12.6.13

Of Ben & Jerry's and Secrets Identities

Título: Sobre Ben & Jerry e Identidades Secretas
Autora: daydreamer22688
Classificação: NC-17
Banner: soapfan101
Especial: Dia dos Namorados
Tradução: Paula



Era Dia dos Namorados e Chloe sentia uma pequena vontade de vomitar. Lois e Clark foram jantar fora com Pete e Lana, criando uma grande família de casais felizes. Eles a convidaram, claro, mas por que uma mulher solteira ia querer ir a um jantar romântico com dois casais, em um restaurante cheio de casais? Ela preferia ser torturada pelas mãos violentas de Lex Luthor a essa altura, a se sentar para uma festa romântica nojenta.

Caminhando para o supermercado, Chloe tinha planejado comprar um saco gigante de alcaçuz, um pote de sorvete com brownie assado e uma grande garrafa de vinho tinto barato. Ela planejava encher a cara e assistir Bridget Jones... Ou talvez um filme de terror.

Em pouco tempo, ela tinha uma cesta cheia de guloseimas e estava andando pelo corredor de comida congelada. Ela só precisava pegar seu sorvete e iria embora. Passando pela vitrine de Dia dos Namorados, ela não pode deixar de encarar os enfeites vermelho e rosa e os bebês querubim nus. Parecia que o Cupido havia comido biscoitos demais antes de voar e vomitou a loja toda.

Quando chegou ao freezer de sorvete, ela ignorou o homem de pé em frente do caixa e enfiou a mão no congelador, ao mesmo tempo que ele. Coincidentemente eles tinham alcançado o mesmo e último pote de sorvete. Suas mãos se encontraram cada um agarrando uma parte do litro.

"Se você não me deixar levar este sorvete, eu posso ser forçada a matá-lo", Chloe disse ao estranho sem olhar para cima.

O homem não soltou o sorvete, em vez disso, ele o tomou das mãos dela e segurou-o em seu peito, um riso quente e intenso vindo dele.

Chloe fechou os punhos antes de olhar para o tomador de sorvete a fim de repreendê-lo.

Ela não estava esperando que o homem fosse Oliver Queen, o executivo bilionário, no entanto. Seu rosto anguloso mostrava um sorriso afetado, como se ele estivesse contente em vê-la. A mente dela ficou em branco, e por um momento ela esqueceu que ele havia roubado o sorvete de suas mãos.

Ela engoliu em seco e se recompôs, uma linha de raiva se formando em sua testa e um bico nos lábios.

"Desculpe, mas parece que você está segurando o meu sorvete."

Ele sorriu, "Bem, é aí que você se engana... porque parece que estou segurando o meu sorvete, visto que ele está nas minhas mãos.”.

"Não... eu estava segurando e você o arrancou das minhas mãos!" Ela quase gritou, com as mãos nos quadris.

Chloe tentou alcançar o sorvete, mas Oliver o segurou acima de sua cabeça.

"Ei! Só porque você é Oliver Queen não significa que pode roubar o sorvete de gente comum! Você não pode ir para casa e comer trufas com ouro comestível?”

Oliver soltou uma risada, "Ao contrário da crença popular, nem todas as pessoas ricas são idiotas pretensiosas que ostentam seu dinheiro, e acontece que eu gosto muito mais dos sorvetes Ben & Jerry do que de trufas com ouro comestível.”

"Caro Oliver Queen, é Dia dos Namorados... você não tem um encontro quente com alguma modelo?"

Ele suspirou, "Eu estou começando a pensar que você tem uma queda por mim.”

Chloe corou, cruzando os braços sobre o peito.

"O-quê? Do que você está falando?”

"Bem, obviamente você sabe quem eu sou... e você fica repetindo meu nome, então você deve ler sobre mim nas colunas de fofocas. Você faz parte de algum fã clube?” Ele sorriu.

"Não deixe que o seu ego exploda sua cabeça, Sr. Queen. Eu sou uma jornalista."

"Huh... não é surpreendente."

"E o que é que isso quer dizer?"

"Isso explica o seu sarcasmo."

Chloe bufou: "Agora que resolvemos isso, posso ter meu sorvete?”

"Eu já disse a você, é o meu sorvete."

"Qual é! Eu vim especificamente para esta loja, para levar este sorvete e é o último!”

"Bem, eu também quero ele."

"UGH! Você tem noção da droga de dia que eu tive hoje? E agora você está me privando de uma coisa que eu quero.”

"Pela aparência do seu cesto, você já tem muita porcaria, e eu realmente só vim pelo sorvete."

"Estes são essenciais... o sorvete era um presente para mim mesma pelo Dia dos Namorados."

"Então se entupir com alcaçuz e uma garrafa de vinho tinto barato é uma ocorrência normal pra você?"

"E se for?"

"Eu diria que você pode precisar de alguma companhia para ajudá-la... afinal, uma pessoa nunca deve beber sozinha."

A boca de Chloe abriu e fechou várias vezes, mas nenhum som saiu.

"O que você diz de voltar comigo para onde eu estou instalado, vamos comer sorvete e compartilhar esta garrafa de vinho... Se você tiver sorte, eu deixo você beber algo um pouco mais caro."

Chloe zombou: "Então eu estava certa sobre você, aparentemente. Desculpe-me Sr. Queen, mas eu não tenho vontade de ser mais uma na sua cama. Aproveite o sorvete."

Quando Chloe se virou para ir embora, Oliver agarrou seu braço, e a virou de volta para ele, com um sorriso estampado em seu rosto.

"Oh, vamos lá, eu estava brincando."

Chloe levantou uma sobrancelha para ele: "Claro que você estava, e meu nome não é Chloe Sullivan.”

Oliver levantou uma sobrancelha para ela, "Chloe Sullivan... Já ouvi falar de você”.

Chloe gemeu internamente a sua boca grande, ela nunca tinha tido a intenção de deixa-lo descobrir seu nome. Mas o fato de Oliver Queen saber quem ela era tinha aguçado sua curiosidade.

"Você já ouviu?"

"Sim... muito sobre a repórter que você é, na verdade”.

"Ótimo, agora que ambos conhecemos um ao outro posso ter meu sorvete?" Ela fez beicinho.

Oliver deu um sorriso: "Não".

Ele passou por ela em seguida, "Tenha uma boa noite, Sullivan".

Chloe bufou e bateu o pé no chão infantilmente. Enquanto o observava ir embora, ela suspirou derrotada.

"Tudo bem!" Ela gritou, fazendo-o parar e se virar, o sorriso torto ainda plantado no rosto dele.

"Tudo bem, o quê?"

"Eu compartilho o meu sorvete com você, desde que você pague por ele."

Oliver caminhou mais para perto dela, olhando-a como um homem à espreita.

"Você realmente quer tanto esse sorvete, que vai passar uma noite inteira comigo, só para compartilhá-lo?"

"Não questione minhas prioridades Queen ou eu... eu vou...”

"Você o quê?"

"Eu não sei, mas vai ser desagradável."

Oliver sorriu e começou a caminhar em direção ao caixa. Chloe revirou os olhos e seguiu atrás dele. Quando eles estavam andando lado a lado, Oliver pegou a cesta dela e a colocou ao lado de seu sorvete.

"Ei! Eu posso pagar por isso.”

Oliver não disse nada, apenas sacou seu cartão rapidamente enquanto a jovem caixa os observava com interesse.

Chloe revirou os olhos pela milionésima vez, planejando devolver o dinheiro para ele em algum momento mais tarde.

Quando eles saíram para o estacionamento, Chloe se dirigiu para seu carro, mas parou quando a mão de Oliver aterrissou em seu ombro.

"Ei, eu pensei que você queria o meu sorvete", ele sorriu.

"Eu sigo você."

"Bobagem, nós vamos caminhando para minha instalação daqui. É só subir a rua.”

Chloe olhou para ele com desconfiança.

"Tudo bem", ela disse, levando seu dedo indicador ao peito dele e cutucando-o com força: "Mas nada de gracinhas”.

"Claro que não", ele sorriu e começou a andar.

Chloe bufou e seguiu-o.

"Eu ainda não entendo por que você não pode simplesmente me dar o meu sorvete."

"Já passamos por isso, não adianta perder tempo."

"Mas... mas você, Oli...”

Oliver parou e colocou um dedo sobre os lábios dela.

"Shush. Siga-me.”

Chloe parou, uma familiaridade se arrastando sobre ela ao dedo sobre seus lábios. Ela o afastou, no entanto e suspirou, seguindo-o de qualquer maneira. Ela não podia acreditar que estava realmente fazendo isso, indo para o recinto de Oliver Queen apenas para que pudesse tomar sorvete, Deus, ela era patética.

Oliver observou a pequena loira pensante ao lado dele e sorriu triunfante. Quando ele foi para o supermercado, não estava pensando em comprar nada em particular. Mas quando viu Chloe Sullivan andando pelos corredores, ele a seguiu e viu o momento perfeito para falar com ela. Ele não poderia ter imaginado que seu plano aleatório funcionaria tão bem.

Ele vinha acompanhando a jovem repórter desde que começou a correr pelas ruas como o Arqueiro Verde. Ele ainda a salvou em várias ocasiões, a primeira há alguns meses durante o que ele assumiu ser sua tentativa de investigar um dos laboratórios 33.1 de Lex. Após uma pesquisa, ele descobriu suas experiências na Tocha durante a escola e que ela era a melhor amiga de Clark Kent, também conhecido como "O Blur" com quem ele trabalhou na ocasião. Ele ficou atraído pela pequena mulher desde o primeiro dia e o fato de que ela estava lutando pelas mesmas causas que ele intensificou sua atração. Ele queria saber tudo sobre ela.

"Você não é mesmo um assassino em série é?"

Oliver riu, "Eu sou Oliver Queen, e você acha que eu sou um assassino?”

"Bem, eu posso pensar em alguns outros bilionários que não são exatamente santos".

"Não me compare aos Luthors."

"Quem disse que eu estava fazendo isso?" Chloe perguntou inocentemente.

Oliver balançou a cabeça: "Eu apenas vou fingir que isso nunca saiu de sua boca.”

Chloe sorriu, bem, pelo menos ela sabia qual era sua fraqueza no caso de ele tentar qualquer gracinha.

Logo eles chegaram ao edifício de Oliver e ela suspirou ao vê-lo. Ela deveria saber que ele moraria na Torre Queen (as coberturas mais caras em Metropolis), ele era o dono, afinal.

Quando passaram pelo segurança, o homem acenou para Oliver e disse olá para Chloe, dando a ela um olhar astuto para o qual ela revirou os olhos.

Quando eles entraram no elevador, Chloe não estava nem um pouco surpresa que ele apertasse o botão para o andar de cima e usou um cartão de chave privada para o acesso.

"Deixe-me adivinhar, as melhores vistas de Metropolis?"

Oliver sorriu: "Acertou.”

Quando chegaram ao apartamento dele, ela ficou surpresa ao descobrir que estava na verdade, dentro do relógio, ela tinha que admitir que estava impressionada.

"Impressionante, não é?" Oliver disse convencido.

Chloe riu, "Eu acho que vou te dar alguns pontos dessa vez. Nem todo mundo pode dizer que mora em um relógio. Mas você não ouve o tique-taque o tempo todo?”

"Você ouve agora?" Ele brincou.

Quando o silencio envolveu a sala, ela não ouviu nada.

"Como?"

"Insonorização".

"Ahhh, isso é hardcore."

"A maioria das coisas sobre mim são... hardcore."

Chloe não pode deixar de rir, ele pareceu tão sério.

"Vamos lá, vamos dividir este sorvete e eu vou pegar uma boa garrafa de vinho. Sinta-se confortável.”

"Nada há de errado com o meu vinho barato."

"A não ser que ele foi pisado pelos pés de alguém e destilado em uma banheira."

Chloe cruzou os braços sobre o peito e fez bico.

"Cada um com seus gostos."

"Confie em mim, você vai pensar diferente até o final da noite."

"É mesmo?"

"Eu nunca mentiria para você, Sullivan," ele sorriu antes de sair da sala.

Chloe balançou a cabeça e levou um momento para percorrer o apartamento dele. Para uma cobertura até que não era exagerada, mas era espaçosa e decorada com um estilo muito moderno. A vista era incrível e quase irreal. Se deparar com uma foto de Oliver e seus pais quando ele tinha não mais de cinco anos, a fez sorrir. Eles pareciam uma família saída direto do catálogo de alguma loja.

Depois de colocar a foto de volta na estante, ela se sentou no sofá laranja, tirando seus sapatos e ficando confortável, o silêncio do espaço a envolvendo enquanto os pensamentos começaram a consumi-la.

Por que ela concordou em fazer isso? Ela estava louca? Ela nem conhecia Oliver Queen, só sabia o que os tabloides tinham imprimido sobre ele. Ela era uma idiota, ela não deveria ter vindo.

"Pare de pensar," a voz de Oliver cortou seus pensamentos, enquanto ele colocava um copo de vinho em sua visão.

Chloe sacudiu os pensamentos e olhou em seus olhos castanhos.

"Obrigada", ela disse pegando o vinho dele e se recostando no sofá.

"Eu disse para parar de pensar", ele disse outra vez, sentando próximo a almofada ao seu lado.

"Você não colocou droga aqui não é?"

Oliver balançou a cabeça “Chloe, apenas beba o vinho.”

"Certo", ela disse tomando um gole. Os sabores bateram em sua língua de uma só vez como um trem de carga e ela não conseguiu conter o gemido que escapou de seus lábios.

"Eu te disse", ele sorriu conscientemente.

"Eu posso sentir o gosto de tudo... é incrível."

"Me diga qual gosto você sente", ele perguntou, inclinando-se um pouco.

Chloe não pôde conter o calor subindo em suas bochechas com sinceridade na voz dele, e o jeito como ele estava olhando para ela com tanta intensidade, como se não pudesse se controlar.

Chloe limpou a garganta, “damascos," ela parou e tomou outro gole, deixando o líquido frio cobrir suas papilas gustativas, "maple... e amora.”

Oliver deu um sorriso torto, "Muito bom".

"Eu impressionei você Sr. Queen?"

"Na verdade sim."

"Eu posso comprar vinho barato, mas isso não significa que eu não conheça meus vinhos."

"Touché".

"Então, você gosta de Metropolis?" Chloe disse, percebendo de repente o quão perto eles estavam, ela afastou a mão e tomou outro gole de seu vinho.

"Eu tenho que admitir que a paisagem é... muito melhor... que Star City", ele disse, olhando diretamente para ela.

Chloe ficou vermelha novamente, "É assim que você conquista todas as mulheres?”

Oliver riu baixinho, "Eu não sei, isso funcionou em você?”

"Nem chegou perto."

"E eu aqui pensando que iria aperfeiçoar minhas habilidades."

Chloe balançou a cabeça: "Bem, você pode precisar de um pouco mais de prática.”

"Bem, você estaria disposta a me ajudar com isso?"

"Você nunca desiste não é?"

"Eu gosto de você Chloe, você está mal-humorada."

"Você me conhece há quanto tempo? Dois segundos?”

"O que posso dizer, eu sou um bom juiz de caráter."

Tomando outro gole de vinho, Chloe clareou a garganta a declaração dele.

"Então me diga, Queen, você poderia ter qualquer mulher que quisesse, estar no melhor restaurante em Metropolis, mas você ainda está aqui comigo. Por quê?”

Oliver tomou um gole de vinho, dando de ombros, "Eu nunca fui de feriados comerciais. Já para não falar, por que gastar um dia que era para ser sobre o amor e o romance com apenas outra garota que está atrás do meu dinheiro? Eu prefiro gastá-lo sozinho.”

Chloe olhou para ele, talvez tivesse estado extremamente errada sobre seus julgamentos anteriores. Ele parecia bastante genuíno em sua resposta, ela via a verdade em seus olhos.

"E você Sullivan, você é uma mulher bonita, mas estava prestes a se atirar em uma festa de auto piedade... Por quê?" Ele disse buscando seus olhos verdes, vendo um flash de dor correr por eles.

Ele a observou terminar seu vinho antes de colocar o copo vazio sobre a mesa.

"Podemos assistir TV e comer meu sorvete agora?" Ela disse, sem olhar para ele.

Oliver podia ver que o assunto estava fora dos limites, e respeitou aquilo, embora ele quisesse conhecê-la e saber todos os seus segredos, ele apenas teria que esperar.

"Nós temos que usar nossas próprias taças ou está tudo bem para você compartilhar os meus germes também?" Ele sorriu.

"Apenas pegue o sorvete antes que eu seja forçada a bater em você", ela disse voltando-se para ele outra vez, o sorriso de volta no rosto.

Oliver bufou, "Entendido".

Chloe se serviu de um copo de vinho contra seu melhor juízo, antes de se recostar ao sofá com o controle remoto da TV de Oliver. Ela olhou para aquilo por alguns momentos, antes de decidir que parecia muito caro e complicado de mexer. Sem falar que ela não tinha visto uma TV em qualquer lugar.

Quando ele voltou com o sorvete e duas colheres, Chloe estendeu o controle para ele.

"Você não tem um controle normal e eu fiquei com medo de quebrar este. Então, eu acho que é melhor você ser o homem da televisão.”

Oliver riu e colocou o sorvete sobre a mesa antes de pegar o controle remoto dela e se recostar ao sofá.

"Você não é boa com computadores? Como está assustada com um controle remoto?”

Chloe parou e olhou para ele, "Por que você acha que eu sou boa com os computadores"? Ela perguntou desconfiada.

Oliver se atrapalhou um pouco com o controle remoto antes de se recuperar, "Oh, bem, eu só assumi que com todo o trabalho no Planeta... Quer dizer que você está em torno de computadores todos os dias... pesquisando e outras coisas.”

"Outras coisas?"

"Sim... coisas."

Chloe arqueou a sobrancelha para ele: "Você é estranho, Oliver Queen.”

"Obrigado", ele disse apontando em direção a televisão e mudando para um dos canais de filmes.

"Isso é uma tela de projeção?" Ela disse olhando para a parede onde as imagens começaram a se movimentar.

"Sim, e quase não é utilizada o suficiente para compensar o quanto custa."

"Isso é incrível, eu sinto como se estivesse no cinema."

Oliver clicou em O Senhor dos Anéis e clicou no botão de som estéreo, fazendo com que o chão tremesse um pouco e Chloe se sobressaltasse.

"Nossa!" Chloe quase riu. "Isto é incrível.”

Oliver não pôde deixar de sorrir ao entusiasmo dela.

"É bom ser capaz de compartilhá-la com alguém que aprecia."

"Ninguém assistiu a um filme aqui com você antes?"

O rosto de Oliver ficou levemente entristecido antes de um meio sorriso voltar ao seu rosto, "Eu não tenho exatamente muito de tempo livre, ou muitos amigos... pelo menos não aqueles que não queiram o meu dinheiro.”

"Então você está supondo que eu não quero o seu dinheiro? Porque é por isso que eu estou aqui.”

Os dois se olharam com expressões sérias por um momento, antes de estourarem em gargalhadas.

"Ohhh, O Senhor dos Anéis! Eu amo este filme," Chloe saltou, voltando sua atenção para as imagens.

"Eu nunca vi esse", Oliver disse, voltando sua atenção para a tela também.

"Sério?" Chloe perguntou abrindo a embalagem do sorvete e pegando uma colher, em seguida, entregando a outra para Oliver.

"Sim".

"Você está perdendo."

"Chloe Sullivan... a nerd".

"Ei! É um bom filme.”

Oliver sorriu ao quanto ela era bonita quando estava com raiva, "Bem, você pode me ensinar tudo sobre ele.”

"Bem, nós poderíamos tornar isso interessante... se você quiser."

Oliver levantou uma sobrancelha, "estou ouvindo.”

"Disputa de quem aguenta beber mais.”

"E você pensou que eu estava tentando tirar suas calças? Eu acho que é o contrário.”

"Como queira Queen. Você está com medo que eu aguente beber muito mais do que você.”

"HA! Isso é uma piada, Sullivan. Você é do tamanho da Sininho”.

De repente sorvete voou para o rosto de Oliver e aterrissou diretamente entre seus olhos. Silêncio envolveu o ambiente antes de risos começarem a borbulhar da boca de Chloe.

Oliver lambeu o sorvete que escorria perto de sua boca antes de pegar um guardanapo e esfregar na testa.

"Não acredito que você jogou sorvete na minha cara."

"Ninguém, e eu quero dizer ninguém, me chama de Sininho", ela disse séria.

"Trauma de infância?"

"Na verdade sim."

Oliver engoliu, "Oh".

Chloe ficou séria por um momento antes de explodir em gargalhadas: "Eu estava brincando... você devia ter visto a sua cara.”

De repente, um travesseiro voou para o rosto de Chloe, arrancando o sorvete de suas mãos e fazendo-o cair em seu colo.

"Minhas calças!" Chloe gritou, rapidamente se levantando e derrubando o sorvete no chão.

"O sorvete!" Ela quase chorou lamentavelmente, fazendo Oliver rir.

"Eu compro calças novas para você."

"Ugh! Você está tão ferrado”.

De repente, Oliver foi arremessado para trás enquanto Chloe voava sobre ele com um travesseiro nas mãos, derrubando-o no chão com um grande estrondo antes de bater em seu rosto várias vezes com o travesseiro.

Depois que sua respiração Oliver voltou, ele rapidamente agarrou os pulsos dela e a deitou, prendendo-a debaixo dele.

"Você está louca?" Ele riu enquanto ela lutava.

"Você estragou minhas calças! E me fez largar meu sorvete! Eu nem sequer consegui comer nada.”
"Você começou."

"Me deixa sair," ela bufou.

"Não".

De repente, a sala ficou em silêncio, exceto pelos sons do filme no fundo, mas Chloe nem sequer ouvia. Ela estava muito consciente do corpo duro de Oliver em cima dela, suas mãos ásperas, mas suaves em seus pulsos e seus olhos castanhos olhando atentamente para os dela.

Ela nem conhecia Oliver Queen, e ainda assim se sentia como se o conhecesse, e naquele momento, ela sentiu que já tinha visto aqueles olhos antes.

Oliver sentiu como se todo o ar tivesse sido sugado para fora da sala. Ele tinha falado com ela antes, não apenas como Oliver Queen. Ele olhou aqueles olhos verdes e sentiu o corpo dela contra o seu nos momentos de terror conforme eles estavam correndo do edifício 33.1 enquanto ele explodia. Mas agora ele era apenas Oliver e ela era apenas uma garota que ele conheceu no supermercado, mesmo que ele tivesse propositadamente corrido até ela e roubado seu sorvete. Mas ele se sentia como se a conhecesse e queria estar mais perto dela.

"Oliver..." Chloe disse, afastando-o de seus pensamentos.

Ele então percebeu o quão perto os seus lábios estavam quando suas respirações começaram a se misturar.

"Você é linda", ele disse, antes que pudesse se conter.

Ela sentiu o rosto corar e o vinho bombear através de seu sistema, seu corpo formigando em todos os lugares e ela estava ansiosa por estar tão perto dele.

"Já nos conhecemos antes?" Ela perguntou em voz baixa e de repente, seus lábios roçaram os dele em um sussurro enquanto ela falava.

"Sim..." Oliver encontrou-se dizendo antes que pudesse se impedir, o corpo dela ficando tenso debaixo dele.

"Quem é você?" Ela perguntou novamente, sua respiração parando.

"Você está segura comigo", ele disse e Chloe sentiu como se o tempo tivesse parado.

Chloe estava correndo de um guarda, enquanto fugia pelo corredor de um dos mais novos depósitos 33.1 que ela tinha encontrado. Ela pensou que estivesse abandonado, que Lex o houvesse deixado semanas atrás, mas estava errada.

Ela já tinha torcido o tornozelo e não podia correr rápido o suficiente. De repente, o guarda caiu ferido no chão, uma flecha verde cravada em seu ombro. Então Chloe sentiu uma mão enluvada contra seu braço e um homem puxando-a para trás contra uma parede.

"Shhh", o homem em couro verde disse: "Você está segura comigo.”

Chloe engasgou um pouco enquanto suspirava trêmula.

"Arqueiro Verde", ela afirmou em vez de perguntar.

Oliver engoliu. Quando tentou se afastar, ele sentiu as mãos de Chloe segurando seu bíceps, mantendo-o no lugar.

"Você sabia que eu estava no supermercado não é? E eu não me refiro apenas sobre a repórter que eu sou."

"Sim", ele disse, não querendo mentir para ela.

"Você me seguiu?"

"Não... não, eu vi você e... bem, você está aqui agora. Eu realmente não planejei.”

Chloe estava confusa, mas ainda assim ela não se importava em ser cuidadosa. De repente, seus lábios estavam nos lábios dele como se tivessem vontade própria e ela estava segurando sua camisa com força.

Por um momento, Oliver ficou atordoado, mas seus lábios automaticamente reagiram, moldando-se aos delas, seu corpo respondendo ao dela enquanto ele a empurrava ainda mais para o tapete felpudo debaixo deles. As mãos dela encontraram seus cabelos enquanto sua língua procurava pela dela.

Quando o ar se fez necessário eles se separaram, ofegantes e descansando a testa um contra o outro.

"O que estamos fazendo?" Chloe perguntou a ele.

"Eu não sei", disse ele honestamente.

"Nós nem nos conhecemos."

"Eu sei."

"Eu não sou esse tipo de garota."

"Eu não sou o playboy que o povo acha que eu sou, eu não sou mais aquela pessoa, eu nunca iria tratar você como algo de uma noite só Chloe. Eu sei que você é uma garota esperta.”

"Nós só estamos solitários... é Dia dos Namorados."

A mão de Oliver agarrou seu cabelo, puxando-a para outro beijo.

"Eu sei que é loucura", ele disse depois de se afastar, depositando beijos quentes no pescoço dela, "Mas eu sinto que é mais do que isso... Fale que eu não estou louco por sentir isso", ele disse, beijando o pescoço dela abaixo até o ombro, arrastando o casaco pelo seu braço, expondo a pele suave, branca e cremosa à curva de seus lábios. "Me diga que você sente isso também.”

Chloe agarrou o bíceps dele, se arqueando do chão, seu corpo estava implorando por ele e ela não podia parar, ela não queria parar.

"Você não está louco, eu não sei o que é isso."

Ele beijou o caminho de volta pelo braço dela, chupando o vale de sua clavícula, saboreando sua pele e memorizando o seu cheiro.

Ele levou seus lábios contra os dela novamente, beijando-a suavemente antes de olhar em seus olhos mais uma vez.

"Me diga para parar e eu paro."

Chloe balançou a cabeça um pouco, "Não... Me beije, Oliver."

E ele o fez.

Chloe não se importava se eles estavam fazendo aquilo por causa da solidão, ou se ela tinha algum tipo de complexo com heróis e ele tinha algum tipo de atração por donzelas em perigo, ou se era o vinho, ou algum tipo de feitiço, mas era a primeira vez que ela sentia algo assim e não queria mais pensar.

Ele beijou-a com força e com tamanha paixão que ela nunca tinha sentido antes, de repente eles estavam rolando no piso, o sorvete derretendo e passando de suas calças para o chão, mas ambos não se importaram.

As mãos dele estavam quentes e pesadas em seu corpo quando encontraram o caminho para seus seios, empurrando o casaco antes de atacar os botões de sua blusa azul para encontrar a renda de seu sutiã.

As mãos dela fizeram o mesmo, seguindo o seu exemplo conforme ela puxava sua camisa preta, ele interrompeu seus beijos acalorados só para se livrar de suas roupas. Chloe podia sentir os músculos tonificados de suas costas e ombros sob seus dedos e explorou-o com um toque um pouco menos delicado.

Então, ela foi erguida nos braços dele, a blusa meio aberta e seu cabelo bagunçado, mas ela não se importava. Ela envolveu os braços ao redor dos ombros dele, dedos afundando em seus curtos cabelos loiros, e pernas enroladas firmemente em torno de sua cintura enquanto ele a levava para o quarto. As mãos dele estavam em sua bunda, enquanto ele a apertava e gemia em sua boca.

Chegando a sua cama, ele praticamente a jogou sobre o colchão com suaves lençóis marrons estampados, rastejando sobre ela como um leão à espreita. Ela sentiu um golpe de calor ir direto entre suas coxas e não pôde impedir um gemido de antecipação escapar de seus lábios. Ele beijou sua boca mais uma vez antes de seguir para o vale entre seus seios, livrando-a completamente de sua blusa, deixando-a apenas em um sutiã roxo escuro e calça jeans. Logo as mãos dele foram para a fivela e a calça saiu lentamente, conforme ele a puxava para baixo, revelando a calcinha fio dental branca e apertada que ela usava por baixo.

Oliver gemeu com a visão de sua pele nua e o denso cheiro da excitação dela no ar. Ele estava tão ligado que sentiu que não ia conseguir se controlar. Ele estava usando cada grama de força de vontade que tinha para não se enfiar em seu calor aveludado de uma vez. Ele levou sua boca para o umbigo dela, girando a língua lá e caminhando para as sensíveis partes internas de suas coxas.

Chloe arfou, segurando os lençóis entre os punhos, enquanto observava a cabeça loura de Oliver se aproximar de seu centro.

"Droga", ela disse baixinho quando ele a beliscou.

Ele caminhou de volta pelo corpo dela, querendo livrá-la de todas as roupas antes de continuar, necessitando ver cada parte de seu corpo.

Quando chegou aos seus lábios, ele a beijou com força, explorando sua boca enquanto suas mãos encontraram o fecho do sutiã dela, desfazendo-o enquanto ela se mexia para se livrar da peça ofensiva. Ele enrolou os dedos nos cabelos dela, sentindo os mamilos duros roçarem contra seu peito nu enquanto ela se arqueava contra ele, deixando seu corpo tenso e fazendo seu comprimento endurecer dolorosamente.

Chloe gemeu quando sentiu o ar fresco bater em seus mamilos, seguido pelos músculos do peito dele. Uma mão deixou o cabelo dela enquanto ele a arrastava pelo seu corpo sobre o seio direito, antes de deslizar sob sua roupa interior, encontrando suas dobras lisas.

Oliver gemeu quando Chloe gritou com o contato, quadris empurrando o dele e costas arqueando ainda mais para fora da cama.

"Deus, você está tão molhada", ele disse com voz baixa e rouca. Seus longos dedos habilmente acariciaram a fenda dela, antes de pressionar o clitóris cuidadosamente.

"Porra", Chloe disse em um sussurro.

Em seguida, eles estavam rolando quando Chloe de repente o empurrou de modo que ela ficasse por cima, com a mão dele sendo pressionada contra o calor dela. No entanto, ele se deparou com a visão de seus seios nus, atrevidos e implorando para serem tocados. O sol de tarde de inverno se revelando através de sua janela, fazendo a silhueta seminua dela parecer quase sobrenatural, a respiração ficou presa na garganta dele enquanto suas mãos agarravam as laterais das coxas dela, os polegares acariciando a pele ali suavemente.

Chloe sorriu para ele, "Você está muito vestido", ela disse, levando as mãos para a fivela de seu cinto, o despindo com um puxão de suas mãos.

Ele viu os seios dela saltarem e lambeu os lábios, seu pau se contraindo sob seu calor. Ela desabotoou a calça dele, deslizando o fecho suavemente antes dele levantar os quadris para que ela pudesse retirar a peça, juntamente com sua boxer.

Seu comprimento orgulhosamente em pé para ela, e Chloe não pode deixar de olhar. Ele era lindo, lindo mesmo e uma emoção atravessou o corpo dela que instintivamente esfregou seus quadris contra ele fazendo-o gemer. Ele a puxou para frente para que os seios dela pairassem sobre sua boca. Tomando um mamilo entre os lábios ele o sugou suavemente antes de morder, fazendo Chloe gritar e jogar a cabeça para trás.

Ela apertou o quadril ainda coberto pela calcinha contra ele, desejando o atrito desesperadamente. Logo ele os girou de modo que ela ficou na frente dele, ambos deitados de lado, com as costas dela contra seu peito como se estivessem de conchinha. Seus lábios foram para o pescoço dela enquanto sua mão viajava pela lateral de seu corpo, vibrando sobre seus seios e costelas, fazendo-a tremer. Em pouco tempo suas mãos estavam ao lado da calcinha dela. Com um puxão ele a partiu, livrando-a completamente da peça antes de sua mão mais uma vez encontrar abrigo entre suas dobras molhadas.

"Ollie..." ela disse, inclinando a cabeça para trás contra seu ombro quando ele beijou-a por trás preguiçosamente.

Ela arrastou a perna para que pudesse sentar sobre o quadril dele, dando-lhe um melhor acesso ao seu calor. Os dedos dele encontraram seu clitóris, esfregando círculos antes de entrar em suas paredes apertadas.

"Deus", ele disse sem fôlego.

Chloe quase gozou enquanto ele trabalhava nela com os dedos, a boca sugando seus lábios e em seguida seu pescoço enquanto ele a fodia com mais força com os dedos. Ela podia sentir seu orgasmo borbulhar para a superfície, ondas de prazer quase rasgando seu interior, dando partida em sua própria essência e a espalhando por seu corpo até os dedos dos pés. Os dedos dele estavam tão enterrados e seu corpo tão quente contra o dela, que ela pensou que nunca mais seria capaz de voltar para o mundo real uma vez que aquilo tivesse acabado. Assim que sua vista começou a embaçar, ele tirou os dedos de dentro dela, arrancando um grito de protesto de seus lábios.

Então, ela estava embaixo de novo, ela observou quando ele rolou um preservativo em seu comprimento antes de se colocar entre suas pernas. Ele olhou em seus olhos buscando mais uma vez pela confirmação antes de colocar apenas a cabeça em sua entrada.

Ele afundou lentamente dentro dela, sua respiração presa na garganta ao sentir o calor dela tremulando em volta dele.

"Caralho", ele disse, seu cérebro se recusando a formar palavras, exceto essa.

"Oh Deus," Chloe disse em êxtase, automaticamente envolvendo as pernas em torno da cintura dele, os saltos em seus pés pressionando as costas dele, aceitando todo o comprimento em seu corpo.

Ela se sentia tão cheia que poderia estourar, mas ela queria mais, queria sentir cada centímetro dele e em seu interior.

Ele baixou a cabeça para o ombro dela enquanto ela passava os braços em volta de suas costas, os dedos cavando seus músculos assim que ele começou a se mover dentro dela.

Chloe gemeu quando a boca dele encontrou a dela novamente, seus beijos quentes e ansiosos, nada meigos sobre eles, somente a mais completa paixão carnal.

Depois de alguns golpes ele pegou velocidade, contraindo seu traseiro enquanto lutava para ficar na borda e durar por mais tempo. Oliver não conseguia se lembrar de quando o sexo o tinha feito se sentir tão bem, desse jeito apaixonado e bruto. Ele queria que durasse para sempre, mesmo que seu corpo tivesse ideias diferentes.

"Sim, Oliver... mais forte", Chloe se pegou dizendo.

Oliver não precisou ouvir duas vezes, ele pegou velocidade, socando nela com mais força conforme se retirava de seu corpo quase totalmente antes de se empurrar outra vez.

Uma brilhante camada de suor se formou sobre seus corpos nus conforme seus movimentos se tornavam mais rápidos e mais fortes, o som de pele contra pele e respiração pesada enchendo o ar.

Oliver a puxou novamente e com grande agilidade a moveu para que ela estivesse de quatro na frente dele. Chloe choramingou pela súbita perda, mas em seguida gritou novamente quando o sentiu entrar por trás dela, mas desta vez com a pressão adicional da mão dele em seu clitóris e a outra a puxando para que eles ficassem praticamente ajoelhados na cama, parando uma mão no seio dela e os lábios em seu pescoço. Ela não tinha certeza de como ele conseguia equilibrá-los e fodê-la ao mesmo tempo sem cair em cima dela, mas naquele momento ela não se importava.

Ele se empurrou nela uma vez seguida da outra, ganhando velocidade. Chloe sentiu como se todo o seu ser estivesse em chamas, e ela só queria mais.

"Deixe ir", Oliver disse em seu ouvido, sentindo como ela estava tensa, apesar das reações do corpo dela ao seu toque, "Eu seguro você", ele disse beijando o lóbulo de sua orelha.

Oliver se inclinou sobre ela, se enfiando com mais força, segurando a bunda dela e enviando-a ao longo do auge. Ela gritou com a liberação, sentindo-o bater profundamente dentro de seu corpo, praticamente desabando para frente na cama, enquanto Oliver permanecia em cima dela, beijando-lhe o ombro conforme continuava a se bater dentro dela, sua própria libertação o chamando conforme as paredes dela tremeram de forma irregular ao seu redor.

O orgasmo dela persistindo conforme ele continuava, arrastando-a a uma doce bem-aventurança. Ela podia sentir um pequeno tremor vindo dele.

Com um palavrão Oliver a seguiu, caindo suavemente em cima dela, um segundo orgasmo a atingindo conforme ele seguia se derramando, seu pau espasmando dentro dela enquanto ela gritava novamente com extrema satisfação.

Ofegante Oliver rolou de cima dela, não querendo esmagá-la com o seu peso, ele a trouxe com ele, puxando o corpo relaxado dela contra o seu trêmulo, beijando levemente o topo da cabeça dela, que agora repousava sobre seu ombro.

Ele não tinha certeza de quanto tempo ficaram ali, apenas segurando um ao outro, seus dedos passando pelas costelas dela suavemente, mas ele sabia que já fazia um bom tempo, pois o frio do quarto estava começando a fazê-la estremecer. Quando ele puxou suavemente o cobertor ao redor deles foi que o feitiço finalmente pareceu quebrar.

"Isso..." Chloe disse, "Eu não sei”.

"Eu diria que foi uma ótima transa. Posso até mesmo dizer que foi a melhor que eu já tive.”

Chloe o empurrou levemente, "Ah, tá bom…".

Ele olhou para ela, "Estou falando sério. Você é incrível”, ele disse suavemente, tirando um pedaço de cabelo úmido de sua bochecha.

Chloe se encontrou ruborizando novamente, olhando para baixo de seu ombro.

“Ei," Oliver disse suavemente, levantando o queixo para cima com o dedo indicador: "Eu não estou brincando”.

Chloe se inclinou e o beijou novamente. Ela não pode se impedir de sentir que aquele beijo foi diferente de alguma forma, quase mais real.

"Então, Arqueiro Verde, não é?" Chloe sorriu para ele.

"É..." Oliver disse, sua vez de ficar tímido.

"Você vai ter que me contar tudo sobre isso em algum momento."

"Portanto, vai haver uma próxima vez?" Oliver perguntou esperançosamente.

Chloe olhou para ele, um olhar sério caminhando sobre seu rosto.

"Bem... eu quero dizer...”

"Eu quero que haja," Oliver disse rapidamente, puxando-a para mais perto dele de modo que não houvesse mais espaço entre eles: "E não me refiro apenas a sexo”.

Chloe ficou em silêncio por um momento antes de falar: "Eu gostaria disso." Ela sorriu para ele.

"Bom", disse ele roçando o nariz contra o dela.

"Mas da próxima vez, é melhor que tenha sorvete", ela fez biquinho.

Oliver riu e beijou-a profundamente, "Eu vou fazer um estoque para o ano inteiro”.

Certamente esse não foi o Dia dos namorados que Chloe pretendia ter, e era provável que mais tarde ela surtasse de vez por ter feito isso. Mas, por agora, Chloe Sullivan estava na cama com um muito nu Oliver Queen (que aparentemente era o Arqueiro Verde) e ele a queria, mesmo que fosse apenas por aquele momento. Olhando nos olhos castanhos de Oliver, ela definitivamente podia ver que sua sintonia com o Dia dos Namorados tinha mudado. E Oliver... Bem, Oliver tinha conseguido o que queria o tempo todo e só podia concordar com ela.

______________________________________
SEQUÊNCIA: Of Cakes and Happy Accidentes

_________________________________________________________________________________

22 comentários:

  1. Ai, pessoal, que fic super hiper. Adorei!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Amei, deu até vontade de sair para comprar um sorvete, rsrs.
    Karol.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, acho que vou ao supermercado mais tarde kkk

      Excluir
  3. Hahahahahaha eu também, Karol... minha boca até encheu d'água... huuum, sorvete de brigadeiro... aiai hahaha

    E quanta possessividade por um sorvete, hilário cada vez que ela falava "meu sorvete"... e a Chloe se saiu muito bem, né? Mesmo sem conseguir provar o sorvete, terminou com um Ollie todinho pra ela...

    Adorei, mesmo, Paula!! =DDDD

    GIL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ri com ela mandando o Oliver ir para casa comer trufas com outro comestível kkk

      Excluir
    2. Kkk... Verdade, GIL, quem ia querer sorvete quando se ganha um 'unicórnio', rs... se é que me entendem... :D

      Excluir
    3. KKKKKKKKK... essa do 'unicórnio' tá rendendo, hein?!!!
      Como me divirto, viu?!

      GIL

      Excluir
    4. Vixi, boiei total... que história é essa de unicórnio, gente?

      Excluir
    5. Ah, Angelique, passa lá no último post do Just Chlollie e saberá!! haha =DDD

      GIL

      Excluir
    6. Ah tá!!!!!!! Kkkkkkkkkkkkkkkkkk.... Não é por nada não, mas pra mim parece que UNICÓRNIO é tipo um termo secreto entre os dois, rs... Que bafão essa troca de tweets, um flertando com o outro descaradamente!!!!!!!! E ela assanhadinha mandando ele ligar pra ela, rs... É, também imagina o poder do unicórnio que deve rolar ali, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    7. Eu acho que alguém devia escrever uma fic sobre essa história do unicórnio... huahauhauahauahuaa

      Paula, excelente escolha pra traduzir, perfeita pro dia de hoje! Adorei!

      Excluir
    8. APOIADA, Ciça!!!!! Isso é uma missão para a Super-Roberta!!!!!!!

      Edicleia

      Excluir
    9. Nossa, nem falei da fic, rs... Paula, eu não poderia ter lido nada melhor para o dia de hoje, nem em sonho imaginaria uma fic tão perfeita e tão hot e tão tudo, obrigada.

      Edicleia

      Excluir
    10. Eiiiitaaa!! Já surgiu até ideias pra fics?!! hahahaha
      Rooooberta???? hahaha

      GIL

      Excluir
    11. Obrigada Ciça!!!!! Sabe que eu pensei nisso de uma fic sobre os unicórnio kkkkk piramos com essa tuitada deles kkkk

      Obrigada Edicleia :DD fico muito feliz que tenha gostado!

      E o bafão dos unicórnios continua kkkk

      Excluir
  4. Paula, não conhecia a história e que demais uma fic mesmo com o tema Dia dos Namorados. Muito obrigada por compartilhar conosco leitores, e como parte do blog, obrigada por colaborar tanto conosco!!!!! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :D que bom que a fic agradou Sofia! Eu gostei dela assim que comecei a ler pela primeira vez.

      Excluir
  5. Minha mãe do céu, querendo matar a gente né, Paula... Menina, também não conhecia essa!!!!!!!! Obrigadíssima!!! Não poderia haver escolha mais perfeita para o Dia dos Namorados e UHUHUHUHUHUHU tem sequência!!!!!!!!! :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou Angelique, fico feliz! A sequência é muito fofa :D

      Excluir
    2. Como assim? Agora que vi que tem sequência!! hahhahahahaha
      Maravilha!! \o/

      GIL

      Excluir

Google Analytics Alternative