que todas as suas tentativas de comunicação estavam indo para este buraco negro. "Eu fiquei completamente perdida depois daquele funeral, e mesmo assim eu sou a única que está tentando seguir em frente."

Olhando pra cima, Chloe percebeu que tinha atraído muita atenção pra si mesma, já que a maior parte dos clientes do bar estavam olhando pra ela. Uma dessas pessoas era Oliver, mas Chloe sabia que tinha que continuar. "No final, não importa o que eu quero... nunca importou." Deslizando os braços dentro do casaco, Chloe se sentiu agradecida que não tivesse que passar por ele pra ir embora. Pegando a bolsa, ela notou o olhar de Oliver, mas um olhar não ia mudar o fato de que Oliver não tinha nenhuma intenção de voltar, então Chloe não tinha escolha.

"Adeus, Oliver."

Ela imediatamente girou e saiu, não querendo mais olhar pra ele. Era muito difícil vê-lo jogar a vida fora desse jeito. A única razão para as lágrimas não caírem era o vento gelado atingindo sua pele, o que foi suficiente para mudar o humor de Chloe. Mas enquanto continuava a descer o quarteirão, Chloe ouviu o fraco barulho de passos atrás, então ela colocou a mão dentro da bolsa, pronta para atacar quem quer que fosse se chegasse muito perto.

"Não é verdade."

Chloe parou, perguntando-se o que Oliver estava fazendo agora. Mas não importa o quanto suas palavras fossem nobres, suas ações provavam o contrário. "O time está desaparecido, você praticamente está jogado na sarjeta, Lois também está ocupada tentando encontrar Clark, que ainda está recluso. A Watchtower é tudo que eu tenho, e sem equipe... até isso parece sem sentido."

Oliver ficou apenas olhando pra ela, percebendo como a mão dela ainda não tinha saído da bolsa. Ele pensou em pegá-la de surpresa, mas ser atingido por um taser não estava na sua lista de desejos. Então ele esperou pacientemente Chloe finalmente virar, quando ela acrescentou. "Como você vive assim? Tem que haver uma razão para encontrar a solução pra tudo num copo de uísque."

"Diminui a dor."

"Oliver... você ainda está aqui."

"E você também."

Ela bufou, sentindo que um pouco de sua frustração era justificável e continuou a trabalhar na direção de apaziguar o que tinha feito. "Uma palavra sua e os rapazes voltam a ficar online, mas ao invés você está aqui."

"Talvez eu não seja o líder que você pensa que eu sou."

Chloe balançou a cabeça enquanto suspirava incrédula com as palavras que estava prestes a dizer. "Éramos amigos, Oliver, isso significa que eu sei o quanto você é importante para aqueles caras. Todos nós cometemos erros neste caso, mas você é um lutador e você tem que seguir em frente."

Ele se sentiu lisonjeado com a maior parte das palavras, mas Oliver não podia aceitá-las completamente sem questionar uma em particular. "Éramos amigos?"

Depois de mexer dentro da bolsa, Chloe estendeu o celular dele pra ele. Era uma vergonha que ela o tivesse guardado, mas estava feliz por isso agora. "Eu deduzi que este era seu jeito de se desligar do mundo. Clark diz na minha cara, mas você... entra em modo de silêncio."

Mordendo a língua, Chloe sentiu o conflito enquanto o som do vento cobria o silêncio que ficou no ar. Esta noite provava que ainda havia um pequena vontade de lutar nele, mas Chloe não podia fazê-lo se transformar com tão pouco. "Você é um líder, Oliver, mesmo agora eu sei que o heroi ainda vive dentro de você. Se decidir se lembrar disso, sabe onde me encontrar." Parecia duvidoso, mas apesar de suas ações anteriores, era um pouco mais difícil de desistir de Oliver do que ela imaginara.

Enquanto Chloe se virava, Oliver a segurou pela mão. Ela ia perguntar o que ele estava fazendo quando o sentiu pegar o telefone de sua mão. Com um sorriso, ele virou e começou a se afastar.

~0~

Era só um telefone. Um que ele tinha jogado fora meses atrás, então porque Oliver não conseguia parar de olhar pra ele?

Uma pergunta ainda melhor era porque Chloe não tinha deletado todas as suas mensagens de voz ou tentativas de ligar pra ele? Era um lembrete de sua incompetência? Um jeito fácil de lembrar que devia seguir em frente?

Independente disso, enquanto Oliver via cada ligação, podia ver o quão genuína as palavras de Chloe tinham sido. Em cada sílaba que ele ouvia na caixa-postal, a culpa aumentava, junto com a percepção de que ele tinha sido egoísta esse tempo todo, especialmente nas últimas semanas. Todo mundo lhe disse que ele era melhor do que isso, então porque ele não conseguia acreditar? Diabos, até Clark tentou impedi-lo de tomar esse caminho, então ele deduziu que os dois amigos ainda estavam em contato, e o fato de não ser mais o caso só intensificava a frustração de Oliver.

Olhando para o copo que tinha enchido quando chegou em casa, ele o pegou e de repente o jogou com força contra a parede, vendo os pedaços caírem no chão e o líquido escorrer pela parede, ao mesmo tempo em que as palavras de Chloe voltavam.

Como você vive assim? Tem que haver uma razão para encontrar a solução pra tudo num copo de uísque.

A resposta de Oliver foi verdadeira, de fato ajudava com a dor, mas ele nunca teve alguém com quem pudesse falar sobre os problemas. Mas agora enquanto olhava de novo para o telefone, Oliver percebeu que tinha afastado alguém que podia ajudá-lo, que estar com Chloe podia tirá-lo do abismo muito mais rápido.

Outros haviam tentado, mas Clark não era a pessoa certa pra entregar uma mensagem e Tess só precisava dos aspectos superficiais dele. Chloe, por outro lado, o queria de volta, e mesmo depois de ele ter lhe dado todas as razões para duvidar, ela queria acreditar nele. Mas então, convencê-la de que sua fé era justificada não seria uma tarefa fácil. 

Mesmo assim, Oliver se encontrou ligando para o número dela, não surpreso em ouvir os toques vazios  e um pouco derrotado pela voz dela na caixa-postal.

O bipe soou e Oliver se sentiu suspirar enquanto sentava no sofá. "Ok, eu mereço isso", ele disse honestamente, sabendo quanto esforço Chloe tinha feito por ele. "Mas caso você de fato escute essa mensagem, saiba que eu realmente sinto muito."

Abrindo os olhos, Oliver se virou na direção da sala onde guardava seu equipamento, um lugar que vinha evitando há meses. "É isso que você quer ouvir? Isso ajuda? Provavelmente não." Afinal, ações falavam mais do que palavras e se Chloe tivesse uma ideia de todas as coisas que Oliver tinha feito, sua credibilidade com ela iria por água abaixo. "Mas é tudo que eu tenho."

Levantando-se novamente, não demorou muito antes de Oliver abrir a entrada da sala, percebendo a bagunça que se parecia com tudo em sua vida. Enquanto se abaixava pra pegar os óculos que tinha jogado ali antes de deixar a Torre do Relógio para queimar seu uniforme, Oliver se lembrou do quanto ele achou que estivesse acabado. E esse tempo todo, achou que de fato estivesse.

Enquanto estava ali ajoelhado, lembranças das últimas semanas passaram por sua mente, fazendo-o apertar o telefone com mais força, respirar fundo para se controlar. "Eu... Eu sinto muito", ele repetiu antes de terminar a ligação.

_____

___________________________________________________________________________

8 comentários:

  1. Nossa, que linda. Adorei o começo, mal posso esperar por mais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lu... A Serafina postou o capítulo dois, traduzo ainda esta semana... Que bom que gostou!

      Excluir
  2. Oh! Gente, fics dessa época são sempre tão forte e lindas... gosto muito!! Já me fisgou =D

    Aguardando por mais, Angelique!

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, GIL, que bom que gostou, logo já sai o segundo, prometo! Beijos.

      Excluir
    2. Aaaaaaaah! Que maravilha!!
      Beijos! \o

      GIL

      Excluir
  3. Ai, simplesmente ADORO as fics da season 9, que delícia!!!!!! Mais!!!!!

    Edicleia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais, logo, logo... :D

      Excluir
  4. Nossa, que fic linda. Adoro essa fase do relacionamento deles. Foi tão pouco explorada na série.

    ResponderExcluir

Google Analytics Alternative