28.1.11

The Play By Play

0003ds3d

Título: Cena a Cena
Ideia: Eu não acredito que você achou que vestir isso seria uma má ideia.
Autora: slytherinpunk
Classificação: NC-17
Nota da autora: Tema e linguagem extremamente adultos e muito fetiche. É aconselhável ler com um copo de água gelada por perto.
[Não continue se você não se sente confortável com o tema]
Banners: o primeiro é da soapfan101 e o segundo é da sanaazzy
Esta tradução é mais um presente da Angelique, leitora do blog.

0003h1r0


Oliver soltou a gravata do pescoço antes de apertar o botão do elevador para sua cobertura e se recostou contra a parede, para se impedir de cair. Ele estava exausto depois de quinze horas de vôo vindo de Hong Kong. Ele havia tido reuniões intermináveis durante alguns dias enquanto negociava um contrato com a companhia LSI Holdings, que acabou sendo cancelado devido à ligação com a máfia de seu dono corrupto, Lau, que havia sido subitamente preso pelo dono de Gotham City, o esquivo Batman.

Felizmente o roedor voador tinha interceptado o administrador antes que Oliver tivesse assinado os termos finais do contrato, e isso o mandou para casa um dia antes do previsto. Ele não tinha ligado para avisar sua namorada da mudança em sua agenda, ela provavelmente já sabia pois mantinha um arquivo de todas as suas ligações e atividades, da segurança de seu lar.

Infelizmente, ele não tinha conseguido dormir no avião apesar do quanto estava cansado durante as últimas sete horas de vôo. Embora não tivesse medo de voar, ele preferia estar consciente e bem acordado durante a viagem, provavelmente por causa do infortúnio que seu pais tiveram encontrando a morte precocemente. Então a única coisa que lhe parecia apelativa no momento era se jogar em sua enorme e espaçosa cama junto com sua namorada linda, e dormir pelas próximas oito ou dez horas.

Devido a natureza de seus negócios na China, ele não tinha levado a roupa de seu alter ego. Ele mal teve tempo para se alimentar, imagina impedir algum bandido, ou traficante, e felizmente desde seu desastroso uso de uma super pele e kriptonita, Lana estava tomando conta da maior parte da Ásia, então sua consciência heróica podia descansar por pelo menos uma ou duas noites.

Ele suspirou quando o elevador abriu em seu andar, muito feliz por finalmente estar em casa. Ele parou assim que saiu, percebendo o como estava estranhamente escuro. Ele deu uma olhada no relógio, e franziu as sobrancelhas confuso. Era quinze pra uma da manhã, e a Watchtower normalmente estaria funcionando até as duas da manhã pesquisando esquemas ou interceptando arquivos para a Liga. Seu sentido de alerta aumentando ao perceber a ausência dela. E ele imediatamente imaginou os piores acontecimentos que podiam transformar seu lar numa armadilha.

Cuidadosamente, ele foi até os computadores, tentando não fazer nenhum barulho, colocou a bolsa no chão, e segurou o mouse, ligando o monitor. Ele apertou algumas teclas, olhando ao redor para ter certeza que ninguém estava por ali e então digitou a última senha, exibindo a gravação do sistema de segurança de entrada e saída do prédio. Além de Chloe voltando por volta das quatro da tarde com um copo na mão como se tivesse acabado de voltar de sua cafeteria preferida, a gravação só mostrava Oliver entrando na casa esta noite.

Ele expirou aliviado e fechou as janelas do programa, e se abaixou para pegar sua bolsa. Mesmo achando estranho que Chloe tivesse ido pra cama cedo, ele não podia dizer que não estava agradecido pela conveniência de já tê-la em sua cama quando ele estava tão cansado e ansioso para estar lá com ela. Ele raramente ia pra cama antes dela, considerando que ele patrulhava com ela o guiando até ele chegar em casa. Mas em raras noites quando ele ia pra cama antes dela, ele passaria pelo menos uma hora tentando tirá-la da frente do computador, e convencê-la a ir pra cama com ele, e deixar que outra pessoa, como J'onn ou os Super Gêmeos, tomassem conta da vigilância.

Balançando a cabeça ele subiu a escada para o quarto deles e colocou a bolsa ao lado do armário e tirou o casaco. Ele caminhou até o lado esquerdo da cama (o seu lado) e acendeu a pequena lâmpada da mesinha, pendurou o casaco no armário e o fechou o mais silenciosamente possível. Se virando na direção da cama, ele ficou chocado pela visão que o recebia.

Com o edredon completamente jogado ao pé da cama, Chloe estava espalhada em cima dos lençóis brancos, usando seu couro, o colete do Arqueiro Verde, e uma calcinha branca. Mesmo que ele quisesse (e ele com certeza não queria), ele não conseguia evitar que seus olhos passeassem de suas pernas, para suas coxas que levavam ao perfeito triângulo no meio delas. O desejo o atravessou, e todos os pensamentos que ele tinha de algumas horas de descanso foram embora de sua mente quando seus olhos pousaram sobre a calcinha branca e parou ao menor sinal de pele nua entre o couro e sua inocente calcinha. Era só uma mínima parte, um pedaço de pele, um sinal de como ela estava nua sob seu colete e ele respirou fundo quando sentiu seu pênis se contrair com a visão.

Ele tentou ignorar o quão apertada sua calça estava se tornando enquanto seus olhos corriam, traçando o caminho do zíper, o coro se fechando sobre a pele da barriga até embaixo dos seios. Seus seios pressionados juntos, com metade do vale entre os seios expostos pra ele, e seus olhos beberam a visão como uma esponja absorvendo água. Ele arfou, sua garganta apertando enquanto o persistente volume em sua calça ia do duro para aço em tempo recorde, e seu estômago estava dando nós.

A visão diante dele deixou sua boca salivando, e a sede de necessidade por ela ultrapassava a compreensão.

Ela estava usando apenas parte de seu uniforme; seu uniforme já havia estado presente antes em algumas ocasiões. Ele tinha voltado de missões mais cedo, quando a adrenalina ainda estava correndo em suas veias, e ela deixava a cadeira assim que ele entrava e quase o atirava no chão. Acontecia normalmente quando ele voltava de missões perigosas, e mesmo que o capuz caísse e os óculos fossem descartados, o couro mesmo nunca ficava fora durantes esses momentos de necessidade e pressa. Vagamente, ele suspeitava que seu uniforme era um fetiche pra ela.

E já que ela o estava usando e nada mais além de uma calcinha em sua cama, durante sua ausência, ele só podia concluir que ela tinha sentido sua falta e meio que tentou usar algo que era só dele; para confortá-la.

Ele estreitou os olhos ao ver a cama desfeita enquanto ela dormia sonoramente de costas, completamente alheia à sua presença. Ele percebeu sua respiração constante com o subir e descer de seu peito, e seus olhos desceram até suas coxas que pareciam estar apertadas juntas. Uma imagem surgiu em sua mente de suas pernas abertas, seu braço deslizando sobre o couro verde, sua mão indo para debaixo do elástico de sua calcinha equanto ela tentava aliviar a necessidade de seu corpo com sua ausência. Ele a imaginou se apertando contra o colchão enquanto tentava imaginar a mão dele como sendo a dela em cada esfregada que ela dava nos lábios inchados de sua b*c*ta molhada numa tentativa de se aliviar sem ele.

Ele olhou para a mão direita dela. Seus dedos estavam fechados e próximos de sua cabeça enquanto ela dormia pacificamente devido a frustração de ter que se satisfazer sozinha. Inclinando-se, ele estendeu a mão, seus dedos traçando levemente sua pele enquanto ele olhava seu pulso, segurando-o gentilmente e puxando a mão dela até seu rosto. Usando a outra mão, ele partiu os dedos dela e levantou seu dedo do meio, trazendo-o até sua boca. Colocando o dedo em seus lábios, ele o afundou em sua boca, envolvendo os lábios ao redor dele e o chupando devagar, sugando-o pressionando sua língua. O fraco sabor da excitação dela sendo percebido e ele envolveu a língua como se ele ainda estivesse molhado e ele estivesse lambendo para limpar.

Entre o atordoamento de seu desejo, e a dor de seu membro latejando, ele quase não ouviu o suave miado que escapou dos lábios partidos dela. Ele deu uma olhada em seu rosto, esperando seus olhos se abrirem e quando ela começou a abrir os olhos, olhos verdes derretendo os marrons; ele tirou o dedo da boca e traçou a língua ao longo do dedo enquanto mantinha o olhar. Ele lhe deu um olhar de quem sabia o que ela tinha feito e um sorriso arrogante. "Aparentemente você sentiu minha falta."

A suave luz da pequena lâmpada lhe permitiu ver as bochechas dela ficarem vermelhas e ele imaginou o que fazer para ela corar ainda mais; com o fato de que ele tinha provado a evidência de sua luxúria e desejo, ou de tê-la pego com seu uniforme de vigilante como se fosse sua segunda pele. Seus lábios se curvaram em um sorriso aos olhos arregalados, a expressão inocente que ela lhe dava, e ele decidiu testar seus limites, agora que ele sabia o quão pervertida ela era, e que tipo de efeito as fantasias dela provocavam em seu corpo.

"Me conta", seus olhos escuros se concentraram nos dela enquanto ele se abaixava sobre sua pequena forma, não dando a ela tempo para dignificar suas ações com uma resposta. Ele se equilibrou com a palma da mão esquerda no colchão, bem ao lado de sua cabeça, enquanto a mão direita descia por seu corpo como se estivesse tentando moldá-la. Ele desceu pela curva de seu seio que estava escondido graças ao apertado couro, passando por suas costelas até seus quadris, onde ele aumentou levemente a pressão, como se fosse o botão que a 'ligava'.

"Você estava fingindo que eu estava te levando ao climax com meus dedos maravilhosos?" Seus dedos desceram agora pela coxa, roçando levemente as unhas em sua pele perfeita. "Ou você estava imaginando que eu estava usando minha maravilhosa língua para provocar você com lambidas dolorosas e lentas?" Ele permitiu que sua mão mergulhasse, traçando a pele sensível da parte interna de sua coxa enquanto ele fechava os olhos brevemente, com o arrepio que subiu por sua espinha.

Inclinando-se, ele mergulhou a cabeça na curva de seu pescoço, não satisfeito até que sua boca estivesse a centímetros da orelha dela. Seu hálito quente alcançando seu ouvido enquanto suas palavras descreviam uma pintura dela com suas palavras escandalosas; "Ou você se aliviou imaginando que eu estava fodendo você com meu p** duro e preenchendo você com cada estocada funda?" Ele se afastou o suficiente para olhar dentro de seus olhos antes de segurar a mão direita dela novamente, e dessa vez, ele colocou o dedo indicador dela na boca.

Ele colocou afundou o dedo em sua boca, envolvendo os lábios ao redor e lentamente saboreando o gôsto dela até que a última parte de seu dedo deslizasse para fora de seus lábios. "Bem", ele lhe deu um olhar malicioso e arrogante. "Parece que agora nós dois sabemos qual é a resposta."

Embora ela não tenha corado tanto quanto ele esperava, ela não o desapontou no entanto. Ela lhe deu um olhar ardente, não mais piscando com sono, e ela levantou a perna. Arrastando-a lentamente sobre a curva de sua panturrilha e coxa até que sua perna estivesse em seu quadril. "Bem... você está em casa agora." Oliver podia jurar que ele nunca tinha ouvido sua voz tão sedutora antes, como se seu disfarce tivesse sido descoberto. "Então a melhor pergunta é: o que você planeja fazer comigo com seu p** duro?"

Ele pensou que sua ereção extenuante ia rasgar os confins de sua calça enquanto endurecia ainda mais ao ouvir o desafio em seu convite. Deve ter sido a visão dela em seu couro que o deixou tão duro, mas ela sabia como despertar a besta. Oliver sorriu incontrolavelmente, sabendo muito bem o que ele queria fazer com ela com seu pênis latejante, mas ele ainda não ia contar pra ela e arruinar a surpresa.

Tirando a mão de sua coxa, ele a mergulhou entre as pernas dela. Usando dois dedos, ele esfregou sua b*c*t* inchada sobre a calcinha. Chloe deixou escapar um lento gemido e ele abriu mais as pernas dela, deixando a outra mão segurar sua cintura para se acomodar melhor.

Satisfeito com a reação dela, ele traçou o polegar sobre a fenda de sua b*c*t* e sentiu os joelhos dela tremerem enquanto sua calcinha branca escurecia sob seu toque, a evidência de sua umidade molhando o fino tecido.

"A única pergunta, Chloe", ele disse arrogantemente enquanto colocava o polegar por dentro de sua calcinha e empurrava a roupa intrusa para o lado, "é como você imaginou que eu estava fodendo você?" Ele roçou o polegar sobre seu clitóris. O contato da pele contra pele fazendo-a respirar fundo enquanto os quadris se arremetiam pra frente, pedindo por mais. Antes que seus insistentes quadris se batessem contra ele, ele deliberadamente se afastou, tirando a mão de sua região inferior, fazendo suas pernas caírem de sua cintura. Ele se levantou ficando completamente fora de alcance, e tentou não sorrir quando ela choramingou pela perda dele.

"Ollie..." Ela protestou com a distância.

Oliver nem se incomodou em tirar o resto da roupa. "Como eu toquei você, Chloe?"

Ela gemeu em protesto e desejo, mas a resposta não satisfez Oliver nem um pouco. Ele não queria apenas que ela sentisse falta e desejo por ele. Ele queria que ela ardesse com desejo e necessidade, e ele precisava conhecer cada detalhe do efeito que ele tinha sobre ela.

"Com força", ela respondeu rapidamente, e se sentou tentando alcançá-lo novamente.

Sorrindo levemente, ele balançou a cabeça à sua teimosia. "Me conta cena a cena o que você fez para gozar e eu prometo que você não vai precisar de nenhum de seus dedos para se aliviar dessa vez."

Ele a observou morder o lábio inferior em hesitação e teve que controlar o desejo de se jogar em cima dela e prender aquele lábio entre seus dentes. "Eu só tenho que te contar o que eu fiz?" Sua pergunta saiu timidamente.

Oliver assentiu. "Me conta o que você fantasiou que eu estava fazendo." Inclinando-se levemente, ele roçou o polegar ao longo de sua fenda mais uma vez, observando o corpo dela convulsionar com outro tremor. "Como quando você se tocou com um simples roçar dos seus dedos e um giro do seu pulso, você me imaginou te provocando com minha mão, chamando você de garota indecente e molhada?"

Inesperadamente, ela estendeu a mão e a fechou sobre seu pulso com força enquanto o puxava e colocava a mão dele sobre seu monte molhado. Oliver não era inexperiente com mulheres, de jeito nenhum. Ele tinha tido muitas mulheres, algumas gostavam de uma conversa indecente, outras gostavam das coisas um pouco mais ásperas. As coisas nunca eram muito esquisitas pra ele, ele normalmente traçava uma linha para evitar ficar muito aventureiro, como a linha onde as mulheres nunca eram dominantes. O que não tinha sido problema nenhum com Chloe.

No começo de seu relacionamento, ela estava um pouco nervosa, com medo de ser comparada a suas outras conquistas. Mas ele nunca, de verdade, havia tido sexo melhor com nenhuma outra. A química, o jeito que os dois se encaixavam e estavam sempre em sincronia, não havia nada que fosse um simples toque com ela; ela fazia cada um de seus nervos explodirem de ansiedade. Mas geralmente ela permitia que Oliver fizesse os primeiros movimentos, confiando seu corpo e seu coração a ele, e seu gesto ousado, o surpreendeu completamente, quase o fez explodir dentro da calça.

"Você já estava nu a essa hora é claro", o sarcasmo em suas palavras não eram uma provocação, não que Oliver pudesse ter certeza, ele estava muito distraído pelo repentino subir dos quadris dela enquanto ela se abraçava a sua mão. "E você estava se preparando para ir patrulhar."

Seus ouvidos se animaram enquanto ela dava voz a fantasia que teve com ele, mas ele não se moveu para recompensá-la só por algumas palavras, ele estava ansioso esperando que ela continuasse antes que ele cumprisse sua promessa.

Ela correu a mão pelo colete de couro provocantemente, cada vez mais devagar enquanto corria a forma dos seios, descendo para acariciar os quadris. "Só que eu estava usando seu colete", ela resfolegou, com um toque de inocência e um exagero de sensualidade.

E Oliver teve que engolir a saliva em sua boca. "Deixa eu adivinhar", ele começou, uma vez que conseguiu voltar a formular palavras. "Eu tive que convencer você a tirá-lo?" Ele deslizou um dedo ao redor dos lábios externos e molhados com um toque extremamente suave.

Chloe o surpreendeu se afastando dele e se sentando sobre as pernas, escondendo seu sexo pingando dele enquanto lhe dava um olhar feio. "Você não tirou a roupa ainda, você não pode pular as cenas", suas palavras praticamente o derrubaram. Mas o brilho em seus olhos sérios mostraram que ela falava sério.

Mais do que disposto a satisfazê-la se ela continuasse a falar desse jeito com ele, ele quase rasgou a gravata antes de jogá-la no chão. Uma vez livre, ele imediatamente começou a trabalhar nos botões de sua camisa, convicto que tinha arrancado mais de um botão; mas ele não podia se importar menos. Ele tinha toneladas de camisas, e podia comprar mais se precisasse. No entanto, ele só tinha um colete de couro verde, e ele estava louco para montar em cima dela, agarrar seus quadris e se empurrar dentro dela em todas as posições que ele conseguisse deixá-la.

Com um rápido movimento de seu pulso, ele descartou o cinto e o deixou cair com um alto barulho no piso de madeira. Suas mãos encontraram o botão da calça enquanto seus olhos estavam presos nos dela, e sua expressão neutra e impassível. Abrindo o botão num piscar de olhos, ele pegou o zíper de metal entre o indicador e o polegar e o deslizou para baixo cuidadosamente, não querendo infligir acidentalmente dor à vigorosa ereção que era perceptível sob a calça.

Ele colocou a mão por dentro da cintura da calça e da boxer, deslizando-as ao mesmo tempo para baixo, quase sibilando quando sentiu o ar frio sobre a pele quente de seu pênis em expansão. Seus olhos deixaram o de Chloe brevemente e ele percebeu a ponta de sua masculinidade já lisa, revestida de fluido pré-ejaculatório.

Levantando a mão, ele circulou com um aperto, prestes a passar o polegar sobre a cabeça de seu pênis inchado, quando ouviu Chloe se mexer na cama e seus olhos imediatamente encontraram o dela. Ela estava olhando para sua ereção do jeito que ele imaginou que um leão olharia para sua presa. Ela apenas se inclinou, apoiando-se nos joelhos, as pernas não mais sob seu corpo.

"Não", a palavra o golpeou como um chicote obrigando-o a obedecê-la, ela se inclinou para fora da cama, para segurar sua ereção com força, afastando a mão dele. "Sua ponta ainda não estava molhada com sua semente ainda", ela disse a ele, antes de abaixar a cabeça e sua língua se lançou com uma lambida rápida e íntima, limpando-o da evidência de sua excitação. Ele arfou com o contato, seus quadris involuntariamente se atirando para a frente, determinado a encorajá-la a colocar mais em sua deliciosa boca mas ela se afastou, a língua de volta na boca enquanto deslizava a mão até a base de seu pênis inchado para segurar suas bolas.

"Desculpe desapontá-lo, mas chupar você não está no roteiro", ela deu a seus garotos um rápido apertão para enfatizar.

Santo Deus do Céu. Se ela deixasse, ele teria gozado só com essas palavras.

Antes que ele pudesse responder ela se afastou, sentando-se novamente na cama, apoiada nos joelhos enquanto o observava atentamente esperando seu próximo movimento. Só que ele entendeu que não podia se mover, ele tinha que esperar que ela dissesse o que acontecia antes que ele pudesse dar qualquer passo.

Ela o estudou silenciosamente durante outro momento, seus olhos correndo os ombros relaxados dele, e descendo até sua tensa e impaciente ereção.

Quando ela finalmente pareceu satisfeita com sua obediência, ela se mexeu na cama, inclinando-se sobre os braços enquanto se esticava. "Assim que você ficou nu, do seu lado da cama", ela corrigiu sua posição ao pé da cama, e ele se moveu seguindo as orientações, esperando que ela continuasse antes de atrever a se mover novamente. Porque só Deus sabe o que aconteceria se ela parasse de falar desse jeito com ele.

Ele sabia que finalmente, quando parasse de agir de acordo com a fantasia dela e realmente a tocasse, ela não seria capaz de fazer nada além de gemer, deixar o comando, e ele iria saborear fazê-la perder o controle. Mas por agora, ele precisava deixá-la falar, por suas palavras e a forma que ela acariciou seu pênis com promessas da mais tórrida paixão.

"Você colocou um joelho na cama, então lentamente se inclinou e deslizou seu corpo sobre o meu."

Ele ergueu a sobrancelha à palavra 'lentamente' mas obedeceu mesmo assim, não querendo que ela o mandasse 'de volta ao começo' até que ele fizesse tudo corretamente. Levantando um joelho ele o colocou sobre a cama, descansou um braço à sua frente enquanto se movimentava na direção dela, onde ela estava deitada perto do pé da cama; mesmo com o desejo de se atirar sobre ela, ele refreou seus impulsos lembrando-se das palavras dela. Ele descansou as mãos uma de cada lado de sua cabeça, lentamente deslizando seu corpo sobre o dela, sentindo seus seios presos pressionados embaixo dele e de seu couro, incapaz de evitar sua mente de imaginar se os mamilos estariam duros, roçando contra o duro couro.

Instintivamente, seu membro túrgido descansou entre as coxas dela, procurando as paredes molhadas de seu túnel sem esperar por suas próximas palavras. Antes que ele pudesse refrear a luxúria de sua libido, ela tinha um braço entre eles, e agarrou o p** duro em sua mão pequena impedindo-o de continuar.

Oliver silvou, despreparado para esse tipo de pressão e automaticamente jogou os quadris para trás na tentativa de colocar alguma distância entre eles. Sua reação não a fez soltá-lo, e ele se encontrou olhando pra ela como um cachorrinho que tinha sido repreendido.

"Como você sabia que tinha que patrulhar, você não apressou nada." Ela lhe deu um olhar de alerta, e ele fez uma nota mental de brincar de escolinha em qualquer outra noite, tendo ela no papel da professora severa e cruel. "Suas mãos podem me tocar abaixo da cintura. Mas só suas mãos até que eu diga o contrário."

Oliver sorriu. "Onde especificamente?" Ele a desafiou, e ao olhar que ela lhe deu, acrescentou. "Não quero ter que parar de novo, professora."

Satisfeita com sua cooperação, ela soltou seu soldado armado. "Empurre minha calcinha para o lado", ela orientou, seus olhos brilhando com uma quantidade tortuosa de luxúria, ele começou a imaginar se ela ia se manter no controle até o fim. "E me prepare com seus dedos."

Oliver engoliu em seco, mas obedeceu, tirando uma mão da posição anterior, e gradualmente descendo mais uma vez, mergulhando entre as coxas dela, empurrando o tecido para o lado e deslizou um dedo, passando por suas dobras escorregadias e para dentro de sua passagem quente. Ele manteve os olhos no rosto dela, amando como sua expressão passou da concentração para o prazer enquanto seus quadris se inclinavam na direção dele e seu núcleo molhado cobria seu dedo.

"Mm..." Ela fechou os olhos e inclinou os quadris, tentando, mas incapaz de fazer seu dedo ir mais fundo. O gemido frustrado escapou seus lábios, e ele deslizou um segundo dedo, arriscando sem esperar seu comando. Outro gemido escapou de seus lábios, e ela começou a se mover embaixo dele, ansiosa por mais fricção enquanto se empurrava para baixo como se seus dedos pudessem atravessá-la.

Determinado a sentir mais dela, ele deslizou o outro braço por baixo dela, erguendo seus quadris, suas pernas inconscientemente envolvendo sua cintura enquanto ele se recostava contra a cabeceira da cama. Fazendo-a se sentar sobre ele, ele mexeu o pulso e fez seus dedos a invadirem num ângulo diferente que a fez sussurrar seu som favorito. Ela jogou a cabeça para trás em satisfação enquanto se batia contra seus dedos, seus lábios molhados ensopando sua mão quando ela se ajoelhou e começou a se balançar.

Lambendo os lábios para conseguir falar, ele perguntou. "O que acontece depois?" Sua própria respiração começando a ficar levemente pesada ao vê-la se desfazendo sobre ele.

Chloe gemeu em protesto, tendo que lutar contra o orgasmo que se aproximava e torcia suas entranhas. Ela umedeceu os lábios com a língua. "Boca", ela murmurou.

Ele mexeu os dedos, roçando os lábios externos de seu clitóris antes de descer os lábios até o pescoço dela. "O quê?" Ele fingiu não tê-la ouvido.

"Sua boca, Oliver", Chloe gemeu por entre os dentes cerrados. "Droga, Oliver, coloca sua maldita boca em mim!" Ela gritou, sua irritação deixando seu rosto vermelho, o fazendo sorrir ainda mais.

Sorrindo, ele mergulhou os lábios traçando seu pescoço, continuando a segurá-la contra ele com um braço, enquanto sua outra mão continuava a enlouquecê-la com o roçar rápido de seus dedos. Ela deu um pequeno choramingo em protesto quando sentiu os lábios dele em seu pescoço.

"Oliver..." Chloe choramingou, girando os quadris na mão dele.

"Você disse pra eu colocar minha boca em você..." Ele fingiu inocência.

Ela deu um grito suave enquanto sua frustração aumentava como uma bola de neve numa avalanche mas que ainda não chegou ao fim. "Não aí", era o máximo de ordem que ela conseguia dar.

"Oh?" Oliver se afastou, e ele levou os lábios até os dela, mal tocando-a. "Onde então?"

Os dedos dela se emaranharam no cabelo dele e puxou, fazendo a cabeça dele ir pra trás, permitindo que ela olhasse pra ele. "Arranca minha calcinha e me fode com essa boca ou---"

Ele tirou a calcinha dela antes que ela terminasse a frase, e a jogou no chão enquanto retirava sua mão do ápice de suas coxas e levava as duas até seus quadris. "Segura na cabeceira", ele a instruiu.

A confusão cruzou o rosto dela. "O quê?"

Os dedos dele beliscaram a pele acima de suas coxas. "Segura na cabeceira", ele exigiu novamente.

Ela tirou as mãos do cabelo dele, jogando-as para a frente, passando por ele enquanto agarrava a cabeceira da cama deles. "Não foi assim que aconteceu", sua mente estava começando a clarear do nevoeiro de frenesi em que ele a tinha levado. "No roteiro você--"

As mãos dele deslizaram para segurar sua bunda e a erguia até que seu sexo cintilante estivesse na altura de seus olhos. "Então precisamos reescrever esse roteiro, porque é desse jeito que deveria ter acontecido", ele não lhe deu tempo para ficar envergonhada ou protestar, instantaneamente colocando os lábios nela; sua excitação invadindo seu paladar imediatamente.

Ele a ouviu gritar, mas sentiu os quadris dela se abaixarem, pressionando os lábios com força contra ele. Ele não tinha que perguntar para saber que ela podia sentir seu sorriso contra ela, então ao invés disso, ele se endireitou segurando a bunda dela com suas mãos enquanto a puxava mais perto dele.

Sua língua deslizou ao longo de sua fenda, antes de se empurrar dentro e fora dela. Ele podia senti-la tremendo ao redor dele, por causa da língua dentro de suas paredes, as mãos em sua bunda, e suas coxas tremiam ao lado da cabeça dele. Retirando a língua, ele chupou seu clitóris, sussurrando sua canção preferida contra a pele molhada.

"Oliver!" Ele a ouviu gritar com a força de seus pulmões. "Você não me deixou gozar", ela choramingou enquanto se movia contra os lábios dele.

"Ainda não", ele respondeu, deslizando a língua ao longo das dobras externas de seu clitóris.

"N-não..." Ela arfou. "V-você não me deixou gozar..." Ela gemeu enquanto ele gentilmente abria suas dobras e lambia seus lábios internos e começava a chupar com força o pequeno pedaço de pele. "Na minha fantasia!" Ela gritou, incapaz de fazer os quadris pararem de contrair.

Ele apertou e amassou sua bunda, puxando-a mais perto dele. "Como se você pudesse se segurar", Oliver murmurou, suas palavras roçando contra ela e espalhando pequenas vibrações que a fizeram se desmanchar ao redor dele.

Ele começou a limpá-la com a língua enquanto ela atravessava o climax, mas parou logo depois, e a levou para o pé da cama não lhe dando um momento para recuperar o fôlego. Ele deslizou as mãos por baixo da bunda dela mais uma vez, erguendo-a enquanto se empurrava dentro dela, preenchendo-a completamente enquanto suas bolas batiam na bunda dela.

Chloe mordeu o lábio para evitar um soluço enquanto envolvia as pernas ao redor dele mais uma vez, e cruzava os calcanhares atrás de suas costas. Ela ergueu os quadris para encontrá-lo e afundá-lo como se ele já não estivesse enterrado o suficiente dentro dela, sua agora inchada b*c*t* enchendo suas bolas com seu brilho escorregadio.

Gemendo, Oliver se afastou, tirando quase tudo, parando apenas quando a ponta ainda estava dentro dela antes de levantar o quadril e empurrar seu membro latejante de volta dentro dela, alargando suas paredes. Chloe apertou o quadril dele com força, e correu as unhas desde sua bunda até o pescoço.

Oliver estremeceu em resposta, e começou a mergulhar dentro e fora dela com mais rapidez. A fricção entre sua quente e molhada passagem e seu membro duro e encharcado enquanto ele entrava pelo canal apertado tornando difícil pra ele manter o controle enquanto observava Chloe gemer embaixo dele, a pressão em seu útero tão forte, mas tão bom como se ela lutasse para mantê-lo no ritmo.

Lutando contra seu próprio climax, Oliver descansou a mão no quadril dela, sentindo suas bolas apertarem em cada estocada e sua respiração ficando curta. Ele mal podia se concentrar em respirar a essa altura, ele estava completamente perdido nos gemidos de Chloe que enchiam seus ouvidos cada vez que ele se incorporava a ela, e além disso tinha a sensação dela se apertando ao redor de sua lança, engolindo todo seu comprimento enquanto se fechava ao redor dele.

"Porra", Oliver resmungou quando sentiu o arrepio na base de sua coluna, seu último aviso.

Pouco antes de sua barragem romper Chloe gemeu, "Ollie", ela choramingou e trouxe a cabeça dele para baixo, capturando seus lábios com os dela. Seus lábios se encontraram e se bateram com força, se abrindo com necessidade enquanto invadiam os sentidos um do outro. Incontrolavelmente, Oliver apertou o quadril dela com força para deixar uma marca, enquanto empurrava todo seu comprimento dentro dela uma última vez e se desfazia em seus braços.

Oliver engoliu o nó na garganta, enquanto inclinava sua testa suada contra a dela, tentando recuperar o fôlego. "Foi assim?" Ele inspirou e lambeu os lábios. "Foi assim que você imaginou?"

Um sorriso deslumbrante surgiu nos lábios de Chloe enquanto seus dedos brincavam no cabelo atrás de sua nuca. "Não..." Ela abriu os olhos verdes para olhar dentro dos olhos dele. "Foi melhor."

Oliver lhe deu seu famoso 'sorriso-Queen' e se retirou de dentro dela, caindo ao seu lado, envolvendo-a em seus braços e a puxando para perto dele. "E quando, sua pequena atrevida, você teve a ideia de vestir isso?" Ele ergueu uma sobrancelha pra ela.

Apesar do que tinham acabado de fazer, suas bochechas ficaram vermelhas. "Eu senti sua falta, e desculpa se isso é estranho pra você--"

Oliver abaixou a cabeça até a curva de seu pescoço onde ele começou a beijar e chupar a pele macia. Sua mão abaixando o zíper do colete, finalmente libertando seus seios exuberantes, que ele prometeu não negligenciar no segundo round.

Ele roçou o nariz em seu pescoço. "Eu não acredito que você achou que vestir isso seria uma má ideia."

Chloe olhou pra ele por sobre o ombro. "Bem, você está tirando ele de mim agora..."

Oliver fechou a mão em seu seio, apertando o mamilo ereto, se deliciando com o jeito que Chloe sibilou em resposta. "Tudo para satisfazer você minha querida..."

Chloe se virou e rolou até ficar em cima dele, não muito coincidentemente com seu pênis descansando entre suas molhadas e cintilantes coxas. "Então é melhor você ficar de pé, Arqueiro", ela o desafiou.

____________________________________________________________

15 comentários:

  1. Tô passando mal... Minhas pernas tremendo... rssrs
    Ollie!!!!!

    Manu

    ResponderExcluir
  2. O que eu posso dizer?
    - Obrigado, muito obrigado mesmo Angelique...

    Vinícius

    ResponderExcluir
  3. O que eu posso dizer?
    - Obrigado, muito obrigado mesmo Angelique... [2]

    Diego

    ResponderExcluir
  4. Abaaaaaana!!!! \o/

    Hoje é um ótimo dia pra ler e escrever fics, de todos os tipos, pra diminuir um pouco, só um pouco, a frustração de não ter Chlollie =(

    Angelique, parabéns!

    ResponderExcluir
  5. É Angelique... só vc pra salvar o dia, depois dessa maldita CW acabar com a gente!!!!!

    Sofia

    ResponderExcluir
  6. AAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!!!!!!!

    Abana, abana, abana!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Angelique, parabéns!!!!!!!!

    Que fic surtante!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Ah que bom que gostaram... a linguagem é meio 'forte' né? rs.... mas é bom... sempre que for possível agraciarei o blog com essas que são as 'melhores' fics chlollie rs.... já que aquela procariaville não teve a decência até hoje de nos dar um hotmoment...

    Obrigada people...

    Angelique

    ResponderExcluir
  8. Ah, e eu amei o novo banner do blog, nossa os detalhes com as palavras que têm a ver com chlollie, meu Deus, 'babei'...

    Parabéns

    ResponderExcluir
  9. Uh la la...

    Passando mal aqui...

    Jésus...

    ResponderExcluir
  10. SIM SIM SIM, ANGELIQUE_ CONTINUE AGRACIANDO O BLOG COM MAIS DESSAS HOTS, POOOR FAVOOOR.

    E MUITO OBRIGADA POR ESSE PRESENTINHO...

    Li@h

    ResponderExcluir
  11. Nossa, HOT é pouco...

    ResponderExcluir
  12. Angelique não quer traduzir mais uma dessa autora?! XD

    LOL

    ResponderExcluir
  13. nuss melhor fic hot chlollie de todos os tempos!!

    ResponderExcluir

Google Analytics Alternative